Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
8 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 8

more...
Home Léxico Filosofia A associacionismo Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

associacionismo

Definition:
(in. Associationism; fr. Associationnisme; al. Associazionstheorie; it. Associazionismó).

Doutrina filosófica e psicológica cujo princípio explicativo da vida espiritual é a associação de ideias. O pressuposto do associacionismo é o atomismo psicológico, isto é, a resolução de cada evento psíquico em elementos simples que são as sensações, as impressões, ou, genericamente, as ideias. O fundador do associacionismo é Hume, mas um de seus maiores divulgadores foi o médico inglês David Hartley (1705-57), segundo quem a associação de ideias é, para o homem, o que a gravitação é para os planetas: a força que determina a organização e o desenvolvimento do todo. O associacionismo encontrou outras manifestações importantes na obra de J. Mill (1773-1836), que o utilizou na análise dos problemas morais, explicando pela associação entre o prazer próprio e o alheio a transição da conduta egoísta à conduta altruísta, e de Stuart Mill (1806-73), que o utilizou no estudo de problemas morais e lógicos. Mas, depois de Stuart Mill, o associacionismo deixou de ser uma doutrina filosófica viva e permaneceu tão-somente como hipótese operacional no domínio da psicologia científica, de onde foi excluída só nos últimos decênios por obra da psicologia da forma (v. psicologia). [Abbagnano]

O uso do conceito de associação , é muito antigo. Claros precedentes do mesmo encontram-se em Aristóteles quando, no seu tratado SOBRE A MEMÓRIA E A REMINISCÊNCIA, apresentou um princípio de associação nas duas formas principais de associação por semelhança e por contiguidade. Os comentaristas de Aristóteles e muitos escolásticos medievais aceitaram e desenvolveram esta tese. Hobbes, Locke e Berkeley esclareceram aspectos do conceito de associação , mas já é tradicional admitir que só com Hume e seus seguidores o conceito psicológico de associação alcançou uma maturidade suficiente, e, além disso, permitiu construir à base dele uma teoria de conteúdo primeiramente psicológico, mas de intenção filosófica: o associacionismo.

Na sua INVESTIGAÇÃO (III), por exemplo, Hume mostra que “é evidente que há um princípio de conexão entre os diferentes pensamentos ou ideias da mente, e que no seu aparecimento na memória ou imaginação se introduzem uns aos outros com certo método e regularidade”. DE fato, não há um mas vários princípios de conexão, três dos quais são predominantes; a semelhança, a contiguidade (no tempo ou espaço) e a causa e efeito. Ora, embora a base da teoria de Hume fosse psicológica, o seu interesse era predominantemente epistemológico. O desvio para o psicológico e a tentativa de fundamentar o associacionismo na psicologia é, em contrapartida, posterior. Os tipos de conexão estabelecidos por Hume transformaram-se nas leis clássicas do associacionismo psicológico (contiguidade, semelhança e contraste), que se ampliaram com outras leis complementares (frequência, simultaneidade, intensidade, etc). Deve distinguir-se entre o associacionismo psicológico, que pretende limitar-se a uma descrição das conexões entre processos mentais, e o associacionismo filosófico, que está relacionado com o atomismo e se contrapôs, muitas vezes, ao estruturalismo. associação doutrina associacionista recebeu diversas críticas. O principal argumento lançado contra ela foi a advertência de que, nos processos psíquicos, há uma direcção, levada a cabo pelo pensamento ou regida por outras “tendências determinantes”. Os psicólogos estruturalistas, por seu lado, aduziram experiências com que se provou que os hábitos não produzem ação, que o comportamento tem um propósito ou que há reações a relações, o que não tem em conta nem pode explicar o associacionismo. Isso não quer dizer que ele tenha sido abandonado inteiramente em psicologia. Por um lado, adoptaram-se muitas conclusões do associacionismo, mesmo quando se refinou esta doutrina mediante experiências e críticas analíticas. Por outro lado, o próprio estruturalismo não nega totalmente o processo associativo, mas rejeita os fundamentos atomistas atribuídos ao mesmo e especialmente a tendência manifestada pelos associacionistas clássicos de basear as suas explicações em puras combinações mecânicas sem fazer intervir tendências ou propósitos. [Ferrater]

Submitted on 06.01.2010 20:20
This entry has been seen individually 10897 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project