Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
11 user(s) are online (11 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 11

more...
Home Léxico Filosofia R relativos Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

relativos

Definition:
Em Categorias c. 7, Aristóteles oferece duas definições do relativo. "A primeira é a seguinte: chama-se relativo o que em si mesmo se diz de uma coisa (heteron), ou se diz referir-se de alguma outra maneira a outra coisa; assim o maior se diz em si mesmo de uma outra coisa, da mesma maneira: o duplo... um estado, uma disposição, a percepção, a ciência, a posição... Se, pois, esta definição dos relativos fosse adequada, seria dificílimo, até impossível demonstrar que qualquer substância não seja chamada de relativa. Se ao contrário, a essa primeira definição, inadequada, se substitui por essa segunda: é relativo aquilo cujo ser se refere a outra coisa, talvez saiamos do embaraço. Sem dúvida, a primeira definição abrange todos os relativos; mas referir-se a outra coisa, quanto ao seu ser, não significa senão: ser em si ou relativo".

As palavras de Aristóteles são obscuras, mas permitem como permitiram que surgisse na filosofia medieval as grandes especulações sobre o relativum secundum dici e o relativum secundum esse, distinção que, para muitos, é arbitrária mas que na verdade oferece lugar não só a grandes especulações como também a um certo esclarecimento, que é benéfico para a filosofia. Costuma-se atribuir a Aristóteles o conteúdo concreto dado ao pros ti, ao relativum, enquanto que a Platão atribui-se um sentido meramente abstrato. Propriamente o relativum in dicendo (relativo na palavra) é o relativo lógico, relação lógica, e o relativo in essendo (relativo no ser) é o relativo real, a relação real.

Não há dúvida que essa explicação não é aceita por todos, mas o que predomina é que um relativo de mera razão é um relativo secundum dici, enquanto o outro seria real. Se Platão considerava a relação apenas como pros ti ( um relativum in dicendo) naturalmente a similitude não era uma relação. Desta forma não havia contradição no pensamento platônico, como alguns pretendem afirmar. Na relação entre contrários relativos, como pai e filho, senhor e escravo, a existência de um exige a existência de outro. Eles têm um fundamento essencial e sua relação é secundum esse; em outras palavras: o relativo secundum dici é acidental, enquanto o secundum esse é essencial, ou melhor, o primeiro refere-se a algo acidentalmente e o segundo essencialmente. Na semelhança, na similitude, há um referir-se essencialmente, porque dois seres são semelhantes em algo real, de que ambos participam.

A palavra semelhança atualmente não tem mais o rigor da empregada na filosofia clássica, nem tampouco a palavra igual, pois falam-se de cores iguais, de pessoas igualmente rápidas, o que é uma confusão de termos. Tomás de Aquino dizia que quando dois soldados testemunham uma coragem semelhante, o termo semelhante revela uma similitudo imperfecta, em oposição à similitudo perfecta, que seria a concordância de duas qualidades. O termo refere-se a uma relação estática. É verdade que se tem empregado o termo semelhança para designar uma relação dinâmica, como a que se dá entre causa e causado (efeito). [MFSDIC]

Submitted on 14.06.2009 00:11
This entry has been seen individually 807 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project