Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
7 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 7

more...
Home Léxico Filosofia O outro Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

outro

Definition:
(theteron; in. Other; fr. Autre; al. Andere; it. Altró).

Um dos cinco gêneros supremos do ser, enunciados por Platão em Sofista, e que são: o ser, o repouso, o movimento, o idêntico e o outro O motivo para admitir o outro como um gênero à parte é o seguinte: o repouso e o movimento são-, portanto, sob o aspecto do ser, são idênticos. Mas também são diferentes um do outro, e essa diversidade é exatamente como é a sua identidade (devida ao fato de que ambos são). O outro (o diferente) é, portanto, um gênero igualmente originário e irredutível aos outros quatro (Sof, 254 ss.). O reconhecimento do outro como gênero supremo é muito importante, pois permite que Platão resolva a antinomia (típica da sofistica e da erística), segundo a qual é impossível dizer o falso porque o falso é o que não é, e dizer o que não é significa dizer nada, ou seja, não dizer. Desse ponto de vista, o erro deveria ser declarado inexistente, e não haveria sequer diferença possível entre o filósofo, que se preocupa em estabelecer a distinção entre verdade e erro, e o sofista, que não se preocupa com isso. Admitido, porém, o outro como gênero supremo, o não-ser poderá ser interpretado: não como o nada, mas como o outro do ser, mais precisamente do ser de que se fala; p. ex., dizer que algo é não grande ou não belo significa dizer que é outro, diferente do grande e do belo, mas nem por isso é o oposto do ser, o nada (Ibid., 257 b ss.). Essa afirmação da realidade do não-ser, enquanto outro ou diferente, é apresentada pelo Estrangeiro eleata, principal protagonista do Sofista, como uma espécie de "parricídio" em relação a Parmênides, que afirmara que só o ser é, e que o não ser não é (Ibid., 242 d). Essas observações de Platão, sobretudo sobre a categoria do outro, depois foram empregadas com frequência para esclarecer a noção de nada . [Abbagnano]


Heidegger caracterizou nossa existência quotidiana como sendo uma "existência entre os outros". O "outro" é igual a nós, mas também é alguém que está, irremediavelmente, separado de nós (v. análise existencial da comunicação). A distância pode ser abreviada quando o "outro" se torna a segunda pessoa, o "você". A análise existencial da comunicação mostra como a relação ao "você" singular é ontologicamente diversa da relação ao "você" plural, ou ao "eles"; enquanto aquela pode se dar "de imediato", à flor de nossa pele, o relacionamento ao "vocês" pluralizando só se faz através da persona ou do espaço pessoal. Para o "você", para a pessoa íntima e querida, "abrimos nossa alma" — nossas qualidades e defeitos. No relacionamento com o "você", a linguagem é reveladora, criativa, apofântica; no relacionamento ao "vocês" — que é o relacionamento "para uso externo" — a linguagem é repetitiva, fundada numa lógica impessoal, a lógica do "senso comum", e sua inteligibilidade só é possível dentro desta lógica.

A noção de "outro" conjugada à noção de "espaço pessoal" permite-nos compreender o "crime original", o roubo. A comunicação externa à persona, a comunicação social, se faz através de ideologemas, através da linguagem do "senso comum". Existem, no entanto, conteúdos incomunicáveis através de ideologemas: e este se acumularão em nosso espaço pessoal, tornando-o um espaço de culpa. Relacionados a esta transformação estão os casos em que, por exemplo, a mulher queixosa diz, "depois do casamento meu marido mostrou o que ele era na verdade". Antes do casamento, o relacionamento entre o noivo e a noiva se fazia através da persona; o noivo tratava a futura mulher não como uma segunda pessoa, como o "você", mas sim como um espectador individual que dentre os outros espectadores da família dela, assistisse à sua representação. O casamento permitiu a "revelação da verdade": transformou a mulher no "você" e abriu para ela espaço pessoal culposo do marido.

O crime admitido pelo senso comum, o "crime comum" é o roubo. O arquétipo do roubo é o roubo de dinheiro; e dinheiro é aquilo que nos permite acesso a todos os valores ideológicos, objetificados, do "mundo exterior". O roubo é o gesto que, num curto-circuito, põe disponíveis a nós os valores que o quotidiano mantém inacessíveis a nós, mas que dominam e orientam a nossa vida quotidiana como a cenoura na ponta da vara serve para guiar o cavalo com antolhos. O roubo é todo crime que preserva o espaço pessoal transformado num espaço da culpa, e que impede o extravasamento dos conteúdos culposos e perturbadores para o mundo "objetivo" do senso comum. E, por outro lado, qualquer atitude que possa destruir o espaço da culpa é uma atitude essencialmente "subversiva". (Francisco Doria - DCC).

Submitted on 23.10.2010 12:10
This entry has been seen individually 1280 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project