Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (9 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia M materialismo Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

materialismo

Definition:
A doutrina segundo a qual não existe outra substância além da matéria. Opõe-se ao espiritualismo, que tem no espírito a substância de toda a realidade. Materialismo e espiritualismo são doutrinas "ontológicas" sobre a natureza do "ser" ou da realidade; sua oposição não deve ser confundida com a do idealismo e realismo, que são doutrinas "gnoseológicas" (v. gnoseologia) sobre o fundamento do conhecimento. — De maneira geral, o materialismo rejeita a existência da alma, do além e de Deus. Quanto ao pensamento, faz disso um "dado segundo", conduzindo-o a fatos puramente materiais (Demócrito) ou negando-o como realidade e vendo nele uma espécie de ilusão (um "epifenômeno"), ou ainda explicando sua gênese a partir da matéria (materialismo dialético). O materialismo recusa-se a reconhecer a especificidade do psíquico (liga, por ex., a descoberta espiritual de uma ideia a uma reação físico-química no cérebro) e considera o conhecimento do homem como um simples prolongamento do conhecimento da natureza. Interdita-se, assim, toda tomada "compreensiva" das realidades espirituais e humanas. (V. epifenômeno, marxismo, materialismo dialético.) [Larousse]


Só a partir do momento em que se estabeleceu uma clara separação entre a realidade pensante e a realidade não pensante (Para Descartes “extensa”) se pôde falar de materialismo, nome que conviria, pois, às doutrinas dos que afirmam que só há um dos dois citados tipos de realidade: a realidade material ou material-extensa. O materialismo sustenta que qualquer realidade é de caráter material ou corporal. Embora a restrição do uso de materialismo a certas tendências da época moderna tenha alguma razão de ser, pode usar- se retroativamente o nome materialismo para designar doutrinas anteriores ao materialismo moderno. Em rigor, o materialismo - chama-se epicurismo, corporalismo ou de qualquer outro modo - é uma doutrina muito antiga:... Como filosofia, os caracteres próprios do materialismo, melhor dizendo, de cada doutrina materialista, podem ser diferentes. Com efeito, não é a mesma coisa, em princípio, o materialismo dito teórico que o materialismo dito prático. Nem sempre são equivalentes, embora muitas vezes se sobreponham, o materialismo como doutrina e o materialismo como método. Do ponto de vista histórico, o conteúdo de uma doutrina materialista depende, em grande parte, do modo como se defina ou entenda a matéria que se supõe ser a única realidade. Assim, o materialismo de Demócrito ou Epicuro é diferente do chamado materialismo dos estoicos, ou do materialismo mecanicista de Hobbes.

É comum a todas as doutrinas materialistas o reconhecer os corpos materiais como a realidade. Nesse sentido, a matéria a que os materialistas se referem é aquilo a que pode chamar-se matéria corporal - e não simplesmente a matéria como distinta da forma. É típico em quase todos os materialistas entender a matéria ao mesmo tempo como fundamento de qualquer realidade e como causa de qualquer transformação. A matéria não é então só o informe ou o indeterminado mas também o formado e o determinado. O conceito de matéria inclui o conceito de todas as possíveis formas e propriedades da matéria, ao ponto de o reconhecimento da matéria como a única substância não eliminar, mas com frequência pressupor, a adscrição ao material das notas de força e energia. Na ciência natural, o materialismo é um princípio de investigação que de modo algum deve alargar-se até ao campo gnoseológico e muito menos até ao campo metafísico. Na consideração da história chama- se materialismo - materialismo histórico - à doutrina defendida por Marx e Engels, segundo a qual não é o espírito, como em Hegel, que determina a história, mas que toda a vida espiritual é uma superstrutura da estrutura fundamental das relações econômicas de produção representam.

A estas notas cabe acrescentar a conhecida definição de Comte, que concebe o materialismo como a explicação do superior pelo inferior. Esta explicação, convém sobretudo ao materialismo corporalista, revela, porém, mais a tendência geral do materialismo que a própria entranha desta concepção, isto é, revela sobretudo a teoria dos valores do materialista. Pois a explicar o superior pelo inferior, o materialismo não quer dizer que o primeiro valha menos do que o segundo, mas de fato adscreve a este último um valor potencial superior ao primeiro, pois da matéria procede quanto depois vai surgir dela e, de certo modo, atribui à matéria as caraterísticas do espírito e da consciência. A matéria é então o fundamento de qualquer possibilidade mas de uma possibilidade inteiramente indeterminada, pois a partir do momento em que supõe que o processo de evolução da matéria é de certo modo livre, esta liberdade desprende-se do material e acaba forçosamente por se sobrepor a ele. [Ferrater]




O materialismo, enquanto mundividência, professa a redutibilidade total do real à matéria ou a forças inteiramente sujeitas às condições da matéria. Segundo o materialismo racionalista (mecanicismo), a realidade toda é inteiramente concebível segundo o número e medida, ao passo que o materialismo mítico ou biológico descobre no acontecer material um mistério para nós incompreensível (a vida), o qual todavia não alude a nenhum princípio independente da matéria. — Professam um materialismo parcial aqueles que, em qualquer domínio, reduzem o supramaterial ou formal ao material, negando dessa maneira a sua peculiaridade, p. ex., a teoria mecanicista da vida (vitalismo). — O materialismo antropológico apresenta-se em duas formas: ou como negação da alma, a qual é reduzida a matéria e a suas mutações físico-químicas, ou como negação da independência ontológica da alma relativamente à matéria (espírito). — O materialismo dialético combina a concepção do real como pura matéria com a dialética de Hegel. De sua aplicação à vida social resulta o materialismo histórico, segundo o qual a essência primordial da história é constituída pelos processos econômicos, dos quais dependem, como puros fenômenos consequentes ou concomitantes, os acontecimentos da história do espírito (marxismo, ideologia). — O materialismo fecha os olhos à realidade, visto que passa por alto a peculiaridade do supramaterial e de suas leis próprias. Ao repercutir na vida, desagrega a cultura e a moralidade.

Enquanto o materialismo como doutrina nega a priori o supramaterial, o materialismo como método prescinde provisoriamente do supramaterial para tentar explicá-lo por suas condições materiais. Não se entenda aqui por material somente a matéria espácio-temporal, mas tudo aquilo que em cada caso é inferior em frente ao superior. Como muitas coisas que nos aparecem como originárias e supramateriais podem ser reduzidas a seus elementos constitutivos materiais e outras dependem, pelo menos, de condições materiais, não se pode negar validade restrita ao modo de explicação material. Contudo o axioma ilimitado, segundo o qual o superior deve ser explicado pelo inferior, é falso, por converter um método parcial em método total. A redução à matéria deve ser complementada pela consideração do elemento formal, pois só esta é capaz de compreender a peculiaridade do objeto, sua forma (Gestalt). — A confusão da realidade com a perceptibilidade mostrou ser o caminho para o materialismo, já que, em consequência dela, se confunde também a realidade material com a realidade em geral. VIDE espiritualismo, biologismo, antropologia. [Brugger].

Submitted on 21.09.2010 12:24
This entry has been seen individually 3135 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project