Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
13 user(s) are online (13 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 13

more...
Home Léxico Filosofia S sensível Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

sensível

Definition:
gr. aistheton: posição contrastada na epistemologia platônica e aristotélica, aistheton, gnorimon 4; objeto de opinião e não verdadeiro conhecimento, doxa 1-2; substâncias sensíveis, ousia 3 [FEPeters]


(gr. aisthetos; lat. sensibilis; in. Sensible; fr. Sensible; al. Sensibel; it. Sensibilé).

1. Aquilo que pode ser percebido pelos sentidos. Nesta acepção, "o sensível" é objeto do conhecimento sensível, assim como o "inteligível" é objeto do conhecimento intelectivo (Aristóteles, Dean., II, 6, 418 a 7; Kant, Crítica da Razão Pura, Anal. dos princ, cap. III, Nota). Aristóteles distinguiu os sensíveis próprios e os sensíveis comuns (v. senso comum), e o sensível acidental do sensível por si, na medida em que o primeiro é percebido acidentalmente, como acontece quando se percebe o branco ao se perceber que uma pessoa é branca (De An., II, 6, 418 a 16).

2. Aquilo que tem a capacidade de sentir. Nesta acepção, os animais são chamados de "seres sensível", ou diz-se que "x é particularmente sensível a algo". Em inglês, é chamado de sensível (sensible) quem possui bom senso ou, em geral, é capaz de julgar corretamente.

3. Quem tem capacidade de compartilhar as emoções alheias ou de simpatizar (v. simpatia). [Abbagnano]


Tem-se oposto, tradicionalmente, o sensível ao inteligível. Esta contraposição tem sido descrita de maneiras muito diferentes: o mundo das coisas e o das ideias, objeto respectivamente da opinião e do saber (Platão); o objeto da percepção ou o objeto dos sentidos e o objeto da apreensão inteligível ou objeto da inteligência (Aristóteles); o mundo físico e o mundo metafísico; o conhecimento sensível e o conhecimento intelectual; etc: Estas diversas espécies de contraposição entre o sensível e o inteligível podem agrupar-se em duas principais: a concepção metafísica, segundo a qual o sensível e o inteligível são dois mundos ou dois modos de ser, e a concepção gnoseológica, segundo a qual se trata de duas formas de conhecimento.. Em muito autores a contraposição de referência é tanto metafísica como gnoseológica, mas tem-se manifestado com frequência a tendência para sublinhar o aspecto metafísico e para subordinar a ele o aspecto gnoseológico. Alguns filósofos (como Kant), no entanto, indicaram que não há que falar de dois mundos, mas apenas de duas formas de conhecimento. Aristóteles compreende o sensível, diferentemente do intelectual, ou inteligível, como um modo de compreender, embora este modo de compreender tenha os seus objetos, que são os chamados sensíveis.

A doutrina aristotélica dos sensíveis é importante não só pela influência que tem exercido sobre muito filósofos, mas também pelas diferenças introduzidas nos sensíveis e na correspondente terminologia. Segundo Aristóteles, os sensíveis (ou “objetos dos sentidos ou do sentir”) podem dividir-se em três espécies: duas diretamente perceptíveis e uma perceptível incidentalmente... Os sensíveis diretamente perceptíveis podem ser perceptíveis por um só sentido ou perceptíveis por todo e qualquer sentido. Os sensíveis perceptíveis por um só sentido são sensíveis como os que podem chamar-se “sensíveis visuais” (perceptíveis pela vista). Os sensíveis perceptíveis por todos e quaisquer sentidos são sensíveis como os que são chamados “sensíveis comuns” (como

o tamanho, que pode apreender-se simultaneamente pela vista e pelo tato). Os sensíveis indiretamente perceptíveis ou sensíveis incidentais são “sensíveis” como uma substância individual (assim, diz Aristóteles, o objeto branco que vemos é filho de Diares; o ser filho de Diares é incidental - ou incidental - à cor branca diretamente perceptível). Apenas os objetos do sentir que são diretos e não incidentais, afirma Aristóteles, podem considerar- se como os sensíveis em sentido restrito.

A terminologia usada por Aristóteles foi adotada e traduzida por S. Tomás e outros escolásticos.

Fala-se também de sensível para se referir às qualidades sensíveis: estas têm sido com frequência concebidas como qualidades secundárias, também chamadas qualidades secundárias da sensação. Referimo-nos a elas no artigo sobre a qualidade. [Ferrater]

Submitted on 17.05.2011 20:23
This entry has been seen individually 2882 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project