Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia M meio Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

meio

Definition:
(gr. mesotes; lat. Medietas; in. Mean; fr. Milieu; al. Mittel; it. Medieta).

Justo meio, meio-termo, entre os extremos, que, segundo Aristóteles, pode ser definido em relação às coisas ou em relação a nós: "Se cada ciência cumpre bem o seu papel quando visa ao justo meio e orienta suas obras para ele (donde se costuma dizer que nas boas obras nada se tem a tirar nem a acrescentar, porquanto o excesso e a falta arruínam o bom, enquanto o justo meio o salva), se os bons artistas trabalham com vistas a esse meio-termo, a virtude, que, assim como a natureza, é mais acurada e melhor que qualquer arte, deverá tender precisamente para o justo meio" (Et. Nic., II, 6, 1106 b 8). Contudo, o justo meio é definição apenas da virtude ética ou moral, porque só ela diz respeito a paixões ou ações suscetíveis de excesso ou deficiência (cf. também Tomás de Aquino, S. Th., I, II, q. 59, a. 1) (v. virtude).


(in. Means; fr. Moyen; al. Mittel; it. Mezzó).

1. Tudo o que possibilita alcançar um fim, cumprir um objetivo ou realizar um projeto. Sobre a relação entre meio e fim, v. valor.

2. Ambiente, especialmente o biológico. Nesse sentido, essa palavra corresponde ao francês milieu, que começou a ser usada com esse significado em meados do século passado (v. ambiente). [Abbagnano]


O contexto físico, intelectual, moral e social onde vivemos. — No século passado, o evolucionismo procurava resolver o problema da relação do indivíduo com o meio, isto é, o da adaptação do organismo ao contexto físico: perguntava-se em que medida o meio pode provocar mudanças hereditárias no organismo. A teoria de Lamarck insistia na ação do meio transformando o organismo. Mostra que, devido ao fato de as terras africanas irem secando pouco a pouco e as folhas das árvores se tornarem cada vez mais altas, as girafas só puderam sobreviver por um desenvolvimento paralelo de seu pescoço e de suas patas dianteiras, permitindo-lhes comer folhas situadas a mais de 6 m de altura.

O problema do meio hoje é, principalmente, um problema sociológico: o da influência das condições sociais sobre o desenvolvimento moral e intelectual do indivíduo. Todas as teorias "genéticas", em psicologia, insistem no papel do meio (miséria, separação dos pais etc.) para explicar as particularidades dos caracteres dos indivíduos e sua atitude na vida (opõem-se às teorias da hereditariedade). A preocupação fundamental da pedagogia focaliza-se precisamente na descoberta e na constituição de um meio onde cada um poderia expandir-se e realizar suas possibilidades: essa preocupação preside tanto à orientação profissional quanto à reforma do ensino. [Larousse]


Se por outro lado a noção de meio for examinada à luz das concepções biológicas vitalistas (por ex. J. von Uexküll e Hans Driesch), não se sabe o que fazer com o meio, qual o concebe o pavlovismo, no estilo do naturalismo-científico, como um quadro físico permanente, no qual se desenrola o acidente da vida. O meio não é o mesmo para todos os indivíduos, nem para todas as espécies. O meio do vegetal não é o do homem, nem o do animal. O animal não se move no meio em que nos movemos, porque é certo que em larga margem o meio é projetado pelo ser vivo e há, subjetivamente, tantos meios quantos são os indivíduos, os gêneros e as espécies. É mais fácil conceber o ser vivo como adaptando o meio a si, do que concebê-lo como produto passivo da adaptação ao meio. Ninguém sabe se o meio físico formula estímulos imutáveis ou se somos nós que concebemos como imutáveis os estímulos que pomos no meio físico.

Segundo o pavlovismo há duas espécies de meios: o imutável e o mutável. Se todo meio fosse imutável, os reflexos incondicionados bastariam para garantir a sobrevivência do organismo. Mas o pavlovismo descobre que o meio, além dos seus caracteres constantes, tem também inúmeros caracteres mutáveis, aos quais o organismo deve adaptar-se para sobreviver. [Barbuy]

Submitted on 26.03.2012 14:09
This entry has been seen individually 1138 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project