Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
10 user(s) are online (10 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 10

more...
Home Léxico Filosofia D dor Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

dor

Definition:
(gr. lype; lat. dolon; in. Pain; fr. Douleur; al. Schmerz; it. Dolore).

Uma das tonalidades fundamentais da vida emotiva, mais precisamente a negativa, que costuma ser assumida como sinal ou indicação do caráter hostil ou desfavorável da situação em que se encontra o ser vivo (v. emoção). [Abbagnano]


Entende-se hoje por dor em psicologia, na maioria dos casos, uma determinada espécie de sensação, quer da pele quer dos órgãos internos, a qual, embora de fraca intensidade, produz intenso desprazer. Como órgãos desta sensação descobriram-se verdadeiros pontos algésicos, irregularmente distribuídos em grande quantidade (2-4 milhões) na pele e que reagem de maneira específica. O fato de as mais diversas sensações, quando alcançam alto grau de intensidade, degenerarem em dor, deve-se à co-excitação de pontos algésicos próximos. Os órgãos internos parecem ser com frequência menos sensíveis às excitações exteriores; são-no porém para muitas modificações internas (p. ex., irritações). A finalidade da dor é proteger o ser vivo contra excitações nocivas ou estimulá-lo a afastar os danos, quando estes se apresentem de novo. Por conseguinte, a dor é um mal só porque é a vivência de um mal. Como a dor provoca intenso desprazer, na linguagem corrente, também este desprazer, esta repugnância ao mal experimentado ou percebido, recebe o nome de dor. Neste sentido amplo, a dor pode ocorrer tanto na potência apetitivo-sensitiva quanto na potência apetitivo-espiritual e referir-se ao conhecimento de outros danos diferentes dos danos corpóreos. Chama-se então dor psíquica. — Brugger.


Mas o que é a dor? A dor dilacera. A dor é o rasgo do dilaceramento. A dor não dilacera, porém, espalhando pedaços por todos os lados. A dor dilacera, corta e diferencia, só que ao fazer isso arrasta tudo para si, reunindo tudo em si. Enquanto corte que reúne, o dilacerar da dor é também um arrancar para si que, como riscas ou rasgaduras, traça e articula o que no corte se separa. A dor é a junta articuladora no dilaceramento que corta e reúne. Dor é a articulação do rasgo do dilaceramento. Dor é soleira. Ela dá suporte ao entre, ao meio dos dois que nela se separam. A dor articula e traça o rasgo da di-ferença. A dor é a própria di-ferença.
(...)
Seria então a dor a intimidade da di-ferença de mundo e coisa? Certamente. Mas não devemos de modo algum conceber a dor, antropologicamente, como um sentimento que nos aflige e faz sofrer. Tampouco devemos conceber a dor, psicologicamente, como o ninho de toda sentimentalidade. [Heidegger - Caminho da Linguagem]

Submitted on 04.03.2010 15:18
This entry has been seen individually 1252 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project