Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
3 user(s) are online (3 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 3

more...
Home Léxico Filosofia F fato histórico Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

fato histórico

Definition:
Podemos considerar os fatos como históricos, desde que tenhamos uma perspectiva tal que nos permita ver o cosmos como um acontecer, como um produzir-se. É preciso que saibamos distinguir bem o que é um fato histórico enquanto histórico, que nessa perspectiva o é todo acontecer, de o fato histórico, no sentido que lhe dão os historiadores.

Quando um fato ultrapassa ao campo do indivíduo e do grupo, e tem sua influência, significação ou condicionamento, quer sobre ou para outros grupos sociais maiores, penetrando na direção do seu destino, chamamo-lo de histórico. E, nesse sentido, tais fatos formam o historial, ou mostram seu aspecto historial que é o conjunto dos acontecimentos, que tem ou tiveram certa significação ou influência sobre uma coletividade humana.

Para os gregos a história era concebida como o relato dos fatos importantes que eles, devido à falta de um sentir em profundidade do tempo, envolviam, confundiam com os mitos criados sobre a sua origem e sobre as épocas pretéritas (dos antepassados). Consideravam os gregos, o saber de duas espécies: um teórico e um prático. O prático é o saber que é dado pela experiência.

Toda teoria se funda numa especulação, num espelhar os fatos do passado, comparando-os com os do presente, para descobrir nestes como naqueles, o nexo que os liga. A teoria é assim uma construção do espírito feita sobre os fatos dados pela prática. A matemática, a física, a filosofia, etc., são saberes teóricos. Mas a história, para os gregos, é um saber prático. Não procuravam eles uma teoria sobre ela, nem descobrir o nexo dos fatos, apesar das passagens de certos autores, onde encontramos comparações e a apreensão de analogias, que já encerravam, em si, as possibilidades de ulteriores desenvolvimentos; tal se verificou no desenrolar dos estudos históricos, sobretudo em nossos dias, quando ela passa a adquirir novos métodos e novos instrumentos de trabalho, em suas combinações com a sociologia, e que lhe darão uma nova fisionomia.

Como a perspectiva e a visão do tempo varia de cultura para cultura, varia também sua perspectiva da história. Para os gregos ela é apenas dos homens. Mas na cultura fáustica já verificamos que aquela é concebida, não apenas como do campo antropológico, mas também dos animais e das coisas, de todos os seres que se dão no tempo e no espaço. Dessa forma, temos uma visão histórica do mundo. Mas no estado atual dos nossos conhecimentos sobre a história, como o produzir-se do acontecer cósmico e dos fatos importantes da vida humana, podemos apontar a sua essência? Dizem alguns que a essência da história está em sua irrepetibilidade. O histórico não se repete, porque a perspectiva histórica é consequência da posição que tomamos, de cujo ângulo visualizamos apenas o aspecto irrepetível dos fatos. Cada fato que se dá é novo e único em si mesmo. Mas cada fato também repete algo dos fatos passados, porque, do contrário, todo o existir seria de uma diferença absoluta e não nos permitiria o conhecimento. Conhecemos porque há aspectos que se repetem, e é sobre o repetível que construímos a ciência, construímos um saber. Mas o fato histórico como tempo é irrepetível, porque o minuto que passa, não retorna; é sucedido, é substituído. Sabemos que Napoleão Bonaparte não será repetido, não retorna; mas as condições que geram um Bonaparte, o bonapartismo, sob certos aspectos, se repetem.

Por um lado a sociologia atualiza as notas que se repetem dos fatos, enquanto a história apenas atualiza as irrepetíveis. Quando dizemos que a história se repete, atualizamos apenas as notas que retornam, não o fato em sua unicidade; olhamos mais o lado sociológico que propriamente o histórico. Diz-se: Não se dão os fatos históricos apenas no tempo; dão-se também em um local, no espaço, portanto. Sim, realmente se dão também no espaço, mas como algo que sucedeu no tempo. O que resta da história, no espaço, é o produto e não o produzir-se. Ela é o produzir-se, porque é dinâmica, é tempo. O que produziu, o que ficou, monumentos, arte realizada, obras em geral, são o produto, os quais nos permitem através deles captar algo daquele produzir-se. Assim é irreversível como produzir-se, mas reversível como produto.

Quem a vê apenas extensivamente, como objetivação do produto, tende a ver mecanicamente os fatos históricos, a atualizar uma causalidade rígida, a sistematizar o acontecido. Quem a vê apenas como um produzir-se, aponta-lhe a direção, como se fosse uma vida, como se fosse uma estrutura biológica, atualizando apenas o lado temporal. O estudo da história, para ser um estudo proveitoso, não pode afastar-se de uma concepção que englobe ambos aspectos, que permita a formação de uma visão concreta, conexionando os aspectos meramente históricos, como irrepetíveis, com as realizações, as obras feitas, as quais servem para indicar um novo caminho capaz de permitir o vislumbrar dos aspectos sociológicos, para uma visão filosófica e histórica da cultura humana em geral, e da história em particular.

Assim considerar a morfologia da história pelos dois lados que se antagonizam, e vê-la em sua unidade, é ter uma visão orgânica e, ao mesmo tempo sistemática; é não deixar-se arrastar por valorizações apenas unilaterais, atualizando o lado extensista ou o intensista, o que nos levaria a uma compreensão meramente abstrata, e não a uma posição concreta, capaz daí de poder captar da história os nexos que permitem concluir muito em benefício do homem. [MFSDIC]

Submitted on 19.06.2009 16:18
This entry has been seen individually 14239 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project