Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia I inteligência Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

inteligência

Definition:
nous - (gr.) = espírito. Vide alma.

faculdade de compreender, aptidão para apreender relações. — Há compreensões mais ou menos rápidas, mais ou menos profundas: em geral, uma compreensão rápida será superficial e uma compreensão lenta será profunda. Em suma, não há "uma" inteligência, mas diversas formas de inteligência. O objetivo da "orientação profissional" é descobrir a inteligência particular de cada um e permitir-lhe "ter êxito" numa especialidade. O "êxito" é uma prova geral da inteligência (Spearmann). De um ponto de vista prático, a inteligência se define como a faculdade de adaptação (Claparède), a aptidão para adaptar-se rapidamente a situações ou problemas novos. Mede-se a inteligência por meio de "testes" (por exemplo, sobre combinações mecânicas, cálculos elementares, construções de quebra-cabeças, para serem realizados num determinado tempo). A inteligência animal mede-se pela aptidão do animal em fazer um rodeio ("conduta do rodeio") para obter determinado resultado (por ex., o macaco é por vezes capaz de se utilizar de uma vara para colher um fruto). O desenvolvimento da inteligência, na criança, está ligado ao desenvolvimento da linguagem: com dez meses, possui ela o grau de inteligência de um macaco, a quem ultrapassa rapidamente depois. É preciso não confundir, no homem, a inteligência com a memória, ou julgá-la segundo a elevação ou a pujança das paixões de um indivíduo, ou segundo a força de sua vontade. Cada qual pode desenvolver sua inteligência cultivando-se e aprendendo a raciocinar e a julgar. (V. criança.) [Larousse]


O nous grego significa razão, pensamento, porém em um sentido primariamente objetivo, universal ou cosmológico, sem a limitação individual e psíquica, que é mais usual. Anaxágoras foi o primeiro que deu ao termo, dentro do seu sistema filosófico, um sentido definido. O nous é aqui o princípio de ordem, que se impõe aos elementos inertes e ainda que não fosse concebido de maneira imaterial, mas apenas como mais fino e sutil em comparação aos elementos, lhe foi atribuído maior atividade, dando origem ao movimento no mundo, mas também introduzindo nele unidade e sistema. Importância particular assume o nous, segundo Anaxágoras, na organização do céu estrelado e em todos aqueles fenômenos da natureza que não podiam ser interpretados, na época, por leis mecânicas. Diógenes de Apolônia identificou-o com o ar que, segundo ele, atua também nos corpos orgânicos. Platão atribuiu pela primeira vez uma significação teleológica, fazendo dele o princípio racional de todos os processos da natureza, cujo caráter racional foi bem compreendido para atribuir-lhe rigorosa imaterialidade. Dando finalidade às coisas do mundo, Nous é o Bem soberano, fonte de todos os outros fins parciais. Como tal é também o último princípio de todas as ideias porque estas encarnam finalidades. Além do sentido cosmológico de Anaxágoras, Platão deu-lhe um aspecto também lógico e ético. Ademais, devido a confusão característica dos elementos subjetivos e objetivos no processo cognoscitivo, ele representa, simultaneamente, a forma mais elevada de intuição mental; apreensão imediata e absolutamente certa das coisas racionais. O nous, por isto, é distinguido do pensamento discursivo que se desenvolve tendo aquele por fundamento. Aristóteles reúne o conceito anaxagórico do primeiro motor com o platônico do supremo fim, e confirma a imaterialidade do nous, mais do que qualquer outro, pela definição que dá dele como noesis noeseos (o pensamento do pensamento) e identifica-o pela atribuição de transcendência, relativamente ao mundo, praticamente com Deus. O nous que atua no homem e separável do corpo imortal e manifesta-se de duas maneiras diferentes, como nous poietikôs (nous ativo) que liga o homem à Divindade pela contemplação (theoria) e o nous pathetikos que é o nous passivo que abrange os pensamentos fundados sobre a percepção sensitiva, a memória ou, em geral, mediado por qualquer órgão corpóreo. Após Aristóteles a concepção da imaterialidade do nous foi parcialmente abandonada até que os neoplatônicos a renovaram. Segundo eles, no absoluto, podem ser distintos dois aspectos: o nous e o ser. O ser representa o lado ontológico e cosmológico, ao passo que o nous é a razão universalmente válida, mas capaz de aceitar pluralidade e subjetividade, aproximando-se, destarte, até certo grau, da concepção moderna da razão. [MFSDIC]

Submitted on 26.06.2009 12:46
This entry has been seen individually 1010 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project