Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia P potências sensíveis Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

potências sensíveis

Definition:
É evidente que as potências sensíveis são potências orgânicas, isto é, dependem ao mesmo tempo da alma que lhes é princípio, e do corpo onde se incarnam sob forma de órgãos bem determinados: a mais elementar análise da sensação o testemunha. Assim, a alma, quando separada do corpo, não possui mais suas potências sensíveis, a não ser de modo radical, e não pode mais exercer atos sensíveis.

Não sendo potências puramente espirituais, não podem os sentidos refletir perfeitamente sobre si mesmos, e não têm assim o conhecimento distinto de sua atividade. Um certo poder de reflexão é todavia reconhecido, no peripatetismo, a um sentido particular, o sensus communis, e assim é possível falar de uma certa consciência sensível.

A fisiologia dos órgãos dos sentidos não deixa de interessar a Aristóteles. Mas é evidente que suas alegações, por mais engenhosas que sejam, precisam ser seriamente controladas e completadas. Uma de suas concepções mestras neste domínio era a de que os sentidos, para estarem em condição de receber uma certa forma, deveriam estar privados dela; assim a pupila era feita de água, o que a tornava capaz de ser impressionada por todas as coisas.

Além da potência sensível e de seu órgão, além outrossim do objeto que a determina, é necessário, para que haja sensação, que exista um certo "meio" intermediário.

A existência deste parece repousar sobre uma dúplice constatação. Antes de tudo, no caso de ao menos três sentidos (vista, ouvido e olfato) este meio aparece como um fato; o órgão está separado do objeto sensível por um certo intervalo de ar ou de água que manifestamente desempenha um papel de transmissão. Em segundo lugar, é evidente que suprimindo-se o meio pode desaparecer a sensação: o objeto colorido colocado diretamente sobre o olho não é mais percebido; aproximado demais do ouvido, o objeto sonoro apenas provoca uma audição confusa. Evidencia-se, portanto, que a ação do objeto sensível tem necessidade de se refratar em um meio para poder estar em condição de afetar convenientemente o órgão. É bastante curioso observar que Aristóteles tenha estendido esta teoria aos sentidos do tacto e do gosto, para os quais, ao contrário dos precedentes, parece impor-se o contato corporal direto com o objeto sensível. Aí também o meio ainda existe e não é outra coisa que a carne, pois os órgãos não estão na superfície, mas no interior.

Do mesmo modo que os órgãos, devem os meios estar em condições de neutralidade com relação às formas que recebem: assim o "diáfano", meio correspondente à vista, é incolor e, semelhantemente, o meio do som é insonoro. No caso do tacto e do gosto, para os quais o meio é a carne, matéria necessariamente qualificada, dir-se-á que existe um certo equilíbrio em qualidades, uma "mediedade", que será receptiva de tudo o que for "excesso" no reativo exterior: assim, a mão que é temperada (isto é, nem quente nem fria) pode receber o calor e o frio dos objetos que a tocam.

Qual é exatamente o papel do meio nesta psicologia da sensação? Sem dúvida alguma, antes de tudo o papel de transmissão. Mas servia também, na concepção dos antigos, para proteger os órgãos dos sentidos, aos quais poderia ser nocivo o contato com o objeto. Certos comentadores atribuíam igualmente ao meio uma função de espiritualização das formas, em vista de sua recepção pelos sentidos. Seria graças a ele que estas formas se tornariam sensíveis em ato. [Gardeil]

Submitted on 10.12.2009 16:12
This entry has been seen individually 359 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project