Anaxímenes

Category: Termos chaves da Filosofia
Submitter: Murilo Cardoso de Castro

Anaxímenes

Também em Mileto floresceu Anaxímenes, discípulo de Anaximandro, no século VI a.C, de cujo escrito Sobre a natureza, em sóbria prosa jónica, chegaram-nos três fragmentos, além de testemunhos indiretos.

Anaxímenes pensa que o "princípio" deve ser infinito, sim, mas que deve ser pensado como ar infinito, substância aérea ilimitada. Escreve ele: "Exatamente como a nossa alma (ou seja, o princípio que dá a vida), que é ar, se sustenta e se governa, assim também o sopro e o ar abarcam o cosmos inteiro." E ainda: "O ar está próximo ao incorpóreo (no sentido de que não tem forma nem limites como os corpos e é invisível) e, como nós nascemos sob o seu fluxo, é necessário que ele seja infinito e rico, para não ficar reduzido." Com base no que já dissemos sobre os dois filósofos anteriores de Mileto, está claro por que motivo o ar é concebido por Anaxímenes como "o divino".

Fica por esclarecer, no entanto, a razão pela qual Anaxímenes escolheu o ar como "princípio". É evidente que ele sentia a necessidade de introduzir uma physis que permitisse, de modo mais lógico e mais racional do que fizera Anaximandro, dela deduzir todas as coisas. Com efeito, por sua natureza de grande mobilidade, o ar se presta muito bem para ser concebido como estando em perene movimento (bem mais do que o infinito de Anaximandro). Ademais, o ar se presta melhor do que qualquer outro elemento às variações e transformações necessárias para fazer nascer as diversas coisas. Ao se condensar, resfria-se e se torna água e, depois, terra; ao se distender e dilatar, esquenta e torna-se fogo. Um claro testemunho antigo registra: "Anaxímenes diz que o frio é a matéria que se contrai e condensa, ao passo que o calor é a matéria dilatada e distendida (é exatamente essa a expressão que ele usa). Assim, segundo Anaxímenes, não sem razão se diz que o homem deixa sair da boca o quente e o frio: com efeito, a respiração esfria se for comprimida pelos lábios cerrados, mas, ao contrário, torna-se quente pela dilatação se sair da boca aberta."

Desse modo, a variação quantitativa de tensão da realidade originária dá origem a todas as coisas. Em certo sentido, Anaxímenes representa a expressão mais rigorosa e mais lógica do pensamento da escola de Mileto, porque, com o processo de "condensação" e "rarefação", ele introduz aquela causa dinâmica da qual Tales não havia falado ainda e que Anaximandro havia determinado apenas inspirando-se em concepções órficas. Assim, Anaxímenes forneceu uma causa em plena harmonia com o "princípio" e, consequentemente, em perfeito acordo com o significado da physis. Desse modo, é compreensível que os pensadores posteriores se refiram a Anaxímenes como a expressão paradigmática e o modelo do pensamento jónico. E quando, no século V a.C, houve uma revivescência desse pensamento (como veremos adiante), seria precisamente a physis aérea do princípio-ar de Anaxímenes a inspirá-la. [Reale]

Submitted on:  Sat, 13-Jun-2009, 15:35