Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
3 user(s) are online (3 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 3

more...
Home Léxico Filosofia O oposição Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

oposição

Definition:
(gr. psa antikeimena; lat. oppositio; in. Opposition; fr. Opposition; al. Gegensatz, Opposition; it. Opposizionè).

Relação de exclusão entre termos ou objetos em geral. Aristóteles distinguiu quatro formas de oposição: 1) oposição correlativa, como p. ex. entre o dobro e a metade; 2) oposição contrária, como entre o bem e o mal, o branco e o preto, etc.; 3) oposição entre posse e privação, como entre a visão e a cegueira; 4) oposição contraditória, que é a contradição (Cat., 10,11 b 15 ss.) (v. em cada uma destas formas os verbetes separadamente: contradição; contrariedade; correlação; posse; e ainda quadrado dos opostos). [Abbagnano]


Existe oposição entre dois conteúdos, quando a posição ou afirmação de um exclui, de algum modo, a posição do outro. Consoante o modo desta exclusão, são várias as espécies de oposição. Irredutível é a exclusão na oposição contraditória entre ser e não ser e, consequentemente, também entre qualquer conteúdo (que de algum modo participe no ser) e sua negação. Por isso, a oposição contraditória não admite intermédio. — Quando dois conteúdos, que são algo existente, positivo, se excluem dentro de um círculo limitado, p. ex., dentro do mesmo gênero, do mesmo indivíduo ou da mesma situação espacial e temporal (como alegria e tristeza, branco e preto), diz-se que há oposição contrária. À oposição contrária, em sentido estrito, pertence, outrossim, a maior distância possível entre os opostos dentro da esfera comum. Portanto, os opostos contrários permitem a existência de um intermédio. — Entre uma perfeição e sua carência (p. ex., saúde e enfermidade), bem como entre o portador (sujeito) de uma perfeição e aquele que dela está privado (sadio e enfermo), existe uma oposição privativa (privação). — Relativa é a oposição existente entre relações que reciprocamente se contrapõem, bem como entre os sujeitos das mesmas (p. ex., pai e filho). As relações desta espécie excluem-se só de modo meramente relativo, ou seja, no mesmo sujeito e na mesma direção, mas são exigidas simultaneamente em diversos sujeitos e em direção inversa. Os opostos relativos enquanto tais não admitem intermédio. — A combinação de oposição contrária e de oposição relativa denomina-se oposição polar ou polaridade (cf. os polos do globo terrestre, homem e mulher). Os opostos polares exigem-se reciprocamente e consentem um intermédio, não porém da direção da oposição relativa.

Segundo o conteúdo, distinguimos a oposição de conceitos, juízos, entes reais e princípios constitutivos destes. Exemplos de oposição conceptual podem ver-se acima. No que tange aos juízos simples categóricos, há oposição contraditória (contradição) entre juízos do mesmo conteúdo, um dos quais é universal (ou particular) afirmativo e o outro particular (ou universal) negativo (p. ex., todas as árvores têm raízes. — Algumas árvores não têm raízes). Não podem ser ambos simultaneamente verdadeiros, nem ambos simultaneamente falsos. Da verdade de um infere-se a falsidade do outro, e vice-versa. Entre juízos universais do mesmo conteúdo, um dos quais é afirmativo e o outro negativo, há oposição contrária (p. ex., todas as árvores têm raízes — Nenhuma árvore tem raízes). Não podem ser ambos verdadeiros simultaneamente, mas podem ser simultaneamente falsos. Da verdade de um infere-se a falsidade do outro, mas não vice-versa. Entre entes reais e seus princípios constitutivos pode haver oposição contrária, privativa, relativa e polar, nunca porém contraditória. A categoria das oposições polares pertence também a oposição dinâmica entre esforços e atividades, a qual pode permanecer oculta no equilíbrio de forças. Entre os princípios internos do ser (princípios do ser) constitutivos de um ente, impera a polaridade. Se esta não é integral por causa da transcendência de um dos princípios parciais (p. ex., no homem), surge a possibilidade de um conflito dinâmico no mesmo sujeito (sensibilidade e espírito). — identidade, distinção, relativo, ação recíproca. — Brugger.


I. A OPOSIÇÃO NA LÓGICA: É mister distinguir entre a oposição nos termos e a oposição nas proposições. Segundo Aristóteles, as acepções habituais na oposição são:

1) oposição de termos relativos, ou do relativo (por exemplo, entre o dobro e a metade);
2) oposição de termos contrários, ou do contrário (por exemplo, entre o mal e o bem);
3) oposição da privação à posse (por exemplo, entre a cegueira e a vista);
4) oposição da afirmação à negação, ou do contraditório (por exemplo, entre “está sentado” e “não está sentado” ou entre justo e não justo).

Seguindo Aristóteles, os escolásticos estudaram a oposição nos termos ou, como também se diz, nas ideias enquanto ideias associáveis. A oposição expressa a repugnância de uma ideia ou de um coisa relativamente a outra coisa. Há também quatro espécies de oposição:

1) oposição contrária (entre uma ideia ou uma coisa e a sua negação). Homem e não homem são ideias contraditórias;
2) oposição primitiva (forma ou propriedade e sua ausência no sujeito); visão e cegueira no homem são ideias opostas privativas;
3) oposição primeira (entre as ideias ou as coisas do mesmo gênero, mas que não podem unir-se simultaneamente no mesmo sujeito). Virtude e vício são ideias opostas contrárias;
4) oposição relativa (entre dois ou mais entes articulados com uma mesma ordem). Pai e filho são ideias opostas.

A oposição nas proposições estuda-se nas proposições categóricas e nas proposições modais:... Consideremos as primeiras.

A oposição nas proposições categóricas define-se como a afirmação e a negação da identidade do predicado e do sujeito, também chamada afirmação e negação do mesmo predicado relativamente ao mesmo sujeito. Exemplo de oposição de proposições é a que existe entre a proposição “João e prudente” “não é verdade que João seja prudente”. Os lógicos estabelecem várias classes de oposição lógica entre proposições.

Oposição contraditória. As proposições opõem-se não só em qualidade, mas também em quantidade.

Oposição contrária. As proposições opõem-se em qualidade, mas não em quantidade, sendo ambas universais. oposição subcontrária. As proposições opõem-se em qualidade, mas não em quantidade, sendo ambas particulares.

Não deve confundir-se a negação de uma proposição com a negação de um dos seus termos.

II A OPOSIÇÃO NA METAFÍSICA: Várias formas de dualismo e de pluralismo metafísicos empregam a noção de oposição. Entendem por ela o modo de relação entre realidades contrárias. Essas realidades são concebidas comummente como interdependente.. A noção de oposição metafísica foi usada por muitos pensadores. Os antecedentes mais ilustres são Heráclito e o Platão dos últimos diálogos. De um modo explícito, foi apresentada por Nicolau de Cusa, para o qual uma das questões filosóficas centrais consiste em descobrir uma coincidência dos opostos. O filósofo moderno que fez uso mais frequente do conceito de oposição metafísica, Hegel, seguiu uma via análoga à de Nicolau de Cusa. Para Hegel, a oposição é a determinação própria da essência. Isto significa que a diferença, cujos aspectos indiferentes constituem simplesmente momentos de uma unidade negativa, é a oposição. Em suma, a oposição metafísica supõe um encontro dos contrários e, segundo Hegel, a superação da lógica da identidade. [Ferrater]

Submitted on 18.01.2012 13:18
This entry has been seen individually 5244 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project