Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
2 user(s) are online (2 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 2

more...
Home Léxico Filosofia U unidade Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

unidade

Definition:
VIDE holon, hexis, tonos

(unitas) é a primeira e fundamental das propriedades essenciais ou transcendentais do ser. Isto significa que o ser põe essencialmente unidade. Toda realização do ser traz consigo unidade e toda forma de unidade radica no ser. Do mesmo modo que nãoser sem unidade, assim não há unidade sem ser. A medida e o modo do ser determinam a medida e o modo da unidade; e inversamente, a medida e o modo da unidade manifestam univocamente a medida e o modo do ser. Como primeiro transcendental, a unidade está o mais próximo possível do ser: ser é primariamente unidade. Enquanto transcendental fundamental, constitui a base dos outros transcendentais: da medida e modo da unidade dependem a medida e o modo da verdade, da bondade (valor) e da beleza; a unidade jsenetra-os todos intimamente. A unidade real do ser contrapõe-se a unidade lógica do conceito. A primeira diz que um ente é em si indiviso e "clauso" e, por isso, distinto de qualquer outro. A segunda abarca no conceito universal uma pluralidade real, fazendo dela uma unidade. A unidade dos conceitos, como: o homem, o ser, etc., é lógica ou mental; contudo estriba na realidade, ao passo que os seres individuais compreendidos naqueles conceitos são semelhantes entre si no que respeita à sua essência. — A unidade transcendental e real acima descrita é de natureza metafísica e, por isso, também se encontra Deus. Ela não coincide com a unidade quantitativa, que se restringe ao corpóreo. Esta pressupõe coisas numeráveis, isto é, ordem; portanto, não se aplica a Deus nem, tomada em sentido estrito, aos espíritos puros.

Com os graus do ser são dados os graus da unidade. Em primeiro lugar, convém distinguir entre a unidade composta, resultante de partes, e a unidade simples, que não consta de partes; ambas apresentam, por sua vez, graus. Ascendendo desde do inorgânico até ao homem, passando pela vida vegetal e animal, vê-se claramente como vai aumentando o caráter de "clauso" para dentro e o de "distinto" de tudo o mais, e, por conseguinte, a unidade. — O princípio henológico exprime a primazia da unidade sobre a multiplicidade, quando diz: a multiplicidade pressupõe necessariamente a unidade e não pode existir sem ter a unidade por base. E um caso particular do princípio de causalidade. Com efeito, toda multiplicidade implica contingência, na medida em que o mesmo conteúdo essencial entra em diversos seres individuais, não convindo, assim, necessariamente a nenhum deles. O fundamento último da multiplicidade deve ser uma essência que não permite pluralidade de sujeitos, mas que existe num só sujeito de modo absolutamente necessário: a unidade de Deus. Todas as criaturas, na medida em que implicam relação a esta origem única, são uma só coisa na unidade real da origem. Esta é exagerada pelo monismo estreme, que considera o universo inteiro como um só indivíduo (assim, por exemplo, Parmênides e Spinoza). Dele se aproxima o panteísmo. Não raro são, nestes sistemas, equiparadas a unidade lógica do conceito e a unidade real do Ser absoluto (simplicidade). — Lötz. [Brugger]


Ao examinarmos um fato, atribuímos unidade e estabilidade e o separamos do contorno. Mas a unidade é relativa. Exemplo: um rebanho, que é formado de numerosos indivíduos. Nós buscamos a unidade dos fatos, por exemplo: o átomo é a unidade para a matéria inorgânica, a célula, para a matéria orgânica, a sensação, como pensam alguns, para os atos psíquicos. A ciência hoje não atribui a essa unidade um total isolamento. A absoluta estabilidade do fato é uma ficção, porque eles surgem e desaparecem, num constante "vir-a-ser" (devir), transformam-se, não havendo, portanto, imutabilidade. O isolamento e a delimitação totais são artificiosos, pois não há fatos absolutamente isolados, pois há um entrosamento entre eles. (MFSDIC)




Já examinamos o que se entende por unidade: caráter do que é um. Não se deve confundir o conceito de unicidade com o de um. Unicidade é o caráter do que é único, sem segundo idêntico a ele, enquanto o de ser um, refere-se ao caráter de quem tem unidade.

A unidade é indivisa. Muitos julgam que é negativo o conceito de indiviso. Mas a unidade é positiva, e o caráter de ser indivisa, aponta apenas a recusa que se faz à unidade de não ser senão ela mesma, pois se divisa, a unidade, enquanto tal, deixá-lo-ia de ser.

Consequentemente, todo ente é um (ente ôntico). "Um, o que é indiviso em si e distinto de qualquer outro" (Tomás de Aquino). Unidade é dada pela coerência (veritas ontológica) pela inteligibilidade do ente, enquanto ente.

A unidade pode ser, em linhas gerais:

a) simples, de simplicidade;

b) de composição.

É unidade simples, de simplicidade, a que além de indivisa é ainda indivisível.

O átomo dos filósofos é indiviso, pois é a-tomós, e também é indivisível porque é simples, não composto. Também, assim, um puro espírito é indiviso e indivisível.

Os seres compostos, que como tais não são simples, formam uma unidade de composição, e formam um todo. Enquanto todo, é individido atualmente, mas não excluí a divisibilidade. As unidades forma-matéria, substância-acidente, são para muitos unidades de simplicidade, embora apresentem distinções metafisicamente consideradas; para outros, unidades de composição, mas muito mais coerentes do que as que compõem as unidades de composição física. Um átomo, na concepção atômica científica, é uma unidade de composição forte.

Estas unidades, que são estruturas, como as estruturas de ordem biológica, de ordem psicológica e sociológica, possuem graus de coerência, de coesão, maior ou menor. São assim "tensões", no sentido que damos a este termo, que incorporamos ao universo de discurso da filosofia. Mas a tensão oferece um aspecto importante. Se ela é, como todo, quantitativamente a soma das suas partes, é qualitativamente diferente, o que revela um salto qualitativo importante, que a "Teoria Geral das Tensões" estuda.

Duns Scot oferece esta divisão de unidade:

Unitas aggregationis (unidade de conjunto) é a que forma um grupo de objetos simplesmente reunidos.

Unitas ordinis (unidade de ordem). Esta não é uma pura e simples juxtaposição, mas nela cada parte ocupa um lugar justificável, em virtude de um certo princípio.

Unitas per accidens (Unidade por acidente). Não é propriamente uma relação de ordem, mas a unidade de um determinado e de uma forma que o determina. Se a forma é acidental, a unidade é per accidens. Se a forma é substancial, estamos, então em face de uma.

Unitas per se, uma unidade por si. Finalmente a unidade mais alta é a Unitas simplicitatis, que implica uma perfeita identidade, pois o que está numa unidade de simplicidade, seja o que for, é a mesma coisa que seja o que for, nela.

A unidade não é um termo apenas unívoco, pois a unidade que encontro neste livro como um artefato humano, portanto do mundo da cultura, e um ser vivo, como unidade, é diferente. Mas também não é apenas equívoco, porque, em ambos casos, estamos em face de uma coerência. Há síntese de semelhança e de diferença, portanto a unidade é análoga, como examinaremos ao tratar o tema da analogia.

O ser é unidade. E como já vimos, ser e um se convertem (ens et unum convertuntur). Se o ser fosse divisível pelo nada, por exemplo, como o afirmam alguns, teríamos, então, diversos seres, e cairíamos no pluralismo, com todas as aporias que daí decorrem, como ainda veremos em lugar oportuno. [MFS]


(gr. monas; lat. Unitas; in. Unity; fr. Unité; al. Einheit; it. Unita).

1. Em sentido próprio, o que é necessariamente uno, indivisível: ou no sentido de ser desprovido de partes ou de suas partes serem inseparáveis da totalidade e inseparáveis entre si. Este foi o conceito elaborado por Aristóteles, que distinguiu o que é uno por si, ou essencialmente, do que é uno por acidente (Met., V, 6, 1015 b 16); definiu a unidade (monas) como alguma coisa indivisível, absoluta ou quantitativamente (Ibid., 1016 b 24), e distingiu quatro espécies fundamentais de unidade: a) a das totalidades contínuas, como p. ex. os organismos; b) a das formas ou substâncias; c) a numérica; d) a definitória, ou seja, a unidade de coisas que têm a mesma definição (Ibid, X, 1052 a 15-1052 b 15; v. V, 6, 1016 a I-1016 a 35). Essas determinações aristotélicas não são perfeitamente coerentes porque, ao mesmo tempo que definem a unidade como indivisibilidade, incluem entre suas formas a continuidade que o próprio Aristóteles define como a divisibilidade em partes por sua vez divisíveis (v. contínuo). Seu significado, porém, está bem claro. A unidade, ou seja, o uno por si, é, por um lado, a identidade da forma ou da substância consigo mesma; por outro, a identidade dos objetos que têm a mesma definição (identidade dos indiscerníveis) e por outro ainda é o elemento ou o princípio do número.

No que diz respeito ao número, esse conceito de unidade durou muito tempo (v. número), mas das outras duas formas distinguidas por Aristóteles, a unidade formal ou substancial foi a mais frequentemente assumida como conceito ou ideal de unidade na tradição filosófica. Os neoplatônicos ilustraram e exaltaram a unidade como condição necessária do ser, negligenciando a distinção aristotélica entre a unidade, que é necessária, e o uno, que não é. Para Plotino, a unidade é sempre necessária: "Separados do um, os seres não existem mais. O exército, o coro, o rebanho não existiriam se não fossem um exército, um coro. um rebanho. A casa e a nave não são se não têm unidade, porque a casa é uma casa e a nave é uma nave, e, se perdessem a unidade, não seriam nem casa nem nave. Nem as grandezas contínuas existiriam se não tivessem unidade. Divida-se uma grandeza: perdendo a unidade, seu ser se transforma. O mesmo acontece para os corpos das plantas e dos animais, que, se perdem a unidade e se dividem em muitas partes, perdem o ser que possuíam e não são mais o que eram; transformam-se em outros seres que, em sendo, são um ser cada um (Enn., VI, 9,1). Essas considerações foram decisivas para a história ulterior do conceito de unidade. Repetidas por Proclo (Inst. theol, 21, etc.) e por Dionísio, o Areopagita (De div. nom., XIII, C-D), passaram para a filosofia medieval (v. Tomás de Aquino, Suma Teológica, I, q. II, a. I) e foram retomadas por Nicolau de Cusa (De docta ignor, I, 5), que identificou a unidade absoluta com o máximo absoluto e ambas as coisas com Deus, inspirando as especulações correspondentes de G. Bruno sobre o assunto. A substância das coisas consiste na unidade (De la causa, princípio et uno, V, em Op., ed. Guzzo e Ameno, p. 409).

Locke foi o primeiro a polemizar o conceito de unidade substancial. Afirma que "a unidade de substância" não permite entender as várias espécies de identidades, como p. ex. a identidade da substância do homem, da pessoa, etc, e que tais identidades devem ser esclarecidas ou explicadas independentemente umas das outras (Ensaio, II, 27, 8). Mas já Leibniz voltava à defesa da identidade substancial, "única unidade verdadeira e real" (Nouv. ess., II, 27, 4). Wolff redefiniu a unidade no sentido tradicional, entendendo-a como "a inseparabilidade das coisas por meio das quais o ente é determinado" (Ont., § 328); segundo Wolff, determinação do ente nada mais é que a razão ou a forma do ente (Ibid., § 116). O papel determinante que Kant atribui à síntese, em todos os graus e formas do conhecimento e, em geral, da atividade humana, orienta-se pelo mesmo privilégio concedido à noção de unidade. Para Kant, unidade é sinônimo de síntese ou de nexo necessário. Seu caráter específico é, em outros termos, a inseparabilidade do que é unificado ou sintetizado. Como fundamento de todos os graus ou formas de unidade, que constituem as formas e os graus do conhecimento, Kant põe "a unidade objetiva da percepção", que se manifesta com o uso da cópula é, em sentido objetivo. Segundo Kant, essa cópula designa "a unidade necessária" do sujeito com o predicado e a relação dessa unidade necessária com a apercepção originária. Isso não quer dizer que as representações ligadas pela cópula sejam "necessariamente subordinadas uma à outra", mas sim que elas são "subordinadas uma à outra por meio da unidade necessária da apercepção" (Crítica da Razão Pura, § 19). Como se vê, o uso kantiano do conceito de unidade é, rigorosamente, tradicional: Kant transfere para o eu penso, ou "unidade necessária da apercepção", o fundamento da unidade necessária dos objetos, mas a noção mesma de unidade necessária" é aristotélica. Nem mesmo Hegel se afasta dessa noção, lamentando que ela pudesse ser entendida como "reflexão subjetiva" e afirmando que deveria, ao contrário, ser entendida no sentido de "não-separação e inseparabilidade". Mas este é justamente o conceito aristotélico de unidade (Wissenschaft der Logik, I, livro I, seç. I, cap. I, n. 2). O uso desse termo, presente em toda a obra de Hegel para indicar o terceiro momento da dialética, o da unidade ou identidade dos opostos, conforma-se perfeitamente a esse conceito.

No uso filosófico corrente, esse termo nem sempre conserva o significado próprio de indivisibilidade ou inseparabilidade, ou seja, de nexo necessário. Contudo, esse significado está presente quando se fala da unidade de Deus, do mundo, da natureza, ou da história, e mesmo quando se fala de unidade ideias ou normativas, como "unidade da humanidade" ou "unidade da família", etc.

2. Em correlação com o significado acima, os filósofos chamam de unidade os elementos constitutivos ou os princípios gerais do ser. Sabemos que, nesse sentido, para os pitagóricos "a unidade é o princípio de todas as coisas" (Diógenes Laércio, VIII, 25; J. Stobeo, Eci, I, 2, 58). No mesmo sentido, o neoplatonismo falou em Mônadas ou de Énades (Proclo, Inst. theol, 64) e Leibniz chamou de Mônadas (v. mônada) as substâncias espirituais que, segundo ele, seriam os elementos do mundo. Nesses usos, o termo conserva o significado de substância indivisível.

3. Em sentido genérico e impróprio o mesmo que um/uno. [Abbagnano]

Submitted on 05.11.2009 13:42
This entry has been seen individually 1858 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project