Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
10 user(s) are online (10 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 10

more...
Home Léxico Filosofia P panteísmo Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

panteísmo

Definition:
(in. Pantheism; fr. Pantheisme; al. Pantheismus; it. Panteísmo).

O termo panteísta foi utilizado pela primeira vez por J. Toland (Socianimism Truly Stated, 1705); o primeiro a empregar o termo panteísmo foi seu adversário Fay (1709). É a doutrina segundo a qual Deus é a natureza do mundo identificando a causalidade divina com a causalidade natural. Uma das formas de panteísmo humanista é a chamada "teologia sem Deus". V. morte de Deus. [Abbagnano]


A doutrina segundo a qual tudo está em Deus; particularmente, doutrina em que Deus é identificado ao mundo. — Foi a doutrina dos estoicos (para os quais Deus é a força vital imanente ao mundo), de Spinoza (cujo célebre princípio: Deus ou natureza, identifica Deus e a natureza), de Hegel (que descreve a realização de Deus, não somente na história humana, mas também na história "dialética da natureza"). Todo o romantismo filosófico do fim do século XVIII e do início do século XIX na Alemanha (representado por Novalis, Schlegel, Jacobi, Schelling e toda a filosofia da natureza) inspirou-se profundamente no panteísmo. A teologia cristã (ver, por exemplo, a condenação do "ateísmo" de Spinoza) identificou curiosamente o panteísmo com o ateísmo, porque esse recusa a ideia de um Deus pessoal. O panteísmo é uma concepção da divindade, ainda que só evoque uma força impessoal, presente em toda a parte no mundo e em nós. (V. teísmo.) [Larousse]


Segundo o panteísmo existe só uma única substância ou natureza, a saber: o Ser por si existente, absoluto, eterno, infinito e impessoal. Este é concebido de diversas maneiras: como vida (Bergson), como substância imutável (Spinoza), como ser abstrato indeterminado (Hegel), como absoluto (Fichte), como vontade cega (Schopenhauer), como ideia e vontade ao mesmo tempo (Ed. von Hartmann). — As coisas, incluindo os homens, não são substâncias independentes, mas só determinações ou modos (modi) de manifestação do Absoluto. Quando o homem se conhece, na verdade é Deus, que se conhece a si mesmo. As coisas, consideradas empiricamente, diferem umas das outras; mas em sua essência profunda, metafísica, identificam-se entre si e com Deus (teoria do Todo Uno). Deus, enquanto princípio produtor das coisas, é a natura naturans; estas são a natura naturata. Como todas as coisas estão em Deus e na vida interior divina só há necessidade, fica excluída toda liberdade de escolha, tanto em Deus como nas criaturas.

Formas principais do panteísmo: a) relativamente à identidade entre Deus e as coisas empíricas, distinguimos o panteísmo imanentista (monismo), que dilui completamente Deus nas coisas e assim se equipara ao crasso ateísmo materialista (Ostwald, Haeckel, Taine); o panteísmo transcendente (místico) que vê o divino só no mais íntimo das coisas, sobretudo na alma, de sorte que a criatura só se diviniza suprimindo o envoltório sensível (panteísmo hindu da filosofia do vedanta, Plotino, Escoto Eriúgena); e o panteísmo imanente-transcendente, segundo o qual Deus realiza-se e manifesta-se nas coisas (Spinoza, idealismo alemão, Goethe, Schleiermacher, Eucken). Deve incluir-se aqui também o pampsiquismo, que considera o Todo animado por uma alma ou razão do mundo. Assim procura o panteísmo biológico explicar a finalidade interna e a hétero-finalidade próprias dos organismos. — b) Do ponto de vista da origem das coisas, importa distinguir: o panteísmo emanatista, que as faz proceder do Absoluto inalterado (neoplatonismo); o panteísmo evolucionista, segundo o qual Deus realiza-se a si mesmo mediante o devir do universo e chega à autoconsciência (Fichte, Shelling, Hegel, Gentile, Croce); e, por último, o panteísmo estático, que deixa simplesmente de lado o problema da origem das coisas (Spinoza). — c) Do ponto de vista epistemológico, diferenciam-se o panteísmo realista, que atribui às coisas e à consciência individual um ser independente do pensamento divino (Spinoza, Ed. von Hartmann); e o panteísmo idealista, para o qual todas as coisas são somente pensamento do Absoluto. Temos ainda o panlogismo de Hegel, por exemplo, no qual o pensar e o ser se identificam. — d) Segundo se atribua a primazia a Deus ou ao mundo, temos o panteísmo em sentido estrito, que dilui Deus no universo, e o panenteísmo, que vê no mundo um puro modo de manifestação de Deus (o qual corresponde mais ou menos aos panteísmos antes mencionados: transcendente e imanente-transcendente). Aparentada com esta é a distinção entre panteísmo e teopanismo: segundo o primeiro, Deus subordina-se ao Todo; ao invés, para o segundo o Todo, subordina-se a Deus.

Refutação do panteísmo: antes de mais nada, o panteísmo incorre em contradições internas, quando introduz necessariamente Deus, imutável e simples, na mudança e na pluralidade do mundo; pois as determinações e modos de manifestação afetam também de maneira necessária o fundamento ontológico do mesmo mundo. — Suprimindo a liberdade, tira-se ao homem a responsabilidade, e fica aniquilada a diferença entre o bem e o mal. Esta doutrina, como também a negação da imortalidade pessoal, minam as bases da moral; e a equiparação entre Deus e o homem destrói os fundamentos essenciais da religião. — Finalmente, o panteísmo contradiz nossa consciência, pois que, se não fôssemos substâncias independentes, nunca poderíamos ter consciência do próprio eu. — Rast. [Brugger]


Tomado, de um modo geral, como uma ideologia filosófica e, especialmente, como uma “concepção do mundo” por meio da qual filiar-se certas tendências filosóficas, pode chamar-se panteísmo à doutrina que, confrontando-se com os dois termos Deus e mundo, procede à sua identificação. O panteísmo é, neste sentido, uma forma de monismo, ou, pelo menos, de certos tipos de monismo. O panteísmo apresenta diversas variantes:

Por um lado, pode conceber-se Deus como a única realidade verdadeira, à qual se reduz o mundo, o qual é concebido então como manifestação, desenvolvimento, emanação, processo, etc, de Deus - como uma teofania.. Este panteísmo chama-se “panteísmo acósmico” ou simplesmente acosmismo. Por outro lado, pode conceber-se o mundo como a única realidade verdadeira, à qual se reduz Deus, o qual costuma então ser concebido como a unidade do mundo, como o princípio (geralmente orgânico) da natureza, como o fim da natureza, como a auto-consciência do mundo, etc. Esse panteísmo chama-se “panteísmo ateu” ou “panteísmo ateísta”. Em ambos os casos, o panteísmo tende à afirmação de que não há nenhuma realidade transcendente e de que tudo quanto há é imanente. Além disso, tende a defender que o princípio do mundo não é uma pessoa, mas algo de natureza impessoal. [Ferrater]

Submitted on 25.10.2010 16:09
This entry has been seen individually 4569 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project