Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 6

more...
Home Léxico Filosofia C círculo Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

círculo

Definition:
(gr. kyklon, diallelos logos; lat. Circulus; in. Circle; fr. Cercle; al. Zirkelbeweiss; it. Circoló).

Segundo Aristóteles a demonstração em círculo ou recíproca consiste em deduzir da conclusão e de uma das duas premissas de um silogismo (esta última assumida na relação de predicação inversa) a outra conclusão do próprio silogismo (An. pr., II, 5, 57 b ss.). Aristóteles admite a plena validade desse procedimento e estabelece seus limites e suas condições a propósito de cada figura do silogismo. Portanto, nada tem a ver com o "círculo vicioso" ou "petição de princípio", que ele enumera entre os sofismas extra dictionem (isto é, que não dependem da expressão linguística) e que consiste em assumir como premissa a proposição que se quer provar (El. sof., 5, 167 a 36).

Somente os céticos identificaram ambas as coisas e julgaram que todo silogismo não só é um círculo, ou seja, uma demonstração recíproca, como também é um círculo vicioso, uma petição de princípio. Nesse sentido usaram a palavra dialelo e o incluíram entre os tropos, isto é, entre os modos de suspender o juízo. Sexto Empírico atribui este tropo àqueles que ele chama de "céticos mais recentes", isto é, os seguidores de Agripa: "Existe dialelo quando aquilo que deve ser confirmação da coisa procurada precisa ser encontrado pela coisa procurada" (Pirr. hyp., I, 169; cf. Dióg. L., IX, 89). Por sua vez, Sexto Empírico acredita que todo silogismo é um dialelo porque nele a premissa maior, p. ex., "Todos os homens são mortais", pressupõe a conclusão "Sócrates é mortal" (Pirr. hyp., II, 195 ss.). Essa crítica negligencia um ponto capital da lógica de Aristóteles, isto é, que as premissas do silogismo não são estabelecidas por indução, mas exprimem a causa ou a substância necessária das coisas. P. ex., quando se diz "Todos os homens são mortais", não se exprime a observação de que Fulano, Beltrano e Sicrano são mortais, mas sim um caráter que pertence à substância ou essência necessária do homem e por isso é a causa ou razão de ser da conclusão.

Em geral, o círculo é considerado sinal da incapacidade de demonstrar. Hegel observou, porém, que "a filosofia forma um círculo" porque, em cada uma de suas partes, deve partir de algo não demonstrado, que é por sua vez o resultado de alguma outra de suas partes (Fil. do dir, § 2, Zusatz). Por sua vez, Rosmini (Lógica, 1854, p. 274 n) falou de um "círculo sólido", pelo qual o conhecimento da parte supõe o do todo, e vice-versa. E Gentile, remontando a tais exemplos, disse que o dialelo ou círculo, da forma como Empírico o mostrou no silogismo, é a característica própria do "pensamento pensado", isto é, do pensamento como objeto de si mesmo. "Esse dialelo", diz ele, "que foi sempre o pesadelo do pensamento, será — aliás é — a morte do pensamento pensante; mas é a vida, a própria lei fundamental do pensamento pensado, sem o qual é impossível conceber o pensamento pensante" (Log, I, parte II, VI, § 3). [Abbagnano]

Submitted on 09.12.2009 15:22
This entry has been seen individually 961 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project