corpo-alma-espírito

Category: Heidegger em português
Submitter: Murilo Cardoso de Castro

corpo-alma-espírito

Não obstante, Heidegger fala muitas vezes de Mensch não só no próprio SZ, como em preleções e textos posteriores a SZ. Tradicionalmente, o homem é visto como envolvendo três constituintes: o corpo (Leib), a alma (Seele, o princípio animador responsável por estarmos vivos e por nossa vida mais baixa, apetitiva e emocional), e espírito (Geist, nossa razão, nossa "capacidade de dizer eu", GA65, 53). Os filósofos em geral selecionaram um destes constituintes como o predominante, usando-o para explicar os entes como um todo. A maioria escolheu o espírito ou a razão, embora Nietzsche tenha preferido propositalmente o corpo ou a alma (GA65, 313. Cf. SZ, 48, 117, 198). O homem é, com frequência, distribuído entre várias ciências: o corpo à biologia, a alma à psicologia, e o espírito à psicologia ou à lógica. A antropologia, o estudo do homem, anthropos, tenta então reunificar o homem. O seu erro é, no entanto, tratá-lo como um ente dotado de uma natureza intrínseca bem própria, destituído de sua especial relação com o ser (SZ, 45ss; GA3, 209ss/ 142ss; GA28, 10ss). Isto é bastante distinto da antropologia de Kant (GA3, 132ss/91s). Apenas Kant considerou a Einbildung, "imaginação", central para o homem, e viu o "caráter poético [dichtenden] da razão" (GA6, 584/N3, 95s Cf. GA3, 63/42). Einbildung é não somente a capacidade de formar imagens dos entes, mas de abrir um mundo no qual podemos encontrar entes (GA3, 84/57. Cf. GA65, 312). Kant enxerga o homem em relação com o mundo e Deus, assim como a alma; a metafísica enraíza-se na natureza do homem (GA31, 206). Ele transcendeu o " liberalismo biológico" da visão corpo-alma-espírito, vendo que " a pessoa é mais do que o ‘eu’. A pessoa funda-se em uma legislação própria" (GA65, 53) — o que se aproxima da visão de que o ser de Dasein é uma saída para ela (SZ, 42). Kant e o idealismo alemão deram à "consciência de si centrada no eu [ichhafte], uma forma bastante diferente, que inclui uma indicação para o ‘nós’ e para o histórico e absoluto." (GA65, 68). [DH]

Submitted on:  Wed, 14-Mar-2012, 14:49