Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia V vivido Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

vivido

Definition:
O a priori fenomenológico é o próprio vivido, pois que é «nele» que tudo é visado e conhecido. Mas este a priori não é o de uma consciência, e menos ainda o de uma natureza humana que imporia ao mundo da experiência a sua estrutura própria. Na história da filosofia moderna, um tal a priori foi estabelecido por Kant, ou pelo menos retido na versão vulgarizada do kantismo. Mas, se a consciência é qualquer orientação para a coisa, ela não «possui» qualquer a priori que possa impor. As primeiras pesquisas de Husserl sobre a lógica pura e a ciência mostram, pelo contrário, que o a priori formal é, de algum modo, reencontrado pela consciência, não retido nela, ou ainda que «a norma do matemático está nas matemáticas, a do lógico na lógica». Todavia, o reconhecimento deste a priori não é inútil, serve mesmo para Husserl de motivo determinante para compreender e situar o que é o a priori do vivido. Neste último não se trata, pelo menos inicialmente, quando se segue o método fenomenológico e o seu desenvolvimento ao longo da obra de Husserl, da anterioridade de «a vida» sobre a ciência. Pois que «o vivido» não forma uma massa fluente e indistinta relativamente à fixação dos conceitos. Este a priori também não é o do começo do saber na certeza subjetiva. Em virtude da intencionalidade da consciência, trata-se aí de um a priori estrutural de outra ordem, que pode caracterizar-se pela correlação existente entre os vividos e os objetos visados neles: «mas se se volta o interesse para a multiplicidade do fazer subjetivo, para todo o encadeamento da vida subjetiva, na qual a matemática nasce no matemático (exemplo que pode ser transposto para qualquer objeto), define-se uma orientação correlativa» (Husserliana, T. ix). Este a priori da correlação definirá uma tarefa completamente concreta e nova, a de mostrar ponto a ponto na reflexão os vividos, que fazem que qualquer coisa possa intervir e apresentar-se como objeto. Há aí, portanto, para a constituição da fenomenologia como ciência a indicação de um método universal e rigoroso. A interrogação radical sobre as categorias de objetos correspondendo a priori a modos de consciência definidos segundo esses objetos abre à ciência apriorística «um novo mundo», o da multiplicidade das diferenças «internas». [Schérer]


...o resultado concreto da metafísica da representação (v. metafísica heideggeriana) é o de instaurar, na vida cotidiana, a dualidade do vivido e do construído. O vivido é tudo aquilo que experimentamos de maneira ingênua, espontânea, nesta atitude natural de abertura em relação ao mundo, constituindo o que podemos chamar de o movimento da existência. Por oposição a essa atitude natural, a atitude científica consiste em substituir o vivido por construções que, por mais fundadas que sejam, possuam um caráter artificial. O vivido é aquilo que constitui o objeto de nossa celebração: aquilo que se diz na linguagem da poesia, que é justamente a forma de linguagem na qual celebramos o mundo. [Ladrière]

Submitted on 16.12.2009 22:11
This entry has been seen individually 841 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project