Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
3 user(s) are online (3 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 3

more...
Home Léxico Filosofia M matéria Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

matéria

Definition:
A substância extensa, divisível, ponderável e suscetível de todas as espécies de formas. Nesse sentido é que Aristóteles definiu a matéria como uma realidade "potencial". — O problema da natureza da matéria é o problema da ciência (em particular da física); o problema fundamental da filosofia é o da natureza do espírito (Bergson, O pensamento e o movente: metafísica e ciência): os domínios respectivos da ciência e da filosofia permanecem assim perfeitamente distintos e determinados, e por isso mesmo impossível de confundirem-se. [Larousse]


O termo grego hyle foi usado, primeiramente, com os significados de bosque, terra florestal, madeira. Foi usado depois também com o significado de metal e de matéria prima de qualquer espécie, isto é, substância com a qual se faz, ou se pode fazer, algo. Significados análogos teve o vocábulo latino matéria, usado para designar a madeira e também qualquer material de construção.

Alguns filósofos pré-socráticos entendiam a realidade primeira como uma entidade de certo modo material. Em todo o caso, esta realidade era concebida em cada caso como uma espécie de massa mais ou menos indiferenciada da qual se supunha que surgissem os diversos elementos e com a qual se pensava que se formavam todos os corpos. Tratava-se de uma espécie de matéria animada ou vivificada.. Pode dizer-se que empregaram um conceito ao mesmo tempo físico e metafísico de matéria. À medida que se procurou um princípio que explicasse realmente o movimento e a formação dos corpos, tornou-se insuficiente esse conceito de matéria. A matéria foi então concebida como uma realidade puramente sensível, ou então como uma realidade essencialmente mutável.. A consideração da matéria como o elemento no qual radicam o movimento e a diversidade dos corpos levou à ideia de matéria como massa informe dos elementos (especialmente dos quatro elementos: fogo, terra, água e ar), massa de que se supunha que surgiam depois, por diferenciação, os próprios elementos. Pode ser esse o caso de Empédocles, e também, em certo sentido, o de Platão.

Com efeito, a distinção estabelecida por Platão entre o ser que é sempre e que nunca muda, e o ser que não é nunca e que muda sempre, leva-o a perguntar-se pelo tipo de realidade deste último ser. Não pode ser uma realidade determinada, pois se assim fosse teria forma, e então não seria perpetuamente mutável. Não pode ser, pois, nenhum dos elementos, de modo que parece concluir-se que tem de ser algo como a massa indiferenciada dos elementos prévia a qualquer formação, isto é, “o comum” em todos os elementos. Mas, nesse caso, é como um receptáculo vazio capaz de acolher qualquer forma. Daí a identificação de receptáculo e matéria. Mas, ao mesmo tempo, temos em Platão outras ideias acerca da matéria - ou daquilo que depois se irá chamar assim. Para já, se equiparar a forma ao ser propriamente dito, a matéria é aquilo que ficará mais perto do não-ser, de modo quem em algumas interpretações do platonismo, se identificarão simplesmente não- ser e matéria. Finalmente, Platão parece inclinar-se por vezes a conceber a matéria informe e primeira como uma realidade que tem determinadas qualidades, e antes demais o movimento, ou a possibilidade de movimento. A matéria é, neste caso, “o visível”, em contraposição a “o inteligível”; é o puramente sensível e o puramente múltiplo em contraposição com o que tem essencialmente ordem, inteligibilidade e unidade. O primeiro filósofo do ocidente em quem a noção de matéria adquire um caráter filosófico e técnico é Aristóteles.

O caráter comum a qualquer noção de matéria, em Aristóteles, é a receptividade; seja qual for a matéria de que se trate, não é propriamente matéria se não estiver, por assim dizer, “disposta a receber alguma determinação”. Isso faz que não haja apenas uma só espécie de matéria, que seria o puramente indeterminado,, mas várias espécies de matéria, de acordo com o seu modo de receptividade.

Nem sempre é fácil nem legítimo distinguir, em Aristóteles, entre o que corresponde à metafísica. Na física, a matéria aparece por vezes como substrato. Este é “aquilo que está sujeito à mudança”, e aquilo donde se inferem as qualidades. Parece, pois, que a matéria é a substância. Contudo, a matéria não é simplesmente a substância, uma vez que é algo comum a todas as substâncias, de modo que aparece como uma espécie de matriz da realidade física e não a própria realidade física.

Enquanto substrato de, a matéria é aquela “realidade sensível” da qual podem abstrair-se uma ou mais determinações. A matéria em geral é uma matéria primeira, algo sensível comum; quando se fala da realidade física em geral, deve ter-se em conta a composição material primeira. A matéria pode ser matéria de alguma realidade determinada - como a que é comum a todos os homens. Entre a matéria primeira e a matéria de não há outra diferença além da completa generalidade da primeira e a maior especificidade da segunda. Em ambos os casos trata-se de uma matéria sensível comum. Enquanto sujeito de mudança, a matéria em questão - especialmente a matéria primeira - é uma matéria genética. Podemos, assim, estabelecer uma série de níveis em que aparece a matéria: matéria primeira em geral; matéria enquanto elementos materiais (os quatro elementos); matéria como matéria de uma realidade determinada (homem, árvore, etc).

O modo metafísico de considerar a matéria é sensivelmente análogo ao físico, mas nele adquire maior importância a relação entre a matéria e a forma. Em rigor, quase sempre que se trata da concepção aristotélica do conceito de matéria, costuma-se estudá-la metafisicamente como um dos termos no famoso binômio matéria e forma. Deste ponto de vista, a matéria define-se como aquilo com o qual se faz algo. Este fazer pode ter dois sentidos: o sentido de um processo natural, e o de uma produção humana. Assim, o animal é feito, ou composto, de carne, ossos, tendões, etc; a estátua é feita de mármore ou bronze. Desse modo, o conceito de matéria adquire um sentido relativo: a matéria é sempre relativa à forma. Por isso a realidade não é a matéria nem forma, mas sempre um composto. É certo que, em certas ocasiões, Aristóteles parece referir-se à matéria como u pura e simplesmente indeterminado. Mas o próprio conceito de indeterminação carece de sentido a não ser que se refira a algo determinado ou a uma possibilidade de determinação. Embora se defina a matéria como possibilidade, dever-se-á admitir que é uma possibilidade para algo. Daí a distinção aristotélica entre a matéria - que é um não ser por acidente - e a privação que é o não ser em si mesmo. A matéria está intimamente ligada à substância, o que não acontece com a privação. A noção de matéria serve, assim, a Aristóteles, para explicar a mudança e o devir.. Como substrato distinto dos contrários, a matéria permite a mudança, uma vez que os próprios contrários não podem mudar. A matéria pode ser, assim, entendida como substância enquanto substrato, isto é, não como aquilo que muda, mas aquilo no qual se produz a mudança.

Deve ter-se presente que a matéria de que fala Aristóteles não é, ou não é fundamentalmente uma realidade material, uma vez que esta realidade também precisa, para existir, de uma matéria e de uma série de determinações. A matéria no sentido aristotélico não j é, pois, um ser que se baste a si mesmo; é simplesmente aquilo com o qual e do qual é composta qualquer substância concreta. Todas as concepções antigas acerca da matéria foram objeto de discussão por parte dos autores cristãos dos períodos patrístico e escolástico.. A tendência para identificar a matéria com o não ser e com o mal foi muito forte naqueles que tiveram de lutar contra as tendências gnósticas e maniqueistas, nas quais a matéria é amiúde apresentada como o mal, mas como um mal real, como um “ser mau”, constantemente em luta com o bem. Algumas das concepções da matéria desenvolvidas na patrística influíram depois na ideia de que a matéria pode ser algo assim como um objeto autônomo de uma ciência - além do mais, secundária.

Desde a introdução plena do aristotelismo na filosofia medieval, houve cada vez mais tendência para conceber a matéria como sujeito de transformação substancial. Foi o que aconteceu com S. Tomás. Este define a matéria à maneira aristotélica, como aquilo do qual se faz, ou pode fazer, algo. A noção de matéria contrapõe-se à de forma; exceptuando a forma, a matéria não tem ser próprio. Pode, a este respeito, falar-se de uma matéria-prima, que a matéria fundamenta e comum. Mas pode, e deve, falar-se de várias espécies de matéria. Na idade média discutiu- se muito a questão de relação da matéria com a forma, bem como o problema de se podem ou não conceber seres sem matéria.

Ao contrário de S. Tomás, Duns Escoto considerava que a matéria tem um ser próprio, uma vez que a sua ideia reside em Deus. A matéria não é pura e simples privação de forma. À algo real ou, melhor dizendo, tem uma certa entidade. A matéria é potência máxima e atualidade mínima, mas de modo algum um nada. Por outro lado, Duns Escoto considerava que o ser da matéria é distinto do da forma, pois de contrário haveria que concluir que a matéria é uma realidade que pode formar-se por si mesma e cair-se-ia no tipo de materialismo defendido por alguns intérpretes de Aristóteles. A matéria é potência, mas potência real: é “aquilo que” contém algo; portanto, é puro sujeito. Daí a possibilidade de Deus criar uma matéria sem forma.

As ideias de matéria até agora apresentadas não desapareceram totalmente na idade moderna, especialmente enquanto se tratou metafisicamente o conceito de matéria. Mas é caraterística da idade moderna o ter-se ocupado principalmente da noção de matéria enquanto constitutiva da realidade material ou natural. É o que se chamou “a concepção científica-natural da matéria”. Nos começos da época moderna, admitiram-se diversas espécies de matéria natural para explicar a composição e o movimento dos corpos. Em alguns casos, pensou-se que pode haver pelo menos duas espécies de matéria: a ativa (por exemplo, o frio e o quente) e a passiva (ou suporte da mudança do frio para o quente e vice-versa). Mas houve uma tendência cada vez maior para estudar a matéria como realidade una e única. Precedentes desta concepção encontram-se já nas doutrinas atomistas antigas e medievais. Para estas concepções a matéria é simplesmente o pleno, ao contrário do espaço, que é o vazio. Há na época moderna algumas teorias que diferem em vários aspectos importantes da ideia mencionada de matéria como espaço pleno. Assim, por exemplo, Descartes equiparou a matéria à extensão, de acordo com a sua caraterística redução, ou tentativa de redução, da realidade material a propriedades geométricas do espaço. Mas o mais caraterístico da citada concepção científica-natural da matéria na idade moderna a ideia de matéria como aquilo que enche o espaço. A esta ideia sobrepõem-se outras: a matéria é uma realidade impenetrável, já que, na medida em que o não for, há espaço para encher; é uma realidade constituída atomicamente, pois os átomos são os espaços cheios; é uma realidade única, já que toda a matéria é fundamentalmente a mesma em todos os corpos naturais. Estas propriedades da matéria são concebidas de acordo com uma lei: a lei de conservação da matéria. A matéria é, pois, concebida como realidade fundamental compacta; a possibilidade da sua divisão afeta apenas os interstícios espaciais, mas não a própria matéria. A matéria é, segundo esta concepção, constante , permanente e indestrutível. Os corpos podem mudar de massa, de volume e de forma, mas as partículas materiais últimas são inalteráveis. das ideias mencionadas sobre a natureza da matéria - como matéria natural ou matéria física - na época contemporânea, uma delas foi mais distinguida do que as outras: a constituição atômica. Com efeito, que a matéria seja espaço pleno não significa que a matéria tenha de ser constituída por partículas elementares indestrutíveis. Poderia muito bem admitir-se que a matéria é contínua. A passagem da física clássica à física contemporânea representa uma nova concepção da matéria. Num mundo macrofísico, continua a conceber-se a matéria de acordo com propriedades mecânicas. Mas alguns dos resultados da nova física obrigaram a abandonar a clássica concepção newtoniana, ou então a alojá-la dentro de uma teoria de alcance mais amplo. [Ferrater]




MATÉRIA (em grego: hyle) é, em quase todas as suas acepções, um oposto relativo a forma. Matéria significa (1) originariamente o estofo, de que o homem molda as obras de sua habilidade artística (p. ex., madeira, pedra), em oposição à forma ou figura que a matéria recebe por sua elaboração. A oposição de matéria e forma transferiu-se, em seguida, para os corpos naturais. Nestes, matéria (2) é aquilo "de que" um corpo consta; enquanto o conceito de "corpo" designa uma coisa individual de determinada grandeza e forma (p. ex., este bloco de granito), o conceito de "matéria" (p. ex., do granito) prescinde destas propriedades determinadas. Por conseguinte, a matéria é aquilo que primeiramente aparece como substância do corpo, em oposição à sua forma acidental, etc. A química, que se aplica a investigar a matéria, reduziu a multiplicidade imensa desta a noventa e duas matérias primitivas (elementos) cada uma das quais consta, por sua vez, de átomos, ou seja, de pequeníssimas partículas dotadas de massa e peso radioativos e outras leis insinuaram a ideia de que os átomos mais pesados eram construídos com outros de menor peso, e de que, talvez, em derradeira instância, todos os átomos se compunham de certo número de átomos mais leves, isto é, de átomos de hidrogênio. Durante muito tempo os átomos foram concebidos como "corpúsculos" diminutos e extensos sem solução de continuidade; mas o recente desenvolvimento da física obrigou a admitir também no átomo uma fina estrutura composta de diversos elementos primitivos (protões, neutrões, eletrões). A questão que a ciência natural se põe acerca da essência da matéria refere-se principalmente a estes elementos primitivos. A questão é hoje intensamente debatida, tendo-se convertido num problema extremamente difícil, porque a mesma matéria aparece, em suas manifestações, já como corpúsculo, já como onda. — A matéria (2), objeto de pesquisa da atividade investigadora da ciência natural, é denominada pela filosofia escolástica mar téria segunda {matéria secunda), em oposição à matéria prima (3), a qual, ao contrário da matéria segunda, não é uma substância corpórea determinada, nem pode, por conseguinte, ser atingida com os meios da física, mas é uma parte essencial só mentalmente apreensível e que, juntamente com a forma essencial, constitui a substância corpórea (hilemorfismo).

Na linguagem filosófica usual, o termo matéria (4) ultrapassa o domínio do mundo corpóreo e designa, em sentido muito lato, o determinável (formável), em contraposição à forma determinante. Assim, os conceitos do sujeito e do predicado denominam-se matéria do juízo, em oposição ao "é" da cópula considerada como forma do mesmo juízo; de igual modo, as proposições, com que se constrói o silogismo, são a matéria deste, em oposição à conexão fundamental de consequência, existente entre elas, tida como forma. Nestes casos e noutros semelhantes, a matéria (4) é, ao mesmo tempo, o "conteúdo" variável, em oposição à forma mais ou menos invariável. — Sobre o emprego particular dos conceitos de matéria e forma na doutrina kantiana do conhecimento, criticismo.

Material chama-se, um primeiro lugar, o que é composto de matéria (2) ou é propriedade de uma coisa de natureza material, ou seja, de um corpo; portanto, é sinônimo de corpóreo. Na terminologia escolástica, o vocábulo "material" designa também muitas vezes "ligado à matéria", ou seja, o que, não sendo corpo nem propriedade de um corpo, depende, não obstante, intrinsecamente da matéria, ou seja, não pode existir nem operar sem ela, p. ex., a alma dos animais, em oposição à alma imaterial (espiritual) do homem. — De Vries. [Brugger]

Submitted on 21.09.2010 12:15
This entry has been seen individually 2578 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project