Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (9 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia I irracional Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

irracional

Definition:
inaccessível à razão. — O irracional designa tanto o sentimento (por ex., o sentimento da natureza) quanto a experiência da ação voluntária: um sentimento ou um ato são intrinsecamente irracionais na medida em que são irredutíveis, em sua realidade específica, aos discursos que se pode fazer sobre eles. Num sentido mais amplo, é irracional o que só podemos conhecer pela intuição, o que não é conceituai, por ex. a realidade do mundo exterior (Kant), a existência da própria razão (Lask). Do ponto de vista psicológico, uma conduta é irracional se exprime uma reação espontânea (emotiva, passional, reflexa), e não procede de uma decisão voluntária maduramente refletida. [Larousse]


Denomina-se geralmente, irracional o que se opõe ou, pelo menos, é alheio ao espírito, de modo especial ao pensamento conceptual (à "ratio"). Ao que é alheio à mente ou ao pensamento dá-se, por vezes, a designação de a-racional (termo pouco feliz) e, melhor, alógico (Logos), a fim de a diferenciar do irracional em sentido estrito, enquanto oposto ao espírito. O irracional pode entender-se psicologicamente (subjetivamente), dos atos psíquicos, ou objetivamente, dos objetos a que tais atos se dirigem. No sentido psicológico (1) é irracional a vida consciente que, em grau maior ou menor, se subtrai à direção da razão, especialmente a vida sentimental e apetitiva. Mas também o querer espiritual inclui na escolha livre, sobretudo do bem menor, um traço não racionalmente inteligível em sua integridade. Em acepção objetiva, irracional (2) é sinônimo de incognoscível, em consequência de sua obscuridade, de inadequado à razão, de ininteligível, de apreensível só por atos irracionais.

O termo irracionalismo designa, em geral, uma acentuação ou super-acentuação do irracional. O irracionalismo psicológico atribui ao irracional (1) o papel preponderante na vida psíquica (filosofia da vida, psicanálise). O irracionalismo metafísico admite que há um ente irracional (2) absolutamente, isto é, para cada espírito, e, até, que o ente em seu mais íntimo fundo essencial é irracional; além disso, o ente é concebido, em derradeira instância, como vontade cega ou impulso vital (Schopenhauer, Nietzsche, Ed. von Hartmann); ou, então, temos de renunciar a toda positiva determinação de sua essência irracional (N. Hartmann) O irracionalismo metafísico é incompatível com um depurado conceito de Deus (verdade). O irracionalismo epistemológico afirma primariamente que só a realidade ou determinados domínios da mesma via de regra por nós considerados como racionalmente compreensíveis, são irracionais (2) para o nosso pensamento. Assim, segundo Scheler e N. Hartmann, a existência é apreendida tão-somente em atos irracionais (emocionais); segundo o irracionalismo axiológico os valores são irracionais; e segundo a filosofia da religião de R. Otto é irracional o divino que só pode ser apreendido no sentimento do "numinoso". — Devemos conceder que o irracional (2) existe, de fato, para nós. Assim, o indivíduo, enquanto tal, nunca pode ser compreendido totalmente pelo nosso pensamento conceptual. Pelo contrário, nãorazão para que a existência e os valores sejam tidos por irracionais. Deus é, certamente, incompreensível, mas não completamente incognoscível para nós. Os mistérios divinos, que superam nossa razão, melhor se denominam supra-racionais, uma vez que não são incompreensíveis para nós por causa de sua obscuridade em si, mas por causa de sua ofuscante plenitude de luz (supra-racional). — De Vries. [Brugger]




Costuma definir-se irracional como “algo que não é racional”, quer dizer, “algo que é alheio à razão”.

Mas convém distinguir este termo de outros aparentados com ele. Propomos as seguintes distinções: Pode chamar-se a-racional ao que é simplesmente alheio à razão; anti-racional ao que é contrário à razão; supra-irracional ao que é superior à razão ou está para além da razão, num plano considerado superior;

infra- irracional ao que é inferior à razão no sentido de se encontrar num plano no qual não entrou ainda a razão: no plano do pré-irracional. Ora este Termo irracional pode ser tomado em dois sentidos: 1) como nome comum de todas as espécies antes mencionadas de “não racionalidade”. 2) Como designando algo a-racional e, sobretudo, algo anti-racional.

É possível assinalar aspectos irracionais em todos os períodos da história da filosofia, mas teve-se consciência clara deles apenas no final da época moderna e na época contemporânea.

Tem-se dito que certo grupo de filosofias contemporâneas são irracionais porquanto sustentam que a realidade é, em último termo, ou irracional ou não racional. Contudo, nem sempre é justo qualificar estas filosofias como irracionalista.. Em alguns casos, o que se chama irracional é antes algo “sobre-racional”; noutros casos, o que alguns filósofos fazem é simplesmente pôr em relevo que a realidade não é acessível racionalmente, ou não é tão acessível racionalmente como haviam pensado outros filósofos.

Há nesta filosofia dois aspectos irracionalistas diferentes entre si, embora provavelmente relacionados em alguns dos seus representantes: por um lado, temos o irracionalismo ontológico, segundo o qual a própria realidade (o próprio ser) é irracional, e isto de tal modo que a sua irracionalidade se manifesta no fato de ser contraditória consigo mesma. Por outro lado, temos o irracionalismo não ético, segundo o qual há incomensurabilidade entre o conhecimento (ou os meios de conhecimento) e a realidade, ou pelo menos uma parte da realidade.

Dentro do movimento fenomenológico tentou-se elaborar uma “fenomenologia do irracional”. Isto levou ao estudo da distinção entre o irracional e elementos usualmente confundidos com ele. Segundos alguns, confundiu-se entre o irracional e o alógico, quer dizer, o que não está submetido a lógicas, esquecendo-se com isso as diferenças fundamentais entre vários tipos de irracionalidade. No “problema do irracional” deve distinguir-se antes de tudo os aspectos gnoseológico e ontológico. O irracional como o oposto ao racional pode entender-se: 1) como o que tem uma razão ou fundamento. 2) Como o que não é imanente à razão, o trans-inteligível..... O primeiro tipo de irracionalidade é de caráter ontológico; o segundo, de caráter gnoseológico.

Examinado gnoseologicamente, o irracional é o que não se encontra dentro mas fora do conhecimento e, por conseguinte, não pode dizer-se simplesmente que o racional é o lógico e o irracional o alógico. Em primeiro lugar, nem tudo o que não pertence à esfera lógica é cognoscível.. De acordo com isto, convém distinguir três tipos de irracionalidade, cada um dos quais é o suficiente por si só para caraterizar “o irracional”: a) o irracional alógico, tal como se apresenta, por exemplo na mística, a qual vive, experimenta o seu objeto e conhece-o mesmo quando não de um modo lógico. b) o irracional trans-inteligível, isto é, o irracional no sentido do não cognoscível, do que transcende o conhecimento. Este tipo de irracionalidade ontológica é mais profundo que a irracionalidade lógica. c) O irracional como combinação do alógico e do trans-inteligível, do eminentemente irracional. Pode, portanto, como sucede na mística, haver irracionalismo do ponto de vista lógico e racionalismo do ponto de vista ontológico. Todavia, apesar da necessidade da distinção entre o irracional gnoseológico e o irracional ontológico, há um fundamento comum de todos os tipos de irracionalidade em virtude da implicação mútua dos elementos gnoseológicos e ontológicos no problema do conhecimento. Este fundamento comum encontra-se na noção do absolutamente trans-inteligível. O irracional existe ou, melhor dizendo, é comprovado pela não concordância absoluta das categorias do conhecimento com as categorias do ser. A concordância suporia a cognoscibilidade e racionalidade absolutas de a toda a realidade, cognoscibilidade que na maior parte das vezes, se apresenta apenas na esfera do objeto ideal. A não concordância equivale ao reconhecimento da existência do irracional ontológico, isto é, do transobjetivo trans-inteligível ou, se quiser, da pura e simples transcendência. [Ferrater]

Submitted on 26.06.2009 12:56
This entry has been seen individually 2940 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project