Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
10 user(s) are online (10 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 10

more...
Home Léxico Filosofia D diferença Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

diferença

Definition:
O diferente é a característica do individual. As coisas individuais são distinguidas porque diferem, pois se tudo fosse homogeneamente igual não haveria o conhecimento dos corpos. Ora, o semelhante não é uma categoria do idêntico. Pois dizemos que alguma coisa é idêntica, quando é absolutamente igual a si mesma.

Analisemos este ponto de magna importância e interesse para a compreensão de futuros temas a serem examinados. No início, dissemos: "em face de uma série definida de fatos semelhantes que nos parecem idênticos (pois na realidade não há fatos idênticos), damos-lhe uma denominação comum; eis o conceito". Não podemos prosseguir na análise deste ponto, em que estudemos o que é idêntico e o que é identidade. Dizem alguns filósofos que dois fatos são idênticos, quando não há entre eles nenhuma diferença.

Alegam outros filósofos que não podemos compreender, que é impensável a diferença pura. Há, assim, uma antinomia fundamental entre o diferente e o idêntico. (Antinomia, no sentido clássico, é a oposição entre dois termos que parecem verdadeiros). Desprezamos, aqui, outras acepções dadas ao termo idêntico, preferindo, por ora apenas a que demos acima. MFSDIC


Aristóteles distinguiu entre diferença e alteridade. A diferença entre duas coisas implica determinação daquilo em que diferem. Assim, por exemplo, entre uma bola branca e uma bola preta há diferença, que se determina, neste caso, pela cor. A alteridade não implica, em contrapartida, uma determinação; assim, um cão é um ser diferente de um gato. Contudo, a diferença não é incompatível com a alteridade, e vice-versa. Assim, a terra é diferente do sol, porquanto diferem em que, sendo ambos corpos celestes, um não tem luz própria e o outro tem. Mas, ao mesmo tempo, a terra é uma coisa diferente do sol e o sol uma coisa diferente da terra (METAFÍSICA). A noção de diferença desempenhou um papel importante em metafísica, em lógica e nas duas disciplinas ao mesmo tempo. Do ponto de vista metafísico, tratou-se o problema da diferença em estreita relação com o problema da divisão como divisão real. A diferença opõe-se à unidade, mas não se pode entender sem certa unidade, e isto num duplo sentido: a unidade numérica das coisas distintas e a unidade do gênero de que são diferentes as coisas distintas. A diferença, tal como a alteridade - pode considerar-se como um dos “gêneros do ser” ou uma das categorias. Assim acontece em Platão, ao introduzira alteridade como gênero supremo, e em Plotino, ao introduzir como gênero supremo a diferença - neste caso equivale a “o outro”. Do ponto de vista lógico, a noção de diferença usou-se ao formular-se de um modo mais geral de estabelecer uma definição: uma das condições de qualquer definição clássica satisfatória é a chamada “diferença específica”. Ao mesmo tempo metafísica e logicamente, a noção de diferença foi considerada como um dos predicáveis. A maioria dos escolásticos aceitou uma classificação de tipos de diferença: a diferença comum, que separa acidentalmente uma coisa de outra (por exemplo, o homem de pé de um homem sentado); a diferença própria, embora separe também acidentalmente uma coisa de outra o faz por meio de uma propriedade inseparável da coisa (por exemplo, um corvo, que é negro, distingue-se de um cisne, que é branco); diferença maximamente próxima, que distingue essencialmente uma coisa, pois a diferença se funda numa propriedade essencial ou supostamente essencial (por exemplo racional é considerada a diferença do homem). Alguns escolásticos distinguiram entre diferença e diversidade; assim, S. Tomás, quando afirmou (SUMA CONTRA OS GENTIOS), seguindo Aristóteles, que o diferente se diz relacionalmente, pois tudo o que é diferente o é em virtude de algo; o que é diverso, em contrapartida, é-o pelo fato de não ser o mesmo que outra coisa dada. Examinou-se o problema da diferença muitas vezes à base de uma análise do sentido de diferir. Duas coisas, diz Ocam, podem diferir específica ou necessariamente. Duas coisas diferem numericamente quando são da mesma natureza, mas uma não é a outra, como num todo as partes da mesma natureza são numericamente distintas, ou como duas coisas são “todos” que não formam o mesmo ser. diferem especificamente quando pertencem a duas espécies. Pode falar-se também de um diferir quanto à razão, quando a diferença se aplica só a termos ou a conceitos.

Kant considera as noções de identidade e de diferença como noções transcendentais. A identidade e a diferença são “conceitos de reflexão”, não se aplicam às coisas em si, mas aos fenômenos.

Analogamente, Hegel considera como conceitos de reflexão a identidade e a diferença, mas num sentido diferente do de Kant, enquanto a reflexão se distingue da imediatez. Hegel define a diferença como diferença de essência. Por isso, “o outro da essência é o outro em e para si mesmo e não o outro que é simplesmente o outro em relação com algo fora dele” (A CIÊNCIA DA LÓGICA). Sendo a diferença algo em e para si mesmo, está intimamente ligada à identidade: em rigor, o que determina a diferença determina a identidade, e vice-versa. A diferença distingue-se da diversidade, pois nesta torna-se explícita a pluralidade da diferença.

Heidegger falou, em várias ocasiões, da diferença ontológica. Trata-se, em substância da diferença entre ser e ente, que supera todas as demais diferenças. Por outro lado, pode conceber-se a diferença ontológica como uma diferença no ser; neste sentido, diferença está também intimamente relacionada ontologicamente com a identidade. [Ferrater]


(gr. diaphora; lat. differentia; in. Difference; fr. Différence; al. Differenz; it. Differenzà).

Determinação da alteridade. A alteridade não implica, em si, nenhuma determinação; p. ex., "aé outra coisa que não b". A diferença implica uma determinação: a é diferente de b na cor ou na forma, etc. Isso significa: as coisas só podem diferir se têm em comum a coisa em que diferem: p. ex., a cor, a configuração, a forma, etc. Segundo Aristóteles, que estabeleceu claramente essas distinções, as coisas diferem em gênero se têm a matéria em comum e não se transformam uma na outra (p. ex., se são coisas que pertencem a diferentes categorias); diferem em espécie se pertencem ao mesmo gênero (Met, X, 3, 1054 a 23).

A diferença foi incluída por Porfírio entre as quinque voces (lit., cinco palavras), ou seja, entre os cinco predicáveis maiores. Porfírio chamou de constitutiva a diferença quanto à espécie, e de divisiva a diferença quanto ao gênero: p. ex., a racionalidade é a diferença que constitui a espécie humana e separa a espécie humana das outras do mesmo gênero. Distinguiu também: diferença comum, que consiste em um acidente separável e existe, p. ex., entre Sócrates sentado e Sócrates não sentado; diferença própria, que existe quando uma coisa difere da outra por um acidente inseparável, como, p. ex., a racionalidade (Isag., 9-10). Essas distinções foram reproduzidas na lógica medieval (Pedro Hispano, Summ. log., 2.11, 2.12). São até hoje aceitas comumente, tanto em filosofia quanto fora dela. [Abbagnano]

Submitted on 04.03.2010 12:12
This entry has been seen individually 1770 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project