Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
7 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 7

more...
Home Léxico Filosofia E entendimento Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

entendimento

Definition:
inteligência, faculdade de conhecimento. — Distingue-se do "juízo", que consiste em empregar os conhecimentos abstratos do entendimento nos casos particulares da vida. Os filósofos cartesianos opunham o "entendimento" (a faculdade de conhecer) à "vontade" (a faculdade de julgar e agir). Em Spinoza, o entendimento designa a faculdade de compreender a verdade e situa-se acima da "razão", que é o poder de discutir e argumentar; em Kant, ao contrário, o entendimento situa-se abaixo da "razão": é a faculdade de compreender as relações entre os objetos do mundo real, enquanto que a razão está identificada a nossas aspirações infinitas, ao sentimento moral do dever, entusiasmo, estado de excitação alegre que os filósofos gregos (principalmente Platão, no diálogo Ion) atribuem à posse divina (em gr. en-theos, estar em Deus), que ergue e "transporta" o espírito acima das preocupações humanas. Curiosamente, a Antiguidade considerava o ardor apaixonado que confere o entusiasmo por um estado favorável ao filósofo em sua busca da verdade, tanto quanto para o músico, para o guerreiro ou para o sacerdote.


O entendimento humano é a faculdade de pensar (pensamento), isto é, a faculdade de perceber, de modo intuitivo, o ser e as relações. Sendo assim, difere essencialmente da confusamente chamada inteligência animal, mesmo em suas mais elevadas operações instintivas. (instinto). — O entendimento baseia-se na natureza da alma humana considerada como ser espiritual (espírito, alma); todavia em sua peculiaridade de entendimento humano, está circunscrito, ao mesmo tempo, às condições particulares do espírito do homem, que é forma essencial configuradora de um corpo. Embora o entendimento nos seja dado, antes de mais nada, como entendimento humano, o entendimento em geral, por sua essência, não é a mesma coisa que entendimento humano. O entendimento em geral está associado ao conhecimento espiritual enquanto tal, sem diferença alguma, quer o conhecimento se realize de maneira ilimitada, como no espírito infinito de Deus, quer de maneira limitada, como no espírito criado ou mesmo ligado ao corpo. O objeto característico do conhecimento espiritual e do entendimento em geral é o ente enquanto tal (ser). Enquanto o entendimento do homem está unido ao corpo e ao conhecimento sensorial, dito objeto só lhe é dado na essência que brilha na coisa sensível (intelligibile in sensibili).

Sendo assim, a peculiaridade do entendimento humano caracteriza-se pelos seguintes binômios de conceitos opostos: Em primeiro lugar, ele é espiritual e orientado para o espiritual, e todavia está ligado a funções sensoriais e, portanto, à matéria. É espiritual, porque só uma faculdade, cujos atos não são imediatamente co-realizados por um princípio material, por conseguinte uma faculdade rigorosamente imaterial, pode dirigir-se a objetos espirituais e neles encontrar a perfeição de seu ser e sentido. Só uma faculdade espiritual pode apresentar em seu ser próprio o inintuitivo e o simples. A distinção de eu, não-eu e ato, e a pergunta, por tal meio possibilitada, acerca do valor lógico, ético e estético, dos atos e da existência própria, bem como o perfeito "con-sigo" (Bei-sich) da autoconsciência, pressupõem também um princípio espiritual do conhecimento. Por outro lado, é notória a ligação com o conhecimento sensorial: o entendimento humano deve extrair da experiência sensível quase todos os conceitos primitivos; não possui nenhuma intuição imediata das essências espirituais (formação do conceito, ontologismo). O entendimento mantém igualmente, no curso global do pensar, a vinculação às imagens sensíveis (a conversio ad phantasmata dos escolásticos). Pode erguer-se ao espiritual e ao supra-sensível, mas só pelo caminho da analogia. Com esta ligação ao conhecimento sensorial está conexo o caráter discursivo e abstrativo da atividade do conhecimento humano, de tal maneira que o entendimento em sentido estrito designa a faculdade de pensar discursiva e abstrativamente. Sobre a diferença entre entendimento e razão, "intellectus" e "ratio": VIDE razão.

A característica peculiar do entendimento humano manifesta-se, em segundo lugar, no contraste entre receptividade e espontaneidade. É clássica a distinção entre entendimento agente (atuante) e paciente ou passivo (que se torna atuado) na doutrina da abstração, tal como desde Aristóteles tem sido elaborada de diversas formas (formação do conceito). Além disso, a espontaneidade do espírito manifesta-se na direção da atenção, nos atos de tomada de posição próprios do juízo e no pensamento criador que supõe sempre a recepção de um conteúdo cognitivo.

Em terceiro lugar, a oposição de imanência e transcendência na atividade do entendimento é superada pela imagem cognoscitiva intelectual, pelo verbum menti» (conhecimento), imagem que, do ponto de vista ontológico, permanece toda no cognoscente, mas que, no entanto, por seu caráter de imagem, o leva, para além de si mesma, ao objeto. — Sobrepujando essencialmente as faculdades sensoriais, o entendimento, inclusive nas operações perfeitas do pensamento criador, permanece, segundo o exposto, unido, de maneira natural, ao conjunto do modo de conhecer sensitivo-intelectual e, ao mesmo tempo, ao todo da personalidade psicológica, incluindo a parte irracional desta. Pelo contrário, o culto de uma chamada intuição extra-intelectual do espiritual, com eliminação ou menosprezo do entendimento, é tão deformante ou mais do que o cultivo e valorização unilaterais do entendimento. — Willwoll. [Brugger]




Apesar de na antiguidade e na idade média se ter falado mais de intelecto do que de entendimento, vamos unificar sob este último termo todas as doutrinas referentes à realidade aludida por estes dois termos.

Depressa se distinguiu entre o entendimento como ordem do cosmos e o entendimento como uma faculdade pensante que, além disso, reflete ou pode refletir, a citada ordem cósmica. Aristóteles - do qual procede a maioria das concepções medievais - defende que como o entendimento é uma faculdade da alma humana não se pode identificar simplesmente com a alma. A alma tem várias faculdades, e o entendimento é uma delas. É “a parte da alma com a qual conhece e pensa” (Da Alma). Esta definição suscita vários problemas; o da função própria do entendimento e o da sua natureza última são dois dos mais importantes.

No que diz respeito ao primeiro problema, pode perguntar-se se o entendimento é principalmente intuitivo ou principalmente discursivo. Aristóteles parece destacar o primeiro aspecto. Em todo o caso, este aspecto foi o que maior influência teve entre os seguidores de Aristóteles.. Sublinhou-se, com efeito, que o entendimento é capaz de compreender os princípios da demonstração e os fins últimos da acção; concebeu-se então como um hábito que não procede nem da ciência nem da arte, mas sem o qual não haveria nem ciência nem arte. Portanto, não é propriamente o saber mas antes uma sabedoria.

No que se refere ao segundo problema, pode perguntar-se se o entendimento, enquanto faculdade da alma, é realmente distinto de outras faculdades (a sensível, a imaginativa, etc) ou se há, por assim dizer, uma continuidade entre todas as faculdades. Umas vezes, Aristóteles parece falar do entendimento como de uma faculdade separada e, outras vezes, em contrapartida, opõe-se rigorosamente ao dualismo platônico e manifesta-se hostil a toda a separação; ao fim e ao cabo, a conhecida definição aristotélica da alma faz dela una com o corpo. Pode falar-se, pois, de um Aristóteles intelectualista e por vezes platonizante e de um Aristóteles fundamentalmente naturalista e funcionalista. Digamos, rapidamente, que Aristóteles considera que , na sensação há “algo de conhecimento”, de modo que pode dizer-se que a apreensão sensível tem algo intelectual. Contudo, a notícia dada pela faculdade sensível não é, todavia, conhecimento propriamente dito. Este surge unicamente quando há, como acontece na alma humana, nãofaculdade sensível, nem tão- pouco apenas imaginação e memória, mas também precisamente entendimento. Enquanto a faculdade sensível tem a capacidade de apreender os “aspectos sensíveis” das coisas, o entendimento tem a capacidade de apreender “os aspectos inteligíveis”. Ambos os aspectos têm de ser atualizados por serem apreendidos. Mas enquanto a atualização dos aspectos sensíveis é uma causa ou movimento, parece difícil admitir que haja uma causa ou movimento que atualize “os aspectos inteligíveis”. Daí que se chame a este entendimento passivo e se reclame a existência de outro a que posteriormente se chamou ativo ou agente, ao qual se refere Aristóteles quando diz que, por meio dele, a capacidade de apreensão dos aspectos inteligíveis se atualiza ou chega a ser efetiva. A tradição aristotélica discutiu profusamente se o entendimento agente estava ou não separado do composto humano ou se era imanente ao mesmo e próprio de cada homem. S. Tomás afirmou que o entendimento ativo se encontra na alma como uma virtude capaz de tornar inteligível aquilo que o sensível tem de inteligível. Deste modo sublinhava o imanentismo contra o transcendentalismo e o separatismo de Averróis. Para este nãodiferença entre o entendimento ativo e o passivo; ambos formam um só. Por conseguinte, os homens não pensam; o entendimento é a única coisa que neles pensa. Havendo um só entendimento transcendente às almas, estas não podem ser imortais: só o entendimento único é imortal. Daí a oposição de S. Tomás e mais autores ao averroismo (v. Averroes).

Apesar de se poder dizer que a questão formulada nestes termos deixou de existir, é inegável que perdurou na filosofia moderna, apesar de reformulada de outro modo. Aproxima-se mais do sentido moderno ao colocá-la nesta pergunta: “como é possível o conhecimento - enquanto ciência - em sujeitos que, pela sua estrutura psicológica e psicofisiológica, parecem poder apreender unicamente dados dos sentidos e não dados inteligíveis, universais, etc?” Neste sentido, muitos filósofos modernos se ocuparam do problema. Pode mesmo estudar-se a teoria do conhecimento de Kant como uma resposta à questão da natureza e função de uma espécie de entendimento ativo: constituído pelos conceitos do entendimento. Seja como for, é forçoso dar algumas indicações sobre o termo entendimento na filosofia moderna. É comum, nesta filosofia, o uso do termo entendimento para designar toda a faculdade intelectual, embora organizada em diversos graus. Em alguns casos, como em Espinosa, o entendimento equivale à “faculdade de conhecimento” nos seus diversos graus. Os modos como pode exercitar-se o entendimento ou “modos de percepção” são, ao mesmo tempo, “modos do entendimento”. Esses modos são quatro: 1) segundo o que se diz, ou segundo qualquer signo escolhido arbitrariamente; 2) por experiência vaga; 3) por apreensão da essência de uma coisa concluída de outra essência, mas não adequadamente, e 4) por percepção apenas da essência da coisa ou conhecimento da causa próxima. Esta ideia do entendimento como potência cognoscitiva completa encontra-se noutros autores modernos, por exemplo em Locke. Para este, os objetos do entendimento são as ideias, tanto as de sensação como as de reflexão. Isso mostra que, em Locke, o entendimento compreende, no seu primeiro grau, aquilo a que, por vezes, se chama sensibilidade.

Leibniz distingue entre sensibilidade e entendimento e afirma que esta diferença não é essencial mas gradual. Com efeito, conhecer equivale a ter representações, as quais podem ser menos claras (sensibilidade) ou mais claras (entendimento propriamente dito). A sensibilidade está subordinada ao entendimento, no qual as representações alcançam o grau desejável de clareza e distinção. Kant opõe-se à ideia Leibniziana de que a sensibilidade é uma forma inferior do entendimento e proclama uma distinção fundamental entre ambas. A sensibilidade é uma faculdade de intuição. Mediante a faculdade sensível, agrupam-se os fenômenos segundo as ordens transcendentais do espaço e do tempo. A sensibilidade é a faculdade das intuições a priori. O entendimento, em contrapartida, é uma “faculdade das regras”. Mediante ela, pensa-se sinteticamente a diversidade da experiência. A sensibilidade ocupa-se de intuições; o entendimento de conceitos. Estes são cegos sem as intuições, mas as intuições sem os conceitos são vazias. “O entendimento não pode intuir nada; os sentidos não podem pensar nada” (Crítica da Razão Pura). Em suma, o entendimento pensa o objeto da intuição sensível, de tal modo que a faculdade do entendimento e a da sensibilidade não podem “trocar as suas funções”: só quando se unem se obtém conhecimento. Pode definir-se o entendimento de modos muito diversos; como espontaneidade (ao contrário da passividade da sensibilidade), como poder de pensar, como faculdade de conceitos, como faculdade de juízos. Segundo Kant, todas estas definições são idênticas, pois equivalem à citada “faculdade das regras” (ibid., A 126). Mas com isso resulta que o entendimento não é propriamente uma faculdade mas uma função ou conjunto de operações que visam produzir sínteses e, assim, a torna possível o conhecimento em formas cada vez mais rigorosas. Portanto o entendimento põe em relação as intuições e leva a cabo as sínteses sem as quais não pode haver enunciados necessários e universais. Ao mesmo tempo que estrutura positivamente o conhecimento (ou, melhor, a sua possibilidade), o entendimento estrutura-o negativamente, pois estabelece os limites para além dos quais não se pode ir. Estes limites estão marcados pela fronteira que divide o entendimento e a razão. Esta não pode constituir o conhecimento; em suma, pode estabelecer certas e certas diretrizes de caráter muito geral. Ora, a distinção kantiana foi aceite por diversos autores como Fichte, Schelling e Hegel, mas, ao mesmo tempo, foi voltada do avesso. Considerou-se que o entendimento era uma faculdade inferior que não se pode comparar em poder e majestade com a razão, e considerou-se que esta última, mediante a “intuição intelectual”, podia penetrar naquele reino que Kant tinha colocado fora dos limites do conhecimento teórico. Não se tratava, como Kant postulara, de afirmar a possibilidade de um contato com “a realidade em si” por meio da razão prática; era a razão teórica e especulativa que o apreendia “em si”.

Em vez de subordinar o entendimento à razão de um modo romântico, Hegel procurou integrá-lo e hierarquizá-los de um modo sistemático. Concebeu o entendimento como razão abstrata, ao contrário da razão concreta, única que se pode chamar verdadeiramente razão. Enquanto o entendimento é a própria razão identificadora e que habita o concreto ou que, em suma, quer assimilar as diferenças do concreto, a razão é a absorção do concreto pelo racional, identificação última do racional com o real para além da simples identificação abstrata. A questão é, na verdade, o espírito, o qual deve ser considerado como algo superior à pura razão raciocinante. [Ferrater]

Submitted on 21.06.2009 14:22
This entry has been seen individually 1991 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project