Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
7 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 7

more...
Home Léxico Filosofia Z Zubiri Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Zubiri

Definition:
Zubiri, Xavier (1898-1983)

Filósofo espanhol, professor na Universidade de Madri até 1936, e depois por um curto período na Universidade de Barcelona, tendo-se dedicado a partir de então a cursos privados por ter sido afastado da universidade por motivos políticos. Foi um dos principais representantes do pensamento filosófico contemporâneo na Espanha. Dedicou-se sobretudo à investigação de problemas de ontologia, estética e filosofia da religião. Critica o racionalismo clássico, procurando superar a oposição entre sentidos e inteligência, imaginação e razão, logos teórico e logos poético. Destacam-se a esse propósito suas obras: Inteligencia sentiente (1980), Inteligencia y logos (1982) e Inteligencia y razón (1983), bem como El hombre y dios (1984). [Japiassu]


Zubiri, Xavier (1898-1981)

Nasceu em San Sebastian, Espanha, e estudou filosofia em Lovaina, a qual completou em Madrid com o doutorado. Catedrático de história da filosofia na Universidade Complutense desde 1926. Em 1941 abandonou a cátedra oficial para dedicar-se a realizar cursos em diversas universidades e instituições. Zubiri foi reconhecido como um dos grandes mestres do pensamento e da filosofia durante mais de meio século na Espanha. Em volta de sua pessoa e de seus escritos, girou um número de filósofos, pensadores, científicos e humanistas com influxo notável em diversas áreas da vida espanhola. De seu grupo de amigos, discípulos e companheiros cabe citar Aranguren, Pedro Laín Entralgo, Zaragueta, J. Marias e uma geração mais próxima de nós de estudiosos e seguidores do mestre, entre os quais cabe mencionar González de Cardeal (teólogo), I. Ellacúria (teólogo da libertação, assassinado em 1989 em El Salvador).

Duas notas distinguem a pessoa e o pensamento de Zubiri, segundo Laín Entralgo, baseadas em sua autenticidade, integridade e precisão. A primeira delas é sua atualidade. "A atualidade de Zubiri não consiste, logicamente — diz Laín — num simples estar no dia. ...A essencial atualidade dessa filosofia vem de ser 'hoje' e 'no ato' a forma pessoal ou zubiriana de uma tradição que parte de Anaximandro, Heráclito e Parmênides, passa por Platão e Aristóteles, e depois pela especulação dos filósofos cristãos, continua com o pensamento dos filósofos modernos, cristãos ou não, e vai prosseguir enquanto o homem como tal continue existindo...".

"A segunda nota essencial da obra filosófica zubiriana é a fundamentalidade. Mas essa condição genérica de toda autêntica filosofia personaliza-se na de Zubiri por algo duplamente peculiar e decisivo: a atribuição de um caráter formalmente teologal ao fundamento da filosofia que ele criou e a metódica e rigorosa exploração intelectual da teologalidade, sit venia verbo, enquanto dimensão essencial da existência humana e, por conseguinte, enquanto nota fundante do sistema filosófico de que ele é o autor". Para Zubiri, de fato, a fundamentalidade da existência humana faz-se patente e atual em nossa religação ao que nos faz existir, "ao que faz que haja"... "Ut infirma per media ad summa redducantur", era a fórmula do Pseudo Areopagita para expressar a função do homem na economia da criação. "As criaturas, disse São Paulo, abrigam uma esperança: de serem também elas libertadas do cativeiro da corrupção para participarem da liberdade gloriosa dos filhos de Deus" (Rm 8,21).

Ter cumprido, estar cumprindo essas ordens nos decênios centrais e finais do século XX, e ter dado, estar dando forma a esse cumprimento através da ciência, da história e da metafísica, eis a chave da obra filosófica, cujas notas constitucionais e constitutivas teve a ousadia de nomear e descrever. Por isso, a obra de Zubiri deve ser entendida como um poderoso, rigoroso, esplêndido esforço até a salvação intelectual através da história, da ciência e da metafísica" (La filosofia de Javier Zubiri: El País 13.14-2-1981).

Zubiri procurou elucidar e apreender o que constitui realmente a realidade, tanto em seu ser real enquanto real como em seu ser tal. A realidade é prévia ao ser; longe de ser a realidade um tipo de ser, por mais fundamental que se suponha, o ser se funda na realidade. A realidade, portanto, é algo "seu". Fundamental, dentro deste pensamento, é a relação possível entre uma "filosofia intermundana", que é a que Zubiri desenvolveu com mais detalhe, e uma "filosofia transmundana", à qual parece apontar com frequência. Isso pressupõe que a realidade é primeiro inteligível. A realidade se dá como realidade sentida, podendo o homem ser definido como "animal de realidades" ou "inteligência que sente", "cuja função primária é enfrentar-se sentidamente com a realidade das coisas".

Toda a sua obra gira em torno desta realidade primeira. Começa com Natureza, História, Deus (1944); Sobre a essência (1962); Cinco lições sobre filosofia (1963); para terminar com Inteligência sensitiva (1980, '); Inteligência e logos; O homem e Deus; Sobre o homem, e Estrutura dinâmica da realidade (póstuma).

BIBLIOGRAFIA: Homenaje a Zubiri. 1973; Ferrater Mora, Diccionario de filosofia, com abundante bibliografia. [Santidrián]

Submitted on 06.06.2010 11:34
This entry has been seen individually 581 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project