Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
10 user(s) are online (10 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 10

more...
Home Léxico Filosofia I imediato Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

imediato

Definition:
(gr. amesos; in. Immediate; fr. immédiat; al. Unmittelbar; it. Immediató).

Qualifica-se geralmente com este termo todo objeto que pode ser reconhecido ou proposto sem a ajuda de qualquer outro objeto: p. ex., uma ideia que pode ser percebida sem ajuda de outra ideia, um fato que pode ser constatado sem a ajuda de outros fatos, uma proposição que pode ser considerada verdadeira sem recorrer a outras proposições, etc. Assim, Aristóteles chamava de imediato a premissa "à qual nenhuma é anterior" (An. post., I, 2, 72 a 7), ou seja, a premissa cuja verdade é obtida sem recorrer à verdade de outras premissas. Em sentido análogo, Descartes afirmava entender por pensamento "tudo aquilo que está de tal forma em nós que nós o percebemos imediatamente em nós mesmos" (II Rép., def. 1), onde imediatamente lhe servia "para excluir as coisas que se seguem e provêm do nosso pensamento". Ainda analogamente Locke entendia por conhecimento intuitivo a percepção da concordância e da discordância entre as ideias por si mesmas e imediatamente, ou seja, sem ajuda de ideias intermediárias (Ensaio, IV, 2, 1).

Faz parte do conceito de imediação, assim entendido, a pretensão de que o imediato não precisa , de outra coisa para exigir o reconhecimento de Sua validade. Assim, para Descartes a imediação do pensamento constitui a própria validade da proposição Eu sou, e para Locke a imediação da relação entre as ideias torna esta relação mais segura do que a relação mediata, ou seja, demonstrativa (Ibid., IV, 2, 4). É, pois, supérfluo lembrar que as premissas imediatas de Aristóteles têm validade necessária como princípios primeiros da demonstração. Privilégio análogo geralmente é atribuído às formas de conhecimento imediato, como p. ex. a intuição. Kant atribuía à intuição o privilégio de ser "o imediato presença do objeto" (Prol., § 8), mas ao mesmo tempo negava que existisse uma intuição "não sensível", algo mais que uma modificação passiva, que uma afeição. Mas a filosofia moderna e contemporânea falou com frequência de intuição não sensível: basta lembrar, por um kdo, a intuição eidética de que fala Husserl e, por outro, a intuição simpática de que fala Bergson: a primeira tem por objeto as essências-, a segunda tem por objeto a consciência em sua duração. Ambas essas intuições são caracterizadas pelo caráter imediato: captam os respectivos objetos sem necessidade de intermediários.

Hegel, provavelmente o crítico mais radical do privilégio da imediação, denominou "filosofia do saber imediato" a filosofia da fé de Jacobi. Kant já se manifestara contrário a essa filosofia, recusando-se a admitir que a fé ou qualquer outra atividade sentimental ou imediato do homem pudesse ir além dos limites da razão, que são enfim os mesmos da experiência possível (Was heisst: Sich inDenken orientieren?, 1786). Mas a crítica de Kant é especialmente dirigida contra o fanatismo que ele vê implícito nessa posição, ao passo que a crítica de Hegel é dirigida contra a imediação. Para Hegel, a forma da imediação "dá ao universal a unilateralidade de uma abstração, de tal forma que Deus se torna a essência indeterminada, mas Deus só pode ser chamado de espírito na medida em que se sabe, mediando-se em si consigo mesmo. Só assim é concreto, vivo, espírito: a saber de Deus, como espírito, exatamente por isso contém em si a mediação" (Enc., § 74). Para Hegel, a mediação é o retorno da consciência sobre si mesma, a autoconsciência, que é a forma última e suprema da realidade e, por isso, identificada por Hegel com Deus. Negar a mediação significa, portanto, negar a superioridade da autoconsciência sobre a consciência. O imediato é a forma mais simples da consciência, é "o intuir abstrato", que é o intuir no qual aquilo que intui (a consciência) se considera diferente daquilo que é intuído (o objeto da consciência). Esta crítica, como se vê, é típica da filosofia hegeliana: faz parte integrante dela, mas não é utilizável fora dela. No mundo contemporâneo, em que o domínio do saber tende a ser coberto pelas várias disciplinas científicas, o imediato perdeu seus privilégios, mas por razões que nada têm a ver com as aduzidas por Hegel. O objeto de uma investigação científica nunca é imediato, pois sua validade só pode ser estabelecida com o auxílio de instrumentos ou procedimentos mais ou menos complicados, portanto de forma indireta e mediata. Até os objetos da visão, que tradicionalmente constituíam o modelo dos objetos imediato, perderam esse caráter para a psicologia contemporânea, que tende a evidenciar as complexas estruturas e os procedimentos mediatos da percepção. Contudo, muitos filósofos ainda privilegiam alguma forma de conhecimento imediato. E o que fez Russell, ao admitir como ponto de partida de todo conhecimento o conhecimento imediato (acquaintance), de cujos objetos "ficamos cientes diretamente, sem intermediários" (Human Knowledge, 1948, p. 196 e passim). Para Russell, qualquer conhecimento, em última análise, deve ser reintegrado nesses "dados egocêntricos". Ao mesmo tempo, Carnap considerou como elementos originários, que fazem parte da construção lógica dos objetos da ciência, as vivências elementares (Elementarerlebnisse Der Logische Aufbau der Welt, § 65]). Mas nesses pressupostos e em outros semelhantes, a filosofia da ciência afasta-se das análises e das conclusões da própria ciência. [Abbagnano]


O direto, sem intermediário. — Os "dados imediatos da consciência", que Bergson descreveu (a experiência interna da duração, do "eu profundo" etc.) contrapõem-se aos dados aos quais a ciência objetiva tenta reduzir a consciência. (Por ex., a física nos ensina que as diferentes cores reduzem-se a extensões de onda diferentes; para a ciência, uma onda determinada atinge nosso olho e desencadeia uma reação no cérebro; entretanto, para a consciência, percebo a cor azul, por ex. E não há nenhuma relação, nenhuma equivalência que nos permita passar do ponto de vista abstrato da ciência para o ponto de vista concreto da consciência imediata.) A filosofia reflexiva (Lachelier, Lagneau) opõe os dados imediatos da consciência às "ideias" que a reflexão daí retira: contrapõe assim a "descrição" de uma emoção particular à "reflexão" sobre seu sentido universal para todo homem. [Larousse]


Distingue-se às vezes entre o conhecimento imediato e o conhecimento mediato. O primeiro é um conhecimento direto, o segundo indireto.

O sentido de “conhecimento imediato” difere conforme se refira á esfera psicológica, à gnoseológica ou à lógica. Na esfera psicológica o conhecimento imediato é o que se dá pela apreensão direta dos dados. Estes podem ser externos ou internos, conforme se refiram ao mundo exterior ou ao próprio sujeito. Na esfera gnoseológica, o conhecimento imediato é o que se obtém quando se supõe que não há espécies intermédias ou intermediárias entre o objeto e o sujeito cognoscente. O objeto em questão pode ser sensível ou inteligível. Na esfera lógica o conhecimento imediato é o que se tem de certas proposições que se supõe que são evidentes por si mesmas (ou que se admitem como postulados), diferentemente do conhecimento mediato, obtido por intermédio do raciocínio ou da inferência.

Em geral, pode dizer-se que a ideia de conhecimento como conhecimento imediato foi destacada sobretudo por empiristas e por fenomenólogo.. Em ambos os casos o sentido de imediato é primariamente gnoseológico. O conceito de imediatez, todavia, tem um sentido gnoseológico-metafísico cujo emprego mais caraterístico encontramos na filosofia de Hegel.

O saber imediato não é, segundo Hegel, o saber primitivo e elementar; é um saber direto, que afeta “o imediato ou o ente”. Assim, pode-se falar da razão como saber imediato de Deus. Por isso a imediatez é, na opinião de Hegel “o produto e o resultado do saber mediato”, o qual aparece epistemologicamente como primário. Hegel relacionou o saber imediato com o Cogito cartesiano, proclamando que em ambos se mantém a não separação entre o pensar e o ser do pensar, mas indicou que enquanto Descartes procedia do saber imediato do cogito a outros saberes, no seu próprio sistema, a imediatez tem um caráter absoluto e é a inseparabilidade entre o pensar e o Absoluto. [Ferrater]

Submitted on 26.06.2010 16:26
This entry has been seen individually 3417 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project