Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
8 user(s) are online (8 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 1
Guests: 7

mccastro, more...
Home Léxico Filosofia C clássico Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

clássico

Definition:
(lat. Classicus; in. Classic; fr. Classique; al. Klassische; it. Classico). No latim tardio, esse adjetivo designava o que é excelente em sua classe ou o que pertence a uma classe excelente (especialmente à classe militar). Aulo Gélio (Noct. Att., XIX, 8,15) contrapunha o escritor clássico ao escritor "proletário" (proletarius). Mas a difusão dessa palavra para designar um modo ou estilo excelente — e próprio dos antigos —, na arte e na vida, é devida ao Romantismo, que gostava de definir-se e entender-se sempre em relação ao "classicismo". Segundo Hegel, o caráter clássico é definido como a união total do conteúdo ideal com a forma sensível. O ideal da arte encontra na arte clássica a sua realização perfeita: a forma sensível foi transfigurada, subtraída à finitude, e inteiramente conformada à infinitude do Conceito, isto é, do Espírito Autoconsciente. E isso acontece porque, na arte clássica, a Ideia infinita encontrou a forma ideal em que exprimir-se, isto é, a figura humana. Todavia, o defeito da arte clássica é o de ser arte, arte na sua completitude, mas nada mais. Em face dela, a arte romântico-cristâ está em nível superior, pois nela a unidade da natureza divina com a natureza humana (isto é, do infinito e do finito) torna-se autoconsciente e, por isso, não se exprime mais de forma externa, mas:sua expressão é interiorizada e espiritualizada. Na arte romântica, a belezanão é física e exterior, mas puramente espiritual, porque é a beleza da interioridade como tal, da subjetividade inifinita em si mesma (Vorlesungen über die Ästhetik, ed. Glockner, II, pp. 109 ss.). Dessas ideias de Hegel, repetidas de forma pouco diferente por numerosos escritores do período romântico, nasceu o ideal convencional do classicismo como medida, equilíbrio, serenidade e harmonia, contra o qual a distinção de Nietzsche entre espírito apolíneo e espírito dionisíaco (v. apolíneo) representou a primeira reação. Cf. os artigos de Tatarkiewicz e outros na Revue Internationale de Philosophie, 1958, 1 (n. 43). [Abbagnano]

Submitted on 20.01.2010 16:49
This entry has been seen individually 617 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project