Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
7 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 7

more...
Home Léxico Filosofia W Wittgenstein Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Wittgenstein

Definition:
Wittgenstein — Ludwig Josef Johann Wittgenstein nasceu em Viena em 1889, sendo apenas meses mais velho que Heidegger. De origem judaico-alemã (sua família era da Saxônia), foi educado num ambiente cultural de extremo refinamento — Johannes Brahms era um dos convidados habituais de sua casa — tendo tido uma formação bastante eclética. Em 1907 entrou na Technische Hochschule de Berlin-Charlottenburg, para se graduar em engenharia mas em 1908 abandonou-a para ir à Inglaterra, onde se matriculou no departamento de engenharia da Universidade de Manchester. Durante este período, seus interesses em engenharia fizeram-no projetar um motor a jato para aviões (em 1911), e dificuldades na parte teórica do projeto desviaram seus interesses para a matemática, para os fundamentos da matemática e para a filosofia, finalmente. Um encontro com o grande matemático Gottlob Frege dirigiu-o para Bertrand Russell, no outono de 1911. Tornando-se íntimo do círculo ligado a Russell, Wittgenstein conheceu, entre outros, a G. E. Moore, Alfred North Whitehead e John Maynard Key-nes. Iniciada a guerra, Wittgenstein se alistou no lado austríaco, e será na guerra que o Tractatus Logico-Philosophicus é escrito. No fim da guerra, Wittgenstein renuncia à herança que deveria receber de seu pai, e transformou-a num fundo que beneficiará anonimamente a Rainer Maria Rilke a Georg Trakl. O Tractatus é publicado em 1921, graças à intervenção de Bertrand Russell, enquanto Wittgenstein trabalhava como mestre-escola num lugarejo da Áustria. Considerando esgotado, com seu livro, o assunto "filosofia", Wittgenstein só de novo se entusiasma com uma conferência, em 1928, pronunciada pelo matemático intuicionista L.E.J. Brouwer. Em junho de 1929 Cambridge concede ao pensador o Ph. D., e logo depois Wittgenstein inicia os seus cursos na universidade, que será o centro de seu trabalho até pouco antes de sua morte, em 1951. Além do Tractatus, Wittgenstein publicou em vida apenas o ensaio Some Remarks on Logical Form, e permitiu que seus alunos, na década de trinta, editassem em mimeógrafo os textos que seriam, mais tarde, conhecidos como o Blue Book e o Brown Book. Após sua morte foram publicados as Investigações Filosóficas e os cadernos preparatórios para o Tractatus.

Junto com Heidegger, Wittgenstein deve ser o maior pensador da primeira metade do século. Suas obras deram origem a duas escolas de pensamento — o empirismo lógico e a escola de análise linguística — que hoje, no entanto, podemos ver como resultado de um mal-entendido das intenções do pensador. Seu pensamento tem uma sólida base existencial, tomada em autores como Platão, Santo Agostinho, Schopenhauer, Kierkegaard e Tolstoi, mas este primado da existência se refina e se torna purificado através da rigorosa formação logicista que é sua base matemática. Desta maneira, só com dificuldade podemos extrapolar de uma obra como o Tractatus os problemas e as questões tipicamente existenciais que lhe deram origem, questões, no entanto, nitidamente expostas nos cadernos preparatórios escritos durante a guerra de 14-18. Wittgenstein chama à linguagem os problemas da existência, e pretende encontrar um caminho para a destruição destes problemas (pretende mostrar que são "falsos problemas") através da análise da estrutura da linguagem. (Francisco Doria)


As teses principais do neopositivismo acham-se já indicadas em Logisch-philosophische Abhandlung (Tratado lógico-filosófico) de Ludwig Wittgenstein, discípulo e amigo de Russell, professor de filosofia em Cambridge. Nesta obra excessivamente difícil, composta de aforismos numerados, Wittgenstein parte do atomismo lógico de Russell, segundo o qual o mundo é composto de fatos absolutamente independentes uns dos outros. Nosso conhecimento é cópia destes fatos concretos, é sempre de índole singular, os enunciados gerais são todos "funções de verdade" dos enunciados singulares, isto é, formam-se a partir destes mediante relações lógicas. Assim, por exemplo, o enunciado "todo homem é mortal" é idêntico, quanto ao sentido, ao enunciado "Pedro é mortal e João é mortal", etc. Portanto, a lógica possui um caráter puramente tautológico, nada diz de novo, os juízos lógicos são vazios e incapazes de nos dar qualquer esclarecimento acerca da realidade. A realidade é investigada pelas ciências da natureza. A filosofia não pode ser nenhuma doutrina, é mera atividade.

Wittgenstein elaborou, muito especialmente, uma teoria da linguagem. Segundo ela, não é possível falar com sentido da própria linguagem, sendo, por conseguinte, impossível a análise lógico-gramatical. Todavia, como todas as questões filosóficas se reduzem, em última instância, a essa análise, elas outra coisa não são senão pseudoproblemas insolúveis. Wittgenstein termina sua enigmática obra com a declaração de que suas próprias conceituações seriam destituídas de sentido e de que "devemos calar aquilo de que não podemos falar".

D. Lógica e experiência.

Os neopositivistas, partindo das ideias de Wittgenstein, elaboraram uma teoria excessivamente técnica, da qual podemos resumir nos seguintes termos as teses principais: só existe uma fonte de conhecimento, a saber, a sensação, e esta não capta senão acontecimentos isolados e materiais. Como se vê, é a tese empirista clássica. Mas em seus desenvolvimentos os neopositivistas separam-se dos empiristas e dos positivistas clássicos. Como é sabido, os empiristas afirmavam que também a lógica é a posteriori, ou seja, que consiste numa generalização de fatos particulares observados. Pelo contrário, para Kant existem leis a priori (independentes da experiência) e, no entanto, sintéticas (não tautológicas). Os neopositivistas adotam posição intermédia. Segundo eles, as leis da lógica são a priori, independentes da experiência, mas, ao mesmo tempo, puramente tautológicas, nada significando. Não representam mais do que regras gramaticais susceptíveis de elaborar mais facilmente os dados da experiência sensível. Pelo que, a lógica compõe-se de regras sintáticas, derivadas de princípios arbitrariamente estabelecidos. Uma vez assentes os princípios e as regras da dedução, as consequências devem seguir-se, mas o fundamento de toda lógica é posição (Setzung) pura.

Contrariamente a Wittgenstein, Carnap defende a tese de que poderíamos falar da linguagem, principalmente empregando outra linguagem, uma metalinguagem. A filosofia consiste na análise metalógica. Ela estabelece um sistema de signos que significam, por sua vez, os termos da linguagem científica, e deste modo é capaz de analisar os enunciados das ciências da natureza. A filosofia é o estudo da sintaxe lógica dos enunciados científicos. [Bochenski]

Submitted on 27.06.2009 19:26
This entry has been seen individually 1749 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project