Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
11 user(s) are online (11 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 11

more...
Home Léxico Filosofia E ente Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

ente

Definition:
(in. Being; fr. Être; al. Seientes; it. Ente).

O que é, em qualquer dos significados existenciais de ser. Às vezes, mas raramente, essa palavra é usada para designar somente Deus: é o que faz Gioberti, em sua fórmula ideal: "o ente cria o existente" (Introduzione alio studio della fil., II, p. 183): onde "ente" equivale a Deus, como ser necessário, e "existente" equivale às coisas criadas. Habitualmente essa palavra é usada em sentido mais geral. Diz Heidegger: "Chamamos de ente muitas coisas, em sentidos diferentes. ente é tudo aquilo de que falamos, aquilo a que, de um modo ou de outro, nos referimos; ente é também o que e como nós mesmos somos" (Sein und Zeit, § 2). Mas nesse sentido generalíssimo prefere-se hoje a palavra entidade. [Abbagnano]


ente possível e atual
ente e suas divisões

Heidegger insistiu em que deve distinguir-se entre o ente e o ser, entre o verbo e o particípio do verbo. Do ponto de vista linguístico, há que ter em conta que os significados de ente e ser dependem, em grande parte, do modo como estes termos se introduzem, por exemplo, não é a mesma coisa dizer o ente que dizer “um ente”; não é a mesma coisa usar ser como cópula num juízo que dizer “o ser”. devido a estas e outras dificuldades, argumentou-se por vezes que a distinção entre ente e ser, pelo menos dentro da chamada “ontologia clássica”, é pouco menos que artificial, ou em todo o caso, insignificante. Alguns autores, contudo, insistem em que perguntar pelo ente e perguntar pelo ser não é a mesma coisa; o ente é “aquilo que é”, enquanto o ser é o fato de que qualquer ente dado seja. Especialmente desde o século treze, discutiu-se o que é o ente como “aquilo que é” ou “o ser que é”. À pergunta - o que é o ser? - respondeu-se que “o ente é aquilo que o intelecto concebe em primeiro lugar” (S. Tomás, SOBRE A VERDADE).

Nada se pode dizer do que é a não ser que o dizer se encontre já situado dentro da primeira e prévia apreensão do ente. O ente é aquilo que é. S. Tomás fala também do ser, mas para o definir em termos de ente, “o ser diz-se do ato do ente enquanto é ente”e estuda o ser como ser com a sua essência, como “aquilo que é” (enquanto é). O ente é o mais comum enquanto sujeito de apreensão. Ao mesmo tempo, é algo que transcende tudo o que é. Não pode definir-se por nenhum modo especial de ser - por nenhum ser “tal ou qual” - e por isso é um transcendental. Disse-se que, além de ser um transcendental, o ente é um super-transcendental; como transcendental, é o que é enquanto relativo ao real e, como super-transcendental, é o que é enquanto relativo não só ao ente real mas também ao ente de razão. Os escolásticos trataram em pormenor os problemas levantados por esta exposição. Por um lado, e se a noção de ente é comuníssima, o ente é tudo o que é como tal. Por outro lado, se ente é o real na sua realidade, o ente pode ser aquilo que sustém ontologicamente todos os entes. Finalmente, se o ente é tudo o que é ou pode ser, dever-se-á precisar de que modos distintos se diz de algo que é ente. Por exemplo, pode dividir-se o ente em ente real e de razão, em ente potencial e ente atual, e este último em essência e existência. Pode também estudar-se de que modo se pode falar do ente, análoga, unívoca, equivocadamente. A doutrina escolástica do ente culmina possivelmente em Suárez. Nas suas DISPUTAS METAS, Suárez estuda o ente não só como “aquilo que é”, mas também como a condição, ou condições, que tornam possível (e inteligível) qualquer ser. Disse-se, por isso, que a doutrina do ente desembocou num puro formalismo, enquanto o ente se definia como tudo aquilo a que não repugna a existência. Se isto acontece, o ente é então a mera possibilidade lógica. Como se disse no começo do artigo, Heidegger manifestou com particular ênfase que a questão do ser e a do ente não são iguais. A determinação do ente não é aplicável ao ser (O SER E O TEMPO). O ser é anterior aos entes. O que seja esse ser e como pode conseguir-se um acesso a ele é a grande questão de Heidegger se propôs deslindar. Só uma análise do homem enquanto é o ente que pergunta pelo ser pode abrir o caminho par a uma compreensão do sentido do ser. A clássica pergunta pelo ente ocultou a pergunta mais originária pelo ser. [Ferrater]




O conceito de ente (sistência prefixavel) é fruto de uma total abstração. É um conceito universal e para os escolásticos o mais universal dos conceitos.

Tomás de Aquino define: "Ente é o que tem essência real". A essência do ente, já vimos, é o ser (a sistência aqui).

Se afirmamos que ente (opinião dos escolásticos) é o que é apto a existir realmente, nesse caso é o que tem res (em latim, coisa). Seria, então, o que tem existência efetiva (perseitas). [MFS]

Submitted on 05.03.2010 01:25
This entry has been seen individually 6290 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project