Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia C conversão Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

conversão

Definition:
Dos muitos sentidos em que se usa a noção de conversão, em filosofia, vamos destacar especialmente dois: o lógico e o metafísico.

1: Na lógica clássica, a conversão é um modo de inversão de proposições, de tal maneira que, sem alterar a verdade de uma proposição dada “s é p”, possa colocar-se s em lugar de p ou p no lugar de s. admitiram-se a este respeito três modos principais de conversão. a: a conversão simples, na qual sujeito e predicado conservam a quantidade ou a extensão; b: a conversão por acidente, na qual se conserva apenas a extensão; c: a conversão por contraposição, na qual sujeito e predicado se convertem por meio das anteposições da negativa a cada um dos termos invertidos. Os lógicos estabeleceram várias regras para a conversão, baseadas na conversão de um termo, enquanto sujeito, com a mesma extensão que esse termo tinha como predicado. Quando não se cumpre esta condição, surgem sofismas. Assim, por exemplo, é admissível a conversão de “nenhum animal é racional” em “nenhum ser racional é animal”, mas não o é a conversão de “todos os homens bondosos falam com franqueza” em “todos os que falam com franqueza são bondosos”.

2: em sentido metafísico, pode entender-se a noção de conversão como contraposta à noção de processo; é o sentido mais corrente entre os neoplatônicos, e, particularmente, em Plotino. Segundo Plotino, o Uno não é o único, porque funda precisamente a diversidade, aquilo que dele emana como podem emanar do real a sombra e o reflexo, os seres cuja forma de existência não é eterna permanência no alto, recolhendo no seu ser toda a existência, mas a queda, distensão da primitiva, perfeita e originária tensão da realidade suma. Pois o Sumo vive, por assim dizer, em absoluta e completa tensão, recolhendo com ele a restante realidade. O duplo movimento de processão e conversão, de desenvolvimento, é a consequência dessa posição de toda a realidade a partir do momento em que se apresenta a Unidade suprema e, no pólo oposto, o Nada: a perfeição gera, pela sua própria natureza, o semelhante, a cópia e o reflexo, que subsistem graças ao fato de estarem contemplativamente voltados para o seu modelo originário. Noutro sentido, usa-se em metafísica a noção de conversão ao referir-se à convertibilidade mútua dos transcendentes. [Ferrater]


(lat. Convenio; in. Conversion; fr. Conversion; al. Umkebrueng; it. Conversioné).

Em Aristóteles (An. pr., 1,1, 2) e nos tratados posteriores de Lógica clássica (aristotélica), é a operação com a qual de um enunciado se extrai outro (considerado equivalente, o que é muito problemático), mediante a troca das respectivas posições dos termos (sujeito e predicado). Naturalmente, nem sempre isso é possível, e às vezes só pode ser feito com a introdução de uma mudança no quantificador ("tudo" e "alguns"). Mais precisamente: a proposição universal afirmativa (p. ex., "todos os homens são mortais") converte-se, per accidens, em proposição particular afirmativa ("alguns mortais são homens"); a particular afirmativa e a universal negativa convertem-se simpliciter, ou seja, mediante troca simples de termos; a particular negativa não pode ser convertida. [Abbagnano]

Submitted on 14.05.2009 21:00
This entry has been seen individually 1363 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project