Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (6 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 1
Guests: 5

mccastro, more...
Home Léxico Filosofia T tensão Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

tensão

Definition:
(gr. tonos; in. Tension; fr. Tension; al. Spannung; it. Tensioné).

1. Conexão entre dois opostos que estão ligados apenas por sua oposição. Segundo os antigos (v. Fílon, Rer. div. Her., 43), esse conceito constituía a grande descoberta de Heráclito; este dissera: "Os homens não sabem como aquilo que é discordante está em acordo consigo: harmonias de tensão opostas, como as do arco e da lira" (Fr. 51, Diels). Nesse sentido, os estoicos também falaram da tensão que mantém o universo coeso (Arnim, Stoic. fragm., II, 134). Enquanto a dialética é a unidade dos opostos como síntese ou conciliação, a tensão é o elo entre os opostos como tais, sem conciliação ou síntese. Por isso, as situações de tensão não permitem prever conciliação; essa palavra é usada com esse sentido mesmo na linguagem comum, como quando se fala da "tensão internacional". No mesmo sentido, fala-se de "tensão psicológica" para indicar um estado latente de conflito.

2. Os estoicos (mais precisamente Cleantes; v. Arnim, Stoic. frag., I, 128) introduziram a noção de tensão como força tendente a um resultado: nesse sentido, é sinônimo de tendência ou de esforço, especialmente de esforço prolongado ou penoso. [Abbagnano]


(do gr. tonos, de teino, segurar, tomar; no radical sânsc. tan).

a) Usado pela escola estoica grega para indicar o esforço interno (a coesão interna), que dá a toda coisa a coerência de sua natureza, quer resida esse esforço na própria coisa, ou dado por uma outra mais perfeita. É algo em ato que coacta (co-acta) os elementos componentes de uma coisa, dando-lhe a coerência geral de sua estrutura. Vide existência e essência.

b) Chama-se de tensão, o esforço da vida mental, que oscila entre extremos na captação do conhecimento e no contato com as coisas do mundo.

c) Emprega-se ainda o termo para indicar o grau de deformação de um corpo produzido por um esforço determinado e estiramento muscular extremado produzido por um esforço voluntário.

e) Estado de desequilíbrio em um organismo, e que conduz a uma mudança de conduta com o fim de restaurar o equilíbrio.

Crítica: - Uma tensão consiste em uma unidade, que é especificamente diferente dos elementos componentes. A água não é uma espécie de oxigênio, nem do hidrogênio, nem corresponde a uma fase do desenvolvimento destes, porque surge de um correlacionamento arithmico, numérico no sentido pitagórico, sem o qual ela não seria água. Esse arithmos, esse número, é o pelo qual ela é o que ela é. É o seu esquema da tensão. Aristóteles entendia por causa formal, e também por forma das coisas físicas. Os correlacionamentos (cujo conceito está expresso na tríada pitagórica menor, a tríada da série) mostram-nos que, em suas atualizações correlacionais, os entes sofrem uma interatuação que modifica, total ou parcialmente, o arithmos de cada ser componente, permitindo o surgimento de um novo arithmos, especificamente outro, dando-se assim, ou a geração relativa ou a simples (a absoluta). A primeira dá-se quando há modificação apenas entre o minimum e o maximum do variável do arithmos (como, por analogia, no triângulo), cujo arithmos invariável é a triangularidade, mas o ser ele isósceles ou escaleno são "variantes" que não se afastam da invariância arithmica, pois a proporcionalidade intrínseca é a mesma O triângulo isósceles tem, por sua vez, uma proporcionalidade intrínseca específica, que é inclusa na da triangularidade; é uma espécie desta. A proporcionalidade extrínseca é a da figura deste ou daquele triângulo, e esta é variável. A variância dá-se "compreendida" na forma, que é invariante.

Fisicamente o homem tem um limite no seu conjunto: matéria e forma. Poderá atingir ao gigantismo, mas sempre haverá um limite até para a monstruosidade, que é um desmesuramento da natureza. Consequentemente, a variância figurativa tem limites. A geração será simples ou absoluta, quando os elementos componentes (a causa material) sofrem uma mutação na própria natureza. Na água, há uma geração relativa, segundo a físico-química, porque o hidrogênio e o oxigênio sofrem transformações permissíveis dentro de seus arithmói; de modo que nela permanecem virtualizados, podendo retornar ao estado atual anterior. Quando, porém, há mutação formal da natureza, como na assimilação, deixa totalmente de ser o que era (como no vegetal que se torna carne, como exemplificou Aristóteles), pois os elementos transformam-se. Na natureza a geração absoluta o é segundo uma certa esfera da realidade, não segundo todas, pois noutras é relativa.

Há numa unidade de mera agregação, como num monte de lenha, um esquema concreto de singularidade, e ele corresponde ao que esquematizamos por monte de lenha, mas a sua lei de proporcionalidade é extrínseca. Num ser vivo o esquema concreto é uma lei de proporcionalidade intrínseca singular, adequada ao arithmos daquele ser. Este ser, desta espécie, e aquele, da mesma espécie, o são porque a lei de proporcionalidade intrínseca invariante de ambos é a mesma, concretamente neles. O correlacionamento intrínseco do ser (pois ambos o reproduzem) é idêntico à mesma lei de correlacionamento. Contudo, ambos apresentam concretamente diferenças aritmológicas, de outros relacionamentos até de desmesuramentos que, no entanto, cabem no arithmos eidético do ser, que é revelado concretamente pelo que é, em ato, neste ou naquele indivíduo, desta ou daquela espécie. É o variante do arithmos do esquema concreto singular, que não contradiz o esquema eidético, que é a lei de proporcionalidade intrínseca.

O esquema concreto do ente é a sua haecceitas, heceidade (haec, isto, istidade), o arithmos da individualidade, da sua singularidade. Ele é composto do esquema eidético, que é imitado pelo ser, cuja lei de proporcionalidade intrínseca imita, assim como este triângulo aqui, feito entre este canto da mesa e este livro, a triangularidade, que é um ser eidético, meramente formal, que jamais está singularmente na coisa pois, do contrário, nela se individualizaria. O esquema eidético é um modo de ser, que não é nem singular nem individual, é apenas formal (eidos) na ordem do ser. É um logos possível de ser imitado, mas que no ser, não é apenas uma possibilidade, mas é da atualidade do Ser infinito, absoluto. Por isso surgem entidades que o copiam, como este triângulo, cujo relacionamento intrínseco das suas partes repete a proporcionalidade intrínseca da triangularidade infinita, que é um logos no Ser infinito e absoluto. Mas este triângulo que está aqui, é ademais proporcionado aos seres que o imitam. Não tem a perfeição do esquema eidético, porque é um esquema aqui, concreto, realizado por seres materiais que não podem atingir aquela perfeição. Portanto, é um triângulo imperfeito.

E note-se aqui a positividade da "teoria da relatividade", que estabelece que as figuras geométricas reais, in concreto, não atingem a perfeição que pode ser expressa matematicamente. Não há na natureza, in concreto, nenhum triângulo perfeito nem pode haver. E a razão está em que este (haec) triângulo imita apenas a triangularidade invariante e o seu variante eidético, pois é qualitativamente isósceles ou escaleno, etc., mas é um triângulo de pedra, de madeira, cujas partes correlacionadas imitam a triangularidade, pois são esta pedra e esta madeira, e não a triangularidade da qual apenas participam formal e figurativamente. Portanto, este triângulo de pedra ou de madeira tem o seu arithmos concreto, o seu esquema concreto, que é uma síntese imitativa do esquema eidético, incluindo invariante e variante, e a proporcionalidade imitativa, intrínseca deste ser. O esquema concreto é a haecceitas, é este ser singular, que não nega, mas afirma o esquema eidético, que é da ordem do ser, imitado por aquele. Nós, porém, captamos proporcionadamente à nossa intencionalidade psicológica, o esquema concreto pela intuição concreta da coisa, e pela nossa mente realizamos a operação de destacar, de modo intencional, o esquema eidético, e construímos o esquema formal abstrato, que é eidético-noético, porque já traz a marca do nosso espírito (noûs).

Desta forma, há o esquema eidético na ordem do ser (positividade dos realistas na disputa dos universais); o esquema eidético imitado pelo ente singular, o esquema concreto (in re) - positividade dos realistas moderados e dos que aceitam a teoria da projeção, etc. -no ente individual; e o esquema posterior, post rem (positividade dos nominalistas) em nossa mente, que reproduz, com adequação, proporcionada ao nosso espírito, o esquema eidético e o concreto.

Pela teoria dos esquemas se conciliam todas essas positividades, e ainda mais a teoria da abstração dos tomistas, pois a mente tem o papel ativo de realizar a separação dos esquemas, e também a teoria da projeção dos escotistas, porque há, realmente, uma adequação da mente ao esquema concreto e ao esquema eidético, que ela pode captar verdadeiramente, no sentido clássico da verdade lógica, que é uma adequação da mente ao objeto (adaequatio intellectus et rei). A teoria dos esquemas concreciona, assim, o que há de unilateral nas diversas posições filosóficas, e permite uma visão mais clara da realidade do nosso conhecimento.

Quando os elementos componentes se correlacionam, de certo modo, há o surgimento de um novo esquema, que é especificamente diferente das partes componentes. Há aí um salto, o surgimento de um novo ser, que não é apenas a soma aritmética das partes, porque as partes sofrem mutações diversas, virtualizando-se para dar surgimento à atualização do novo ser. Há tamanhas mutações qualitativas e correlacionais que seria um erro reduzi-las apenas ao quantitativo, como o faz o materialismo vulgar. Há o surgimento de algo novo, de um novo ser. A água é algo novo que surge do hidrogênio e do oxigênio, que sofreram mutações, e são outros no novo composto, que é unitariamente um. Os elementos componentes tinham aptidão para correlacionarem-se desse modo, e ao surgir a nova lei de proporcionalidade intrínseca, surge um novo ser, uma nova tensão, com a sua esquemática completa. Há, aqui, um salto, algo que tem desafiado a argúcia do pensamento humano, e que tem sido solucionado de diversas maneiras, sem que qualquer delas nos satisfaça senão ocasional e provisoriamente. Mas as bases elementares da teoria dos esquemas, nos permite compreender o tema. Os elementos componentes da nova unidade podem e têm aptidão para diversos correlacionamentos, inclusive o que se deu, mostrado pela própria experiência, justificado pelo próprio advento. Em suma, os elementos componentes tinham aptidão para ser assumidos por uma nova proporcionalidade, uma proporcionalidade que é atualizada, que é concrecionada no novo ente. Essa aptidão dos elementos de se correlacionarem era um esquema que estava na ordem do ser, pois do contrário teria vindo do nada, o que é absurdo. Portanto, o que se deu era possível na ordem do ser, e tanto o era que se deu. Mas há aí algo que transcende aos elementos, porque nenhum deles, tomado isoladamente, tinha o esquema, mas apenas a aptidão para correlacionar-se desse modo com o segundo que, por sua vez, só tinha a aptidão de correlacionar-se com o primeiro. O que surge é algo que se dá fora de suas causas, algo que ex-siste. Há aqui um trans-imanente, um transcender à imanência dos elementos componentes, que se virtualizam na nova totalidade, para serem da totalidade, para estarem em função da totalidade. Ademais, esse todo não pode ser reduzido a uma simples soma das partes, porque é especificamente diferente, apresentando caracteres e propriedades que emergem da totalidade, e não das partes, pois nenhuma delas tinha, na sua emergência, tais propriedades ou caracteres, mas apenas a aptidão de unir-se com outra para surgir uma nova emergência. Essa nova emergência é diferente e independente das partes componentes; é outra. O novo ser é emergentemente novo. Temos aqui um salto importante, que uma visão puramente mecanicista não pode explicar. Esse fato admirável que surge, é uma assunção, pois o ente novo é assumido por uma forma que não é dos componentes, uma possibilidade do correlacionamento, e não dos correlacionantes, algo novo que vai repetir, por imitação, um possível da ordem do ser, que está contido no ato do seu poder, senão viria do nada, o que é absurdo. Nas tensões há, portanto, o surgir de algo novo sem necessidade de emprestar a sua origem ao nada, mas sim ao ser. [MFSDIC]


A tensão (no cronotópico, no complexo tempo-espacial) devém, funciona, e o devir é o seu processo estrutural. Todo processo implica procissões ativas e passivas. Em face de outras tensões, as modificações, de que sofre o seu aspecto funcional, são o seu "devir", enquanto mantiver a estrutura, que tende a estatizar-se. Suas modificações decorrem da inter-atuação das suas partes e de outras tensões. Uma estrutura, entregue a si mesma, é impossível.

Podemos considerá-la, assim, apenas formalmente. A tensão que gera a estrutura posicional no tempo e no espaço é um modo do ser do Ser, uma possibilidade atualizada.

O constituir-se em tensão é um insistir do ser (sistere), que insiste, con-siste, re-siste, ex-siste. Todo in-sistir é um in-sistir para outrem in-sistir, por isso re-siste e, por isso, ex-siste para outrem e para si. A tensão é a coerência do in-sistir, já determinado. O ser corpóreo é tensão que se in e ex-tende (tempo e espaço). (v. ideia moderna de ser)

coerência onde há harmonia, e há harmonia onde há contradição.

A tensão in-siste e ex-siste quando se polariza. Há polarização, quando há estrutura e função (essência e existência). O ser como tensão pura é indeterminado, e toda determinação exige contradição, re-sistência.

A tensão pura é ausência de in e ex, é tensio. Como tensio (tensão) não é estrutura nem funcionamento (não processa).

O existir (tempo-espacial) é um modo do ser. E porque é, é uma de suas possibilidades que se atualizaram.

Sua razão é dada a posteriori, pois são os fatos que apontam simbolicamente a razão de si mesmos.

Queremos uma razão suficiente antecedente e não consequente, porque estamos imersos na temporalidade.

A razão, aqui, deve vencer o cronológico, mas o que é, comprova a asserção da sua possibilidade. Logo, a tensão pode ser in e ex porque é in e ex. Para ser in e ex, é preciso insistir e resistir, porque estar é resistir.

Portanto, na tensão pura do ser, coincidem todos os opostos, porque o que é, comprova que o ser é tudo quanto pode ser, como já o compreendia, com positividade, Nicolau de Cusa. [MFS]

Submitted on 19.05.2011 20:20
This entry has been seen individually 495 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project