Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia F Filosofia Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Filosofia

Definition:
Significa etimologicamente amor da sabedoria. Com isso pretende-se dar a entender que o homem nunca possui plenamente a compreensão definitivamente válida de tudo o que se designa sabedoria, mas luta sempre ansiosamente por atingir esse alvo. Quanto ao conteúdo real, filosofia denota o saber da razão humana, a qual, penetrando até às últimas razões, investiga a realidade global, especialmente o ser e o dever próprios do homem. Uma certa compreensão de si mesmo e do universo anima de contínuo a ação do homem adulto. Esta espontânea orientação da existín-cia constitui sua filosofia pré-científica, a qual ostenta um cunho instintivo e sentimental, mas nem por isso brota menos de um pensamento que, enquadrado na conexão total da vida, não se isola nem formula enquanto tal. Para além desse conhecimento, o homem, em todos os séculos, tem-se sentido impelido para um saber seguro, sistemático, pormenorizado e mentalmente esclarecido, do real, precisamente para a filosofia científica.

Sua missão pode ser nitidamente delineada, se a opusermos às demais ciências. Do mesmo modo que estas, a filosofia é um saber pelas causas, mas de espécie muito peculiar. As restantes ciências são ciências particulares, porque se circunscrevem a uma parcela da realidade e só pesquisam as causas últimas dentro desse sector (portanto são relativas). A filosofia, pelo contrário, é ciência universal, visto que abarca a totalidade do real e, por isso mesmo, penetra até às suas razões últimas, ou seja até às causas absolutamente últimas. — O ponto de partida mais íntimo da filosofia é a ação humana, a só coisa imediatamente dada ao homem, na qual se lhe revela o seu eu e tudo o mais. Encarada deste ponto de vista, a filosofia toda apresenta-se como interpretação daquela ação humana levada até suas mais profundas raízes. Em sentido mais amplo, é ponto de partida do filosofar todo e qualquer saber acerca do real, que preceda a filosofia, não só o implicado na vida cotidiana e na criação cultural, como também o subministrado pelas demais ciências. Se estas servem à filosofia, esta, por sua vez, lhes presta serviço, enquanto aclara e assegura as bases últimas delas.

Acerca do método da filosofia, diremos somente que ela procura interpretar o mundo, ao qual o homem também pertence, por meio da razão humana, e sob este aspecto pode ser considerada como ciência do mundo. Em frente dela, ergue-se a ciência que tem Deus por objeto ou teologia, a qual, apoiada na revelação divina, se ocupa de Deus e de sua ação no mundo. O fato de a filosofia ser obra da razão não significa que ela fique à mercê de um racionalismo hostil à vida; pois que a própria razão é um elemento da vida humana e está em intercâmbio orgânico com os outros elementos desta. Pelo que, a filosofia não só satisfaz a tendência do espírito para a verdade, como também aclara, complementa e consolida a orientação da vida do homem, pela qual, por seu turno, ela é orientada e defendida contra loucos devaneios. — Tal filosofia nunca pode ser obra exclusiva do indivíduo, que cede com demasiada facilidade às contingências do seu eu e do seu tempo e, de acordo com isso posterga a realidade. Só o diálogo, a um tempo, respeitoso e crítico, com a tradição filosófica da humanidade conduz à verdade integral, porque as eternas perguntas encontram eternas respostas que perduram através de todas as épocas e opiniões, formando uma philosophia perennis. Não se trata contudo de uma fé cega na autoridade dos grandes pensadores, nem de uma aceitação rígida de suas fórmulas; pelo contrário, cada época tem de propor de novo os problemas eternos e de tentar dar-lhes uma solução.

No que tange à divisão da filosofia, distinguimos com S. Tomás de Aquino, as ordens do ser, que a razão encontra perante si, e as ordens do operar, que ela fundamenta. Dentro do primeiro domínio, estuda a razão, enquanto descobridora do ser: (teoria do conhecimento). No próprio ente penetra a metafísica. Como metafísica geral, desenvolve as questões relativas a todo ente em geral, quer se refiram à sua estrutura interna (ciências do ser ou ontologia), quer se refiram à sua origem primeira (ciência de Deus ou teologia natural). Como metafísica especial, aplica os conhecimentos adquiridos aos círculos fundamentais do criado, dilucidando a natureza (filosofia natural ou cosmologia) e o espírito que, se nos depara só como alma humana (filosofia da alma ou psicologia). De ambas deriva a ciência filosófica do homem (antropologia). — O segundo domínio estrutura-se de acordo com os modos de operar. A lógica estuda a maneira reta e exata de pensar; a ética e a filosofia da religião (filosofia da religião), a bondade da operação interna, que aperfeiçoa o homem total; a filosofia da cultura (filosofia da cultura), em seus vários ramos, considera a obra da criação externa, que desenvolve diversas atuações parciais. — Com os mencionados domínios não coincide inteiramente a dualidade de filosofia teorética theorein contemplar) ou especulativa e prática prattein fazer). A primeira abrange tudo quanto se refere ao saber, incluindo a lógica; a segunda, somente o operar propriamente dito, enquanto é mais do que saber. — Lotz. [Brugger]

Submitted on 21.10.2008 19:49
This entry has been seen individually 2186 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project