Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia L lógica Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

lógica

Definition:
A lógica, no sentido clássico é a ciência das leis do pensamento; no sentido moderno: ciência das formas do discurso. — A lógica tem sido apresentada como a arte de "bem conduzir sua razão no conhecimento das coisas, tanto para instruir-se a si próprio quanto para instruir os outros" (Lógica de Port-Royal). A lógica é, essencialmente, a ciência formal das formas de conceitos, de juízos e de raciocínios. Essa interpretação da lógica remonta a Aristóteles (384-322 a. C.), cujo Organon expõe os princípios e os eternos elementos da lógica formal (teorias do silogismo, da dedução, da indução): o elemento mais simples da lógica é a ideia ou conceito; este se define do ponto de vista de sua extensão e compreensão. A compreensão é o conjunto das qualidades que caracterizam o objeto do conceito; a extensão, o conjunto dos seres que têm a mesma qualidade. Por exemplo, o conceito de "cão" é o de um animal que se pode descrever com grande precisão; possui um grande número de qualidades particulares (uma grande "compreensão"). O de "vertebrado" é muito mais geral (possui uma "extensão" maior), mas permanece mais vago: 'assim, a compreensão está em razão inversa da extensão. O juízo se define como uma relação entre dois conceitos; o raciocínio, como uma relação entre dois ou vários juízos. Tais são os três elementos principais da lógica formal. Kant fundou a lógica transcendental ou material, que é o estudo do pensamento aplicado ao real, encarnando-se nos "métodos" das ciências matemáticas ou físicas. Atualmente, a lógica formal une-se às matemáticas e é denominada logística. [Larousse]


Seu objeto é o pensamento, considerado não como propriedade ou atividade de sujeitos existentes (sob este aspecto, o pensamento é objeto da psicologia), mas enquanto traduz as relações dos conteúdos mentais como tais, susceptíveis de serem pensados identicamente por muitos. Por isso, é errôneo considerar a lógica uma parte da psicologia, como pretende o psicologismo. Os conteúdos mentais podem ser investigados em si, segundo sua estrutura interna (como conceitos, juízos e raciocínios) e suas recíprocas e necessárias relações (leis lógicas), o que é tarefa da lógica pura ou formal, ou seja, da lógica propriamente dita, ou segundo sua relação ao objeto e sua função representativa, tarefa esta às vezes atribuída a uma lógica "real" ou "material". Neste caso, melhor a denominaríamos crítica do conhecimento ou epistemologia (teoria do conhecimento). A lógica formal ou lógica em sentido estrito atende somente à retidão, isto é, à legimitidade lógica do pensamento (leis do pensamento); a epistemologia ocupa-se da correspondência com o objeto, ou seja, a verdade; e a metodologia atende à invenção desta. O núcleo da lógica formal é a doutrina do raciocínio. Juízos e conceitos adquirem sua importância em lógica principalmente como elementos do raciocínio. A lógica é essencialmente uma ciência teorética, embora inclua também aplicações práticas, como, p. ex., as regras de uma boa definição. O homem é, por natureza, apto para pensar retamente (lógica natural); mas precisa da lógica científica, principalmente quando se trata de pôr à prova seu pensament0 em casos difíceis ou controversos.

A lógica foi frequentemente dividida em três partes principais: a doutrina do conceito (e de sua expressão oral: o termo), do juízo (e de sua expressão oral: a proposição) e do raciocínio. Já Aristóteles, o fundador da lógica científica, na teoria do raciocínio preconiza também uma doutrina da ciência e do método em geral. Os modernos, via de regra, constituem com esta doutrina, uma quarta parte na qual tratam da doutrina da indução, da formação dos conceitos das ciências naturais e das ciências do espírito, etc. Muitas destas questões pertencem já à lógica material. — A lógica transcendental de Kant é uma espécie peculiar de critica do conhecimento (criticismo). Como, segundo Hegel, o conteúdo do pensamento e o objeto coincidem, a lógica é, consequentemente, para ele, ao mesmo tempo ontologia (idealismo alemão). — Muitos distinguem entre lógica clássica (= não-logística) e lógica moderna (logística). — Brugger.




Vamos falar da lógica de um modo geral, expondo as diversas concepções definidas acerca da sua tarefa própria; este esboço histórico concluirá com uma discussão sistemática sobre o problema da natureza da lógica.

São necessárias duas advertências:

1) Incluem-se na lógica certos tipos de pensamento, com a lógica dialéctica, lógica histórica, lógica concreta, etc, que muitos autores não consideram pertencer à lógica estrita.

2) Alguns autores distinguem entre lógica e logística como se designassem dois tipos completamente diferentes de lógica. O termo lógica designa, para nós, um conjunto muito amplo de investigações que compreende igualmente a lógica tradicional e a lógica nova ou logística.

HISTÓRIA DA LÓGICA: Segundo alguns autores, a história da lógica apresenta três períodos de grande desenvolvimento: de Aristóteles ao estoicismo; na idade média nos séculos doze, treze, catorze e parte do século quinze; a época contemporânea.

Apesar de haver na tradição grega consideráveis elementos há que chegar a Aristóteles para que estes se harmonizem e alcancem plena maturidade. Além de um doutrina silogística muito completa e de vários trabalhos de lógica indutiva, encontramos em Aristóteles várias teorias metodológicas, ou a discussão a fundo dos chamados princípios lógicas e outras análises de noções lógicas fundamentais como a de oposição e a dos predicáveis.... Durante muito tempo, pensou-se inclusive que a lógica aristotélica era simplesmente a lógica. Aristóteles oscilou entre duas ideias acerca da índole da lógica. Por um lado, concebeu-a como introdução a qualquer investigação científica, filosófica ou pertencente à linguagem vulgar; por isso a lógica não é uma parte da filosofia mas, em suma, um átrio de entrada para a filosofia. Por outro lado, a lógica aparece como a análise dos princípios segundo os quais a realidade se encontra articulada; em alguns casos, a lógica de Aristóteles parece seguir o traçado de uma ontologia.

A lógica dos estoicos é principalmente uma lógica das proposições. Da lógica formal aristotélica passou-se, por diversas gradações, para uma lógica formalista; certos raciocínios que, em Aristóteles, aparecem como silogísticos são entendidos pelos estoicos como regras de inferência válidas.

Mesmo quando, em muitos casos, os estoicos conceberam a lógica como aquela parte da filosofia destinada a apoiar a solidez dos seus ideais éticos, a lógica constituiu um dos campos onde surgiram contributos mais originais.. Os estoicos esclareceram também questões semânticas a que nos referiremos no artigo paradoxos.

A partir do século doze e até ao século quinze, deu-se um novo florescimento da lógica, e o inventário dos contributos desta época à lógica está ainda em formação. Deve destacar-se que a lógica medieval propõe novos campos de estudo. sobre os termos sincategoremáticos, sobre as propriedades dos termos, sobre os insolúveis, sobre a obrigação e sobre as consequências. Devem juntar-se-lhe os inúmeros estudos de filosofia da linguagem especialmente através da gramática especulativa :... Quanto á ideia da lógica defendida pelos escolásticos medievais, muitos concordam em que a lógica é uma “ciência de julgar corretamente”, mas dividiram-se na interpretação desta opinião: uns entenderam-na como designando um processo que conduz ao conhecimento verdadeiro; outros, como um processo que permite obter raciocínios corretos ou formalmente válidos. Esta segunda interpretação acentua o formalismo...

Muitos filósofos modernos interessaram-se menos pela lógica do que pelo estudo dos métodos da ciência natural. De qualquer modo, fizeram-se esforços para desenvolver a lógica como um cálculo e houve também tentativas para constituir uma lógica estreitamente ligada à epistemologia. A figura principal da primeira das citadas tentativas é Leibniz. Este limitou-se não só a assentar as bases de uma “caraterística universal”, mas também a tocar muitos dos pontos desenvolvidos pela posterior lógica simbólica, mas o caráter fragmentário da sua obra e as suas finalidades filosóficas gerais impediram-no de levar a cabo um a trabalho completo em qualquer das muitas vias encetadas. Além do mais, a ideia da formalização da lógica estava estreitamente ligada, em Leibniz, à ideia de que os princípios lógicos são simultaneamente princípios ontológicos.

Em Kant, a lógica parece assumir um aspecto formal igualmente afastado da ontologia e da psicologia. É Kant quem procura estabelecer uma lógica ao mesmo tempo determinada pela epistemologia e fundamento da epistemologia.

Com o fim de dar maior informação sobre as tendências lógicas na última metade do século dezanove e a parte decorrida deste século, dever-se-ia ampliar o quadro até limites que a presente obra não consente. Limitar-nos-emos a uma rápida enumeração das mesmas.

1) A lógica empírica ou da indução supõe que os objetos de que trata são o resultado de generalizações empíricas efetuadas sobre o real por meio de uma abstração. Esta lógica converte-se cada vez mais numa metodologia do conhecimento científico. O seu representante mais caraterístico é John Stuart Mill.

2) Para a corrente psicologista, os princípios lógicos são pensamentos e a lógica revela-nos a estrutura objetiva dos mesmos.

3) A corrente normativista propõe que a lógica responda à seguinte pergunta: “como devemos pensar para que o nosso pensamento seja correto?”

4) A lógica metodológica cultiva de preferência os problemas centrados em torno do modo do raciocínio científico.

5) A lógica gnoseológica afirma que a lógica não é senão uma teoria do conhecimento. Não podem apresentar-se normas que não signifiquem algo; e como o significado é o conhecimento, resulta que as formas da lógica são formas do conhecimento..

6) A lógica metafísica entende que o correlato das operações lógicas é uma realidade metafísica ou considerada como tal. O grande exemplo deste tipo de lógica é a lógica dialéctica de Hegel.

7) A lógica fenomenológica defende que o objeto da lógica é o objeto ideal, que não se pode reduzir nem a uma forma inteiramente vazia nem tão pouco a uma essência de índole metafísica. O objeto ideal é o objeto pensado, isto é, o conteúdo intencional do pensamento. O representante mais conhecido da corrente é Husserl.

8) A lógica novo ou logística é a corrente que vai adquirindo o primado sobre todas as outras. Introduziu uma profunda revolução fundando a matemática na lógica e contribuindo com análises fundamentais sobre a designação e a e a significação; introduziu a importante distinção entre a menção e o uso dos signos; propôs uma nova definição do número, etc. Os Principia Matematica de Whitehead e Russell constituem um dos grandes marcos na história da logística moderna, porque constituíram uma nova fundamentação da matemática. Seria impossível ao menos o resumo das diferentes lógicas que desde então surgiram. Cabe, contudo, destacar que os trabalhos de logística suscitaram muitas vezes questões de caráter geral filosófico, e assim se deu um novo sentido às questões ontológicas.

NATUREZA DA LÓGICA: Como qualquer ciência, a lógica apresenta-se sob a forma de uma linguagem. Esta linguagem é, como a de todas as ciências, de tipo cognoscitivo. Além disso, como qualquer linguagem, a da lógica tem um determinado vocabulário. Ora, enquanto o vocabulário da ciência compreende as expressões que se referem a fatos e expressões que não se referem a fatos, o vocabulário da lógica abrange só estas últimas expressões. A lógica tem como objeto os termos do vocabulário lógico, os quais se organizam em determinadas estruturas. Quando as estruturas são verdadeiras obtêm-se verdades lógicas. Por isso se diz que o enunciado é logicamente verdadeiro quando o é unicamente devido à sua estrutura ou à sua forma. na lógica usual, há não só termos lógicos, estruturas lógicas e verdades lógicas, mas também enunciados acerca deles. Estes enunciados fazem parte de uma disciplina: a metalógica. Tanto a lógica como a metalógica são disciplinas formais e têm caráter dedutivo. Aquilo a que se chamou por lógica indutiva usa também a dedução como método. De qualquer modo, pode distinguir-se entre ambas sempre que se entenda que se fala mais de grupos de problemas do que de certas formas de operação lógica. Outra questão consiste em saber se as linguagens lógicas são informativas. Alguns autores declararam que a lógica é integralmente composta por enunciados tautológicos e que o seu caráter de completa certeza se deve certamente à vacuidade desses enunciados. [Ferrater]

Submitted on 26.06.2009 15:15
This entry has been seen individually 11946 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project