Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia C contradição Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

contradição

Definition:
Esta noção é estudada tradicionalmente sob a forma de um princípio: o chamado princípio de contradição (e que, mais propriamente, deveria qualificar-se de princípio de não contradição). Muitas vezes esse princípio é considerado como um princípio ontológico, e enuncia-se então do seguinte modo: “é impossível que uma coisa seja e não seja ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto? outras vezes, é considerado como um princípio lógico (num sentido amplo deste termo), e enuncia-se então do seguinte modo:”não ao mesmo tempo p e não p”, donde p é símbolo de um enunciado declarativo.

Alguns autores sugeriram que há também um sentido psicológico do princípio, o qual se enunciaria assim: “não é possível pensar ao mesmo tempo p e não p” (se o conteúdo do pensar for lógico). ou assim: “não é possível pensar que uma coisa seja e não seja ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto”(se o conteúdo do pensar for ontológico). Nós consideramos que deve eliminar-se o sentido psicológico; a impossibilidade de pensar algo é um fato e não um princípio. Teria mais justificação considerar o princípio do ponto de vista epistemológico, enquanto lei mental, subjectiva ou transcendental que confirmasse todos os nossos juízos sobre a experiência, mas pensamos que isso equivaleria a introduzir supostos que não são necessários numa análise primária no significado e no sentido fundamental do princípio. Notamos que a expressão “ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto”, mencionada quando nos referimos ao sentido ontológico do termo, é absolutamente necessária para que o princípio seja válido; se ausência de semelhante restrição abre o flanco a objecções fáceis contra o mesmo.

As discussões em torno do princípio de contradição diferiram consoante se tenha acentuado o aspecto ontológico (e principalmente metafísico) e o aspecto lógico e metalógico.

Quando predominou o lado ontológico, procurou-se sobretudo afirmar o princípio como expressão de uma estrutura constitutiva do real, ou então negá-lo por se supor que a própria realidade e é contraditória ou que, no processo dialéctico da sua evolução, a realidade supera, transcende ou “vai mais além” do princípio de contradição. Típica a este respeito é a posição de Hegel ao fazer da contradição uma das bases do movimento interno da realidade, mesmo quando deve ter-se em conta que, na maior parte dos casos, os exemplos dados pelo filósofo não se referem a realidades contraditórias, mas contrárias. Quando predominou o lado lógico e metalógico, em contrapartida, procurou-se sobretudo saber se o princípio deve ser considerado como um axioma evidente por si mesmo ou então como uma convenção da nossa linguagem que nos permite falar acerca da realidade.

Apoiando-se, por um lado, em Hegel e, por outro, no exame da realidade social e histórica, (e na ação a desenvolver nessa realidade), Marx propôs uma dialéctica na qual o princípio ou lei de contradição ficava desbancado. Mais sistematicamente, Engels formulou duas das três “grandes leis dialécticas”. “a lei da negação da negação” e a “lei da coincidência dos opostos”. [Ferrater]




O princípio de contradição, ou, mais exatamente, o princípio de não-contradição, é considerado com razão pela escolástica clássica como o princípio primeiro (princípios do conhecimento), ou seja, como o princípio universal, cuja inteleção se reveste de importância básica em todas as operações mentais. Menos afortunadamente, pretenderam alguns filósofos modernos colocar em primeiro lugar, em vez do princípio de contradição, o chamado princípio de identidade Se este princípio não é mera tautologia ("o que é, é"; A = A) ou uma outra forma do princípio de contradição, seu sentido fica indeterminado e nem todos o explicam da mesma maneira. Aristóteles assim formulou o princípio de contradição: "E impossível que o mesmo (o mesmo determinante) convenha e não convenha ao mesmo ente ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto" (Metafísica, 4, 3; 1005 b 19 s.). Este princípio baseia-se no conceito do ser e na incompatibilidade do ser com o não ser; do ente (isto é, de alguma coisa que possui o ser), diz ele que enquanto (= no tempo em que e sob o aspecto em que) é, não pode deixar de ser. — Do exposto se infere que o princípio de contradição enuncia, antes de mais nada, alguma coisa acerca do ente; pertence, pois, em primeiro lugar, à ontologia, e não à lógica. O princípio lógico de contradição fundamenta-se no ontológico. Exprime que duas proposições mutuamente contraditórias não podem ser verdadeiras; que, por conseguinte, nunca se pode afirmar e negar simultaneamente a mesma coisa. A manutenção deste princípio é a condição primeira de todo pensamento ordenado. VIDE oposição. — De Vries. [Brugger]

Submitted on 19.10.2008 20:14
This entry has been seen individually 3987 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project