Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
11 user(s) are online (11 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 11

more...
Home Léxico Filosofia P puro Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

puro

Definition:
a) Diz-se do que não tem mácula, nem mistura, nem corpo estranho, do que é homogêneo. Kant usa puro (rein) no sentido do que não depende da experiência. Em sentido moral opõe-se a impuro. Purificar, pois, é tornar puro. Surge na filosofia em termos como: purificação, ação e efeito de purificar, que pode ser tomado no sentido de catarse (vide), ou teologicamente no sentido de retirar todas as máculas que possam viciar, alterar, ou turvar a pureza de uma alma.

A expressão purificação das paixões corresponde à catarse, mas acrescentada da expulsão dos aspectos que perturbam as paixões para alcançar a sua pureza afetiva por sublimações. [MFSDIC]


(in. Pure; fr. Pur; al. Rein; it. Puro).

O que não está misturado com coisas de outra natureza, ou, com mais exatidão, o que é constituído de modo rigorosamente conforme à própria definição. Esta segunda definição explica o enorme uso que os filósofos fazem desse adjetivo, porquanto, depois de definirem um objeto, muitas vezes se acham na obrigação de distinguir as condições em que o objeto se apresenta rigorosamente em conformidade com sua definição, das condições em que dela se afasta em alguma medida: nas primeiras condições, o objeto é chamado de puro Anaxágoras dizia que o intelecto é puro porque só ele, "entre todos os entes, é simples e sem mistura" (Aristóteles, Da Alma, 405 a 16). Platão falava em prazer "puro", sem mistura de dor Crátilo, 51 a, 52 c). Descartes falava da matemática "pura" (Méd., VI); Leibniz, da "pura" razão (Op., ed. Erdmann, pp. 229-230, etc), assim como Wolff (Psychol. empírica, 495). O primeiro motor de Aristóteles foi chamado de "Ato puro" por ser atividade perfeita, desprovida de potência, mas essa expressão não é aristotélica (cir. Metafísica, XII, 6, 1071 b 22; 8, 1074 a 36).

2. Kant chamou de puro, ou "absolutamente puro", o conhecimento "no qual, em geral, não se misture nenhuma experiência ou sensação, sendo por isso possível completamente a priori" (Crítica da Razão Pura, Intr., § VII). Neste sentido, razão pura "é a que contém os princípios para conhecer algo absolutamente a priori". Ciência da razão pura é uma crítica, e não uma doutrina, porquanto não pode proporcionar um sistema acabado da razão pura, mas pode apenas ter função negativa, "servindo para purificar, e não para ampliar, a nossa razão, libertando-a dos erros" (Ibid.). Neste sentido, o oposto de puro é empírico. Esse adjetivo foi usado no mesmo sentido por Fichte, que disse ser puro o Eu absoluto (ou a sua atividade), por ser diferente do eu empiricamente condicionado e porque sua atividade prescinde completamente da experiência (Wissenschaftslehre, 1794, III, § 5, II). Este uso foi constante no idealismo de inspiração romântica. Gentile chamou o pensamento pensante de ato puro por ser independente de condições ou de conteúdo empírico (Teoria generale dello spirito come atto puro, 1920).

3. Na linguagem comum, chama-se puro uma ciência ou uma disciplina tratada teoricamente, sem consideração de suas possíveis aplicações; neste caso, puro é o contrário de aplicado. Hamilton já anotava a impropriedade desse uso (Lectures on Logic, I, 1866, p. 62). [Abbagnano]

Submitted on 04.07.2009 00:06
This entry has been seen individually 933 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project