Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (9 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia T tese Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

tese

Definition:
afirmação teórica. — Uma tese apresenta-se em geral como uma verdade parcial, cujo contrário é também verdadeiro ("antítese" ): a verdade se destaca então através de uma "síntese" das duas afirmações; tal é o movimento "dialético" de qualquer pensamento que se forma e desenvolve. (Do ponto de vista dos títulos universitários, uma tese é uma obra feita com objetivo de obter-se o grau de doutor; na França, distingue-se, em letras e em ciências, o doutorado de universidade (nível da licença) e o doutorado de Estado, que requer uma tese principal e uma tese complementar, e que é o único a permitir que se lecione em faculdade.) (V. dialética.) [Larousse]


Tese significava literalmente, em grego, ação de pôr. O que se punha podia ser qualquer coisa: uma pedra num edifício, um verso num poema. A tese era também a ação de estabelecer ou constituir (leis, impostos, prêmios). Em sentido mais especial, era a ação de estabelecer “pôr” uma doutrina, um princípio, uma proposição Neste sentido é válida a tradução, ainda hoje válida de tese por afirmação. Tal sentido já se encontra em Platão... Aristóteles entendeu o termo num sentido mais especial, ao conceber a tese como um princípio imediato do silogismo que serve de base para a demonstração. A tese parece estar no mesmo plano que o axioma. No entanto, a tese não é um princípio evidente e indemonstrável; segundo Aristóteles é “um juízo contrário á opinião corrente dado por um filósofo importante”. Por exemplo, a afirmação ou tese de Heráclito: “tudo flui”. A tese não é indispensável para aprender algo, mas o axioma o é. De acordo com Aristóteles, toda a tese é um problema, mas nem todo o problema é uma tese, pois há problemas acerca dos quais não possuímos nenhuma opinião em nenhum sentido. As teses podem ser de duas espécies: definições na medida em que aclarações semânticas de um termo, e definições em que posições ou afirmações da existência de uma realidade. Neste último caso chamam-se antes hipóteses. Neste sentido, mas dentro de outra craveira intelectual, usou-se o termo tese no idealismo alemão, especialmente em Kant e Hegel. No artigo Antinomia viu-se a função que a tese exerce na dialéctica transcendental de Kant. Para Hegel a tese representa a afirmação (e posição ) de um conceito (ou de uma entidade) que é negado pela antítese. A negação da antítese ou negação da negação da tese dá lugar à síntese. Este processo é caraterístico da dialéctica, a qual se aplica simultaneamente ao mundo ideal e ao real em virtude da correlação que existe entre ambas as esferas. Suprimida a base idealista, Marx afirma o mesmo processo na sua teoria dialéctica da História e Hegel na sua teoria dialéctica da natureza. Nestas últimas doutrinas, especialmente a de Hegel e diferentemente do que acontecia em Kant, considera-se que a tese é um erro necessário e um momento indispensável no desenvolvimento da verdade completa que reside na totalidade. [Ferrater]


(gr. thesis; in. Thesis; fr. Thèse; al. These; it. Tesi).

Este termo deriva dos textos lógicos de Aristóteles, nos quais se encontra com dois significados principais:

1) para designar o que o interlocutor põe no início de uma dissertação como assunção sua (Top., II, 1, 109 a 9);

2) para designar uma proposição assumida como princípio (An. post., I, 2, 72 a 14).

Esses dois significados conservaram-se na tradição filosófica. O primeiro encontra-se já em Platão (República, I, 335 a), e, segundo tradição relatada por Diógenes Laércio, Protágoras teria sido o primeiro a mostrar como apoiar uma tese em argumentos (Diógenes Laércio, IX, 53). Na terminologia dos lógicos medievais e dos matemáticos prevaleceu esse significado: a tese designa uma proposição que se pretende demonstrar.

Com Kant, esse termo adquiriu novo valor filosófico: nas antinomias da razão pura tese é o enunciado afirmativo da antinomia.

Na dialética pós-kantiana, o momento da tese é o elemento positivo ou de posição, portanto inicial, do processo ou do desenvolvimento dialético (v. Dialética, 4). [Abbagnano]

Submitted on 08.12.2009 11:29
This entry has been seen individually 5711 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project