Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
8 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 8

more...
Home Léxico Filosofia M memória Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

memória

Definition:
(gr. mneme; lat. memoria; in. Memory; fr. Mémoire, al. Gedächtnis; it. Memória).

Possibilidade de dispor dos conhecimentos passados. Por conhecimentos passados é preciso entender os conhecimentos que, de qualquer modo, já estiveram disponíveis, e não já simplesmente conhecimentos do passado. O conhecimento do passado também pode ter formação nova: p. ex., dispomos agora de informações acerca do passado de nosso planeta ou de nosso universo que não são recordações. Conhecimento passado também não é simplesmente marca, vestígio, pois estas são coisas presentes, não passadas. A tristeza ou a imperfeição física causadas por um acidente não são a memória desse acidente, apesar de serem vestígios dele, ao passo que a recordação pode estar disponível e pronta, sem precisar da ajuda de nenhum vestígio, como no caso da fórmula para o matemático e, em geral, das lembranças decorrentes da formação ou de hábitos profissionais.

A memória parece ser constituída por duas condições ou momentos distintos: 1) conservação ou persistência de conhecimentos passados que, por serem passados, não estão mais à vista: é a retentiva; 2) possibilidade de evocar, quando necessário, o conhecimento passado e de torná-lo atual ou presente: é propriamente a recordação. Esses dois momentos já foram distinguidos por Platão, que os chamou respectivamente de "conservação de sensações" e "reminiscência" (Fil., 34 a-c), e por Aristóteles, que utiliza esses mesmos termos. Aristóteles também propõe claramente o problema decorrente da conservação da representação como marca (impressão) de um conhecimento passado: "Se em nós permanecer algo semelhante a uma marca ou a uma pintura, como pode a percepção dessa marca ser memória de alguma outra coisa e não apenas de si? De fato, quem lembra vê apenas a marca e só dela tem sensação; como pode então lembrar o que não está presente?" (De Mem., 1, 450 b 17). A resposta de Aristóteles a essa questão é que a marca na alma é como um quadro que pode ser considerado por si ou pelo objeto que representa. E diz: "Assim como um animal pintado num quadro é animal e imagem, sendo ao mesmo tempo ambas as coisas, ainda que o ser dessas coisas não seja o mesmo, podendo ele ser considerado como animal ou como imagem, também a imagem mnemônica que está em nós deve ser considerada como objeto por si mesmo e, ao mesmo tempo, como representação de alguma outra coisa" (Ibid., 450 b 21). Segundo Aristóteles, a explicação do processo da memória, tanto como retentiva quanto como recordação, é inteiramente física: a retentiva e a produção de impressão decorrem de um movimento, assim como de um movimento decorre a lembrança/recordação. Contudo, a recordação, ao contrário da retentiva, é uma espécie de dedução (silogismo), pois "quem recorda deduz que já escutou ou percebeu aquilo de que se lembra; isso é uma espécie de busca" (Ibid., 453 a 11). Portanto, a recordação é própria apenas dos homens. Com isso, Aristóteles evidenciava outra característica fundamental da memória como recordação: seu caráter ativo de deliberação ou de escolha. A análise platônico-aristotélica da memória trouxe à baila os seguintes aspectos: d) distinção entre retentiva e recordação; b) o reconhecimento do caráter ativo ou voluntário da recordação, diante do caráter natural ou passivo da retentiva; c) base física da recordação como conservação de movimento ou movimento conservado. Pode-se dizer que esses aspectos não mudaram ao longo da história desse conceito. Todavia, as doutrinas posteriores podem ser subdivididas em dois grupos, segundo o ponto de partida para a interpretação da memória: memória como retentiva ou conservação ou memória como recordação.

A) A psicologia antiga ressaltou aspecto de memória como conservação, persistência, de conhecimentos adquiridos. O modo místico como Plotino trata o assunto, além de negar a base física da memória e considerar o corpo mais como obstáculo do que como ajuda (Enn., IV, 3, 26), afirma a proporção entre memória e força ou persistência de conservação: "Se a imagem persiste na ausência do objeto, já há M, mesmo que persista por pouco; se persiste por pouco, a memória é curta; se dura mais, a memória aumenta porque a força da imaginação é maior; e, se dificilmente falha, a memória é indestrutível" (Ibid., IV, 3, 29). De maneira análoga, a lista feita por S. Agostinho dos "milagres" da memória baseia-se no conceito de memória como receptáculo dos conhecimentos ou, segundo sua expressão, "ventre da alma" (Conf., X, 14). Esse é também o conceito dos filósofos medievais. Tomás de Aquino dá-lhe o nome de "tesouro e local de conservação das espécies" (S. Th., I, q. 29, a. 7), repetindo um lugar-comum da filosofia medieval. Isso equivalia a insistir na memória como retentiva.

Mas as concepções modernas e contemporâneas também veem a memória como conservação; retomando a concepção agostiniana do tempo como distensio animi ou duração de consciência, veem na memória a conservação integral do espírito por parte de si próprio, ou seja, a persistência nele de todas as suas ações e afeições, de todas as suas manifestações ou modos de ser. Essa concepção já foi exposta por Leibniz, que concebia a memória como conservação integral sob forma de virtualidade ou de "pequenas percepções" das ideias que não têm mais forma de pensamentos ou de "apercepções"; donde observar, em oposição a Locke: "Se as ideias não fossem mais que formas ou modos de pensamentos, cessariam com eles; contudo o Sr. mesmo reconheceu que elas são os objetos internos dos pensamentos e que, como tais, podem subsistir. Surpreende-me que possa, então, subestimar essas potências ou faculdades puras, deixando-as, ao que parece, sob os cuidados dos filósofos da escola" (Nouv. ess., II, 10, 2). Em virtualidade ou faculdade pode e deve conservar-se integralmente todo ato ou manifestação do espírito, já que o espírito é justamente essa autoconservação. Tal é a concepção de memória por parte da filosofia espiritualista ou consciencialista. A melhor exposição dessa concepção encontra-se em Bergson (Matéria e memória, 1896), que a contrapôs à concepção de memória baseada na recordação. Bergson disse: "A memória não consiste na regressão do presente para o passado, mas, ao contrário, no progresso do passado ao presente. É no passado que nós nos situamos de chofre. Partimos de um estado virtual, que pouco a pouco, através de uma série de planos de consciência diferentes, vamos conduzindo até o termo em que ele se materializa em apercepção atual, ou seja, até o ponto em que se transforma em estado presente e agente, enfim, até o plano extremo de nossa consciência sobre o qual se desenha nosso corpo. A recordação pura consiste nesse estado virtual" (Matière et mémoire, 1- ed., p. 245). A memória pura (ou recordação pura) é a corrente de consciência em que tudo é conservado no estado de virtualidade. A limitação da lembrança efetiva não pertence à memória, mas à recordação atual, que Bergson identifica com a percepção e que é uma escolha realizada na memória pura, para as exigências da ação. Portanto, as lesões cerebrais não afetam a memória propriamente dita, mas apenas a reminiscência das lembranças na percepção, ou seja, o mecanismo pelo qual a memória se insere no corpo e transforma-se em ação. Essa teoria, que Bergson apoiava na análise dos distúrbios das funções mnemônicas, caracteriza-se por dois pontos fundamentais: 1) distinção entre memória pura e recordação, entendendo-se por memória pura a conservação integral, independente de qualquer circunstância, do espírito por parte do espírito; ora, é evidente que essa memória nada tem a ver com a memória observável; 2) negação de qualquer base fisiológica para a memória pura e limitação da base fisiológica ao fenômeno da percepção. Essa negação tampouco é confirmada por fatos; seu precedente histórico é a teoria de Plotino. A partir de Descartes (Princ. phil, IV, 196), a base fisiológica da memória não é negada. A mesma conservação integral do espírito por parte do espírito é a "corrente da consciência", de que fala Husserl, pois ele também recorre ao conceito empregado por Leibniz e Bergson, de virtualidade ou potencialidade como marca da memória Husserl diz: "As coisas podem ser viven-ciadas não só na apercepção, mas também na recordação e nas representações afins à recordação. (...) A essência dessas vivências pertence a importante modificação que, do modo de atualidade, transporta a consciência para o modo de inatualidade, e vice-versa. Num caso, a vivência é consciência explícita de seu objeto; em outro, é consciência implícita, apenas potencial" (Ideen, I, § 35). O pressuposto é sempre o da total conservação do conteúdo da consciência: o fenômeno da recordação é ligado à passagem do conteúdo do estado atual para o potencial, ou vice-versa.

B) Pertencem a um segundo grupo as teorias da memória cujo ponto de partida é o fenômeno da recordação. Hobbes, p. ex., definiu a memória como "a sensação de já ter sentido" (De corp., 25, 1), o que significa defini-la em relação ao ato de se reconhecer, naquilo que se percebe, o que já se percebeu outra vez. A partir desse ponto de vista, Wolff definiu a memória como "faculdade de reconhecer as ideias reproduzidas e as coisas por elas representadas" (Psychol. rationalis, § 278): conceito que também se encontra em Baumgarten (Met, § 579). Desse ponto de vista, tende-se algumas vezes a reconhecer o caráter ativo da memória, ou seja, a função da vontade ou da escolha deliberada ao evocar as recordações. Locke dizia: "Nessa evocação das ideias depositadas na memória, o espírito não é puramente passivo porque a representação destes quadros adormecidos às vezes depende da vontade" (Ensaio, II, 10, 7). Kant ressaltava igualmente esse caráter ativo: "A memória difere da simples imaginação reprodutiva porque, podendo reproduzir voluntariamente a representação precedente, a alma não está à mercê dela" (Antr., I, § 34). A esse mesmo grupo de doutrinas pertencem: d) as que interpretam a memória como inteligência; b) as que interpretam a memória como mecanismo associativo.

a) Hegel interpretou a memória como inteligência ou pensamento (sempre em seu aspecto de recordação), vendo nela "o modo extrínseco, o momento unilateral da existência do pensamento". E nota que a língua alemã confere à memória "a elevada posição de parentesco imediato com o pensamento" (Enc., § 464). Segundo Hegel, a memória é o pensamento exteriorizado, pensamento que acredita encontrar algo de externo, a coisa que é lembrada ou recordada, mas que na realidade encontra-se a si mesmo, porque a coisa lembrada ou recordada também é pensamento. Por isso, Hegel diz que, "como memória, o espírito torna-se, em si mesmo, algo de externo, de tal modo que o que é seu aparece como algo que é encontrado" (Ibid., § 463). Aqui a memória é interpretada sobretudo como recordação; é evidente o parentesco dessa doutrina com as espiritualistas ou consciencialistas: a identificação da memória com o pensamento tem o mesmo sentido da unificação da memória com a consciência ou com sua duração.

b) O conceito de memória como mecanismo associativo foi expresso pela primeira vez por Spinoza do seguinte modo: "A memória nada mais é que certa concatenação de ideias que implicam a natureza das coisas que estão fora do corpo humano; essa concatenação se produz na mente segundo a ordem e a concatenação das afeições do corpo humano". Spinoza faz a distinção entre a concatenação da memória e a das ideias, "que ocorre segundo a ordem do intelecto, igual em todos os homens" (Et, II, 18, schol.). Não há dúvida, portanto, de que Spinoza fazia alusão a um mecanismo associativo semelhante ao que mais tarde foi teorizado por Hume: "É evidente que existe um princípio de conexão entre os diversos pensamentos ou ideias do espírito e que, ao surgirem na memória ou na imaginação, apresentam-se sucessivamente com certo grau de método e regularidade" (Inq. Conc. Underst, III). Como se sabe, Hume enunciava três leis de associação: semelhança, contiguidade e causalidade; mas só as duas primeiras foram empregadas pela psicologia associacionista para explicar os fenômenos psíquicos (v. associacionismo).

Grande parte da psicologia moderna baseou-se na hipótese associacionista ao estudar os fenômenos da memória, até que a psicanálise, por um lado, e a gestalt, por outro, mostrassem a importância dos interesses e das atitudes volitivas na recordação, bem como a importância de toda a personalidade no reconhecimento do já visto. O estudo experimental da memória confirmou as palavras de Nietzsche: "Fiz isto — diz-me a memória. Não posso ter feito,— sustenta meu orgulho, que é inexorável. Finalmente, quem cede é a memória" (Jenseit von Gut und Böse, 1886, § 68). Assim, as análises psicológicas modernas continuam girando em torno do fato da recordação, mais do que em torno da retentiva, que continua sendo preferida pelas teorias filosóficas da memória. [Abbagnano]


A persistência do passado. O passado pode persistir sob a forma de simples hábitos; a memória, entretanto, designa mais propriamente a representação do passado. — Os cinco elementos da memória são: 1.° a fixação das lembranças; 2.° sua conservação; 3.° a revocação; 4.° o reconhecimento; 5.° a localização. As perturbações da memória podem ser perturbações a) de fixação (amnésia anterógrada, emoção violenta); de maneira geral, para que uma coisa seja fixada em nossa memória, é necessário que seja "compreendida"; só se recorda bem o que se compreendeu claramente; b) de conservação (quando são atingidas as células do córtex); c) de revocação (amnésia retrógrada dos velhos, descrita por Ribot); d) do reconhecimento (paramnésia ou sensação de se ter visto o que nunca se viu o déjà vu, que Bergson analisou particularmente); e) da localização (desadaptação social, viagem, mudança de sociedade; cf. Halbwachs, Os quadros sociais da memória). Em geral, as lembranças ou os acontecimentos esquecidos são aqueles que "repelimos" para o inconsciente (Freud), seja porque choquem nossa consciência social, seja porque nos forçariam a refletir e a pensar novamente nossa visão dos homens e das coisas. (V. amnésia, paramnésia.) [Larousse]


Por vezes distingue-se entre a recordação e a memória, considerando-se a primeira como ato de recordar ou então como aquilo que é recordado, e a segunda como uma capacidade, disposição, faculdade, função, etc. A recordação é, neste caso, um processo psíquico diferente de uma “realidade psíquica”. A mencionada distinção tem raízes antigas. O problema de se a vontade intervém ou não na memória foi durante a antiguidade centro de inúmeras discussões. Todas elas se baseavam na necessidade de encontrar um equilíbrio entre as diferentes faculdades da alma, equilíbrio que ficava alterado a partir do momento em que uma das faculdades era sublinhada perante as outras. Durante toda a época moderna, tratou-se e discutiu-se o problema da sede da memória. Parece terem-se confrontado duas concepções últimas: a que define a memória como vestígio psicofisiológico deixado pelas impressões no cérebro e reprodutível mediante leis de associação, e a que tendeu a considerá-la como um puro fluir psíquico. Descartes já tinha distinguido entre duas formas de memória: a memória corporal, que consiste em vestígios ou pregas deixados nos cérebro, e a memória intelectual, que é espiritual e incorpora.. Dos filósofos que se ocuparam com particular atenção do problema da memória e suas possíveis formas, pode mencionar-se Bergson e William James. Segundo Bergson, a memória pode ser memória-hábito ou memória de repetição, memória representativa. A primeira é a memória psicofisiológica; a segunda é memória pura, que constitui a própria essência da consciência. Este último tipo de memória representa a continuidade da pessoa, a realidade fundamental, a consciência de duração pura. Por isso se diz que a memória, considerada neste sentido, é o ser essencial do homem enquanto entidade espiritual, podendo-se defini-lo, em certo sentido, de um modo diferente de todos os demais seres, como o ser que tem memória, que conserva o seu passado e o atualiza em todo o presente, porque tem, por conseguinte, história e tradição. A memória pura seria, pois, fundamento da memória propriamente psicológica, isto é, da memória enquanto retenção, repetição e reprodução dos conteúdos passados. Mas, ao mesmo tempo, esta memória representaria não só o reconhecimento dos fatos passados, mas também o reviver efetivo, mesmo sem consciência da sua anterioridade, o “re-cordar” num sentido primitivo do vocábulo como reprodução de estados anteriores ou, melhor dizendo, como vivência atual que leva no seu seio todo o passado ou parte do passado.

Segundo William James, pode ter-se memória só de certos estados de ânimo que duraram algum tempo - estados que James chama substantivos. A memória é um fenômeno consciente enquanto consciência de um estado de ânimo passado que, por algum tempo, tinha desaparecido da consciência. Não pode considerar-se propriamente como memória a persistência de um estado de ânimo, mas só o seu reaparecimento. A memória deve referir-se ao passado da pessoa que a possui; além disso, deve vir acompanhada de um processo emotivo de crença. a memória não é uma faculdade especial; nãonada único, diz James, no objeto da memória. Este é só um objeto imaginado no passado ao qual adere a emoção da crença. O exercício da memória pressupõe a retenção do fato recordado e a sua reminiscência. Causa, quer da retenção, quer da reminiscência, é a lei do hábito do sistema nervoso que trabalha na associação de ideias. [Ferrater]




MEMÓRIA em sentido lato já a temos nas associações. Em acepção mais restrita, memória designa as representações reproduzidas, oriundas do inconsciente, quando a vivência anterior é reconhecida. No que tange à memória em sentido lato, cumpre-nos distinguir nela a capacidade de aprender, a firmeza e a fidelidade. A investigação dos testemunhos (no exame dos conhecimentos acerca de uma imagem observada durante um minuto) estabeleceu que os erros cometidos por estudantes em suas informações espontâneas oscilavam entre 5 e 10%; no interrogatório, entre 20 e 30%. A afirmação, muitas vezes ouvida, de que a testemunha devia ter percebido um processo que presenciou, carece de justificação. — Na imagem reproduzida há recordação, reconhecimento, quando aparece como tendo sido anteriormente vivida. A segurança do reconhecimento é particularmente grande para os acontecimentos mais importantes da própria vida, amiúde acompanhados de numerosas circunstâncias concomitantes. Entre reprodução e reconhecimento existe, sob muitos aspectos, paralelismo, muito embora a reprodução exija associações mais potentes do que o mero reconhecimento. Por outro lado, dão-se também reproduções espontâneas sem reconhecimento. A reprodução ulterior requer atenção voluntária na recepção do excitante (aprender); o reconhecimento, não.

Como critérios de recordação servem: a rapidez com que surge uma representação logo a seguir à que foi oferecida, o caráter exclusivo de uma representação, sua peculiar clareza, a abundância de circunstâncias que ocorrem à mente. Quando com o olhai-se percorrem sucessivamente as partes de um objeto extenso, as primeiras percepções suscitam, por vezes, conjecturas sobre o que se segue; quando isto acontece, confirma-se a conjectura. De modo especial, os acontecimentos principais da vida de cada qual manifestam uma clareza, duração e invariabilidade, como nenhuma outra imagem da fantasia as possui. Além disso, adaptam-se bem à experiência atual e são corroborados pelos conhecimentos passados. — Na reprodução de representações sensoriais, que também ocorrem nos animais, temos uma memória sensível; nela, a participação psíquica está sempre ligada a uma excitação corpórea inteiramente determinada, como se verifica também na sensação consciente. Acima dessa memória há, no homem, uma memória superior, a memória intelectual, um saber latente, relativo, p. ex., a proposições geométricas aprendidas, aos atos espirituais próprios do entendimento e da vontade, que se examinam. Não bastam para isso as representações sensoriais simultâneas, das quais os pensamentos dependem só frouxamente. A memória intelectual é mais rápida, mais exata e mais compreensiva. Nem sequer para as palavras recordadas basta a memória sensível, uma vez que o significado delas deve aparecer simultaneamente; portanto, as palavras devem estar associadas aos pensamentos. — Fröbes. [Brugger]

Submitted on 25.09.2010 20:09
This entry has been seen individually 2841 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project