Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
2 user(s) are online (2 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 2

more...
Home Léxico Filosofia F faculdade Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

faculdade

Definition:
A possibilidade física ou moral. — Segundo a psicologia clássica, podia-se distinguir três faculdades da alma: a sensibilidade ou poder de sentir; a inteligência. ou o poder de compreender; a atividade, ou o poder de agir (tendências, vontade e liberdade). Todas as lições de psicologia, em aulas de "filosofia", eram agrupadas em torno dessas três rubricas, às quais se acrescentou a afetividade, ou seja, faculdade dos sentimentos (amor, ódio), que se distingue da sensibilidade, ou faculdade das sensações (elementos da percepção). [Larousse]


Desde o momento em que se estabeleceram certas divisões da alma, propôs-se o que depois se chamou “doutrina das faculdades da alma”. Assim aconteceu com as divisões propostas por Platão, Aristóteles e pelos está. Platão distinguia entre a potência racional, a concupiscível e a irascível (mais ou menos equivalentes a razão, desejo e vontade). Aristóteles distinguiu em toda a alma duas partes fundamentais: a vegetativa e a intelectiva. Esta última compreendia a potência apetitiva e a contemplativa. Os estoicos distinguiram entre o princípio diretivo (hegemônico) de caráter racional, os sentidos, o princípio espermático e a linguagem. Santo Agostinho distinguia entre a memória, inteligência e vontade. Muitos escolásticos seguiram a classificação aristotélica; as faculdades ou potências podem ser, em geral, mecânicas, vegetativas, sensitivas e intelectuais (incluindo nestas a vontade), falou-se das potências ou faculdades de sentir, de compreender e de querer. No século dezoito ampliou-se a doutrina das faculdades até ao ponto de boa parte da estrutura das obras de Kant depender das divisões estabelecidas por tal doutrina. Pareceu fundamental a distinção entre compreensão e vontade (razão teórica e razão prática). No século dezanove foi-se abandonando a doutrina das faculdades da qual não se encontram vestígios na psicologia contemporânea. [Ferrater]


(gr. psyches eidos ou morion; lat. facultas; in. Faculty; fr. Faculte, al. Vermögen; it. Facoltà).

1. Entendem-se por esse nome os poderes da alma, ou seja, as espécies ou partes em que é possível classificar e dividir suas atividades ou princípios aos quais são atribuídas tais atividades. A distinção entre os poderes da alma, bem como a própria noção de um poder que se refere à alma, nascem da óbvia consideração da diferença entre as operações atribuídas à alma e do fato de que essas operações podem opor-se entre si. Com esse fundamento, Platão distinguiu três poderes, que ele chamava de espécies (eide), Rep., IV, 440 e) da alma: poder racional, graças ao qual a alma raciocina e domina os impulsos corpóreos; poder concupiscível ou irracional, que preside aos impulsos, aos desejos, às necessidades e concerne ao corpo; poder irascível, que é auxiliar do princípio racional e indigna-se e luta por aquilo que a razão julga justo (Rep., IV, 439-40). Já Aristóteles distinguiu: d) parte (morion) vegetativa, que é a potência nutritiva e reprodutiva própria dos seres vivos, a começar pelo homem; b) parte sensitiva, que compreende a sensibilidade e o movimento, e é própria do animal; c) parte intelectiva (dianoética), que é própria do homem. O princípio mais elevado pode fazer as vezes dos inferiores, mas não vice-versa. Assim, no homem a alma intelectiva também cumpre as funções que nos animais são realizadas pela alma sensitiva e nas plantas pela vegetativa (Dean., II, 2, 413 a 30 ss.). Por sua vez, o princípio dianoético ou alma intelectiva divide-se em duas partes que são, respectivamente, a parte apetitiva ou prática (a vontade) e a parte intelectiva ou contemplativa (o intelecto) (Ibid., III, X, 433 a 14; Et. Nic. VI, 1, 1139 a 3; Pol., 1133 a). Essa divisão seria aceita e difundida durante muitos séculos. Os estoicos, todavia, haviam proposto outra, consistente em quatro princípios: a) princípio diretivo ou hegemônico, que é a razão; b) sentidos; c) princípio seminal ou espermático; d) linguagem (Dióg. L., VII, 157; Sexto Empírico, Adv. math., IX, 102). Na filosofia medieval, a partição aristotélica, que acaba por prevalecer no fim da escolástica e é repetida por muitos pensadores (p. ex., Alberto Magno, Tomás de Aquino, Duns Scot, Ockham), entrelaça-se com o tipo de partição que fora inaugurado por S. Agostinho e que consiste em julgar que as partes da alma têm como modelo a Trindade divina. S. Agostinho distinguira, com efeito, três faculdades da alma: memória, inteligência e vontade, correspondentes às três pessoas da Trindade, definidas respectivamente como Ser, Verdade e Amor (De Trin., X, 18). Esta divisão e outras análogas encontram-se frequentemente na escolástica (é repetida, p. ex., por S. Anselmo, MonoL, 67). A partir de Descartes, a única divisão admitida foi a que Aristóteles considerara própria da alma intelectiva ou dianoética, entre vontade (apetição ou desejo) e intelecto propriamente dito, ou seja, a divisão fundada no uso prático e no uso teórico da razão. Para Descartes, a alma é apenas a alma "racional", já que as funções vegetativa e sensitiva não pertencem à alma racional nem a outra espécie de alma, porquanto são funções mecânicas, explicadas pelo mecanismo corpóreo (Discours, V). A divisão entre intelecto e vontade é enunciada por Descartes (Pass. de l'âme, I. 17) como entre as ações da alma, que compreendem todos os desejos, entre os quais Descartes inclui a vontade (Ibid., 18), e as paixões. que compreendem "todas as espécies de percepções ou formas de conhecimento". Essa divisão é elucidada pelo modo como Descartes a utiliza na sua teoria do erro. Este depende do concurso de duas causas, do intelecto e da vontade. Com o intelecto o homem não afirma nem nega nada, mas concebe tão-somente as ideias que pode afirmar ou negar. O ato de afirmar ou negar é próprio da vontade. Ora, a vontade é livre e como tal é muito mais ampla que o intelecto e pode, portanto, afirmar ou negar até o que o intelecto não consegue perceber clara e distintamente (Méd., IV; Princ. phil, I, 34). Com isso estabelecia-se a distinção entre intelecto e vontade, o que seria aceito até Kant. É bem verdade que Spinoza negou a existência de faculdades separadas na alma, aduzindo que elas "são fictícias, entidades metafísicas ou universais que formamos a partir das coisas particulares" (Et., II, 48). Mas isso significa que para ele "vontade e intelecto são a mesma coisa" (Ibid., 49, corol.), sendo a distinção pressuposta com fins polêmicos. O próprio Locke a reconhece quando, a propósito da ideia de força, afirma que a vontade e o intelecto são as duas forças que explicam as transformações que ocorrem no nosso espírito (Ensaio, II, 21, §§ 5-6). Leibniz diz que os dois princípios agentes na mônada são a percepção e a apetição (Monad., §§ 14-15). Wolff, por sua vez, reconhecia no conhecimento e na apetição as duas funções fundamentais do espírito humano e, com base nessa divisão, modelava a divisão da filosofia nos dois ramos fundamentais, filosofia teórica ou metafísica e filosofia prática (Log., Disc. Prael, §§ 60-62).

Kant, somando as análises dos empiristas ingleses, interpunha entre o intelecto e a vontade uma terceira faculdade, que chamava de "sentimento de prazer e desprazer". Com isso, as faculdades da alma elevaram-se a três (faculdade de conhecer, faculdade de sentir, faculdade de desejar) (Crít. do Juízo, Introd., IX), numa divisão que se tornaria clássica e frequentemente seria apoiada por um suposto testemunho da consciência (v. Emoção; Sentimento).

Entretanto, nenhuma dessas doutrinas implicava que as faculdades da alma fossem poderes distintos e independentes. Como já os antigos, tanto Descartes (Regulae, XII, 79) quanto Locke (Ensaio, II, 21, 6) e Leibniz (Nouv. ess., II, 21, 6) reconhecem explicitamente que a divisão das faculdades é uma abstração que não destrói a unidade da atividade mental. Assim, não representam grandes novidades a crítica de Herbart à doutrina das faculdades e a sua tese de que essas faculdades (intelecto, sentimento e vontade) são simples "conceitos de classe" mediante os quais se ordenam os fenômenos psíquicos (Einleitung in die Phil, § 159). A psicologia associacionista compartilhava esse ponto de vista, mas mantinha a mesma tripartição (p. ex., Bain, Mental and Moral Science, 1868, p. 2; Logic, II, 275), e o Neocriticismo da Escola de Marburgo (Cohen, Natorp) reconhecia só três ciências filosóficas (lógica, estética e ética), correspondentes às três atividades do espírito.

Foi só na psicologia e na filosofia contemporâneas, especialmente por influência do behaviorismo e da Gestalt, que a doutrina das partes da alma, qualquer que fosse o modo de entendê-la, perdeu importância, deixando de constituir tema de investigação e debates. Como objeto de indagações, de fato, o comportamento implica a prática e a fusão simultâneas de todos os princípios ou partes distintas ou distinguíveis da atividade da alma, da consciência ou do organismo, de tal modo que tais distinções deixam de ter interesse e fala-se de "comportamento racional" ou "comportamento emocional", num sentido em que essa distinção não tem mais razão de ser (v. behaviorismo; comportamento).

2. No significado mais geral, o mesmo que poder. [Abbagnano]

Submitted on 17.06.2010 13:50
This entry has been seen individually 2479 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project