Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (6 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 6

more...
Home Léxico Filosofia L logos Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

logos

Definition:
lógos: discurso, relato, razão, definição, faculdade racional, proporção

1. Uma das maiores dificuldades na interpretação do logos é determinar quando é que esta palavra grega comum e amorfa está a ser usada num sentido técnico e especializado. Por isso, Heráclito, no qual desempenha pela primeira vez papel de relevo, a emprega frequentemente no seu uso comum, mas também tem uma doutrina especial que se centra em volta do logos num sentido mais técnico: para ele o logos é um princípio subjacente e organizador do universo, relacionado com o significado comum de logos como proporção (frg. 1, 50), a lei da mudança tão frequentemente associada ao pensamento de Heráclito (v. g. frgs, 60, 111). E esta harmonia que é na realidade uma tensão de opostos não deve ser entendida no sentido de um retorno cíclico, mas sim como um estado estável (frgs. 10, 50). Este princípio do logos, embora seja oculto e perceptível apenas para a inteligência (frgs. 54, 114; ver noesis 1), é ainda material, como se pode ver pela identificação do logos heraclítico com o fogo cósmico (confrontar frgs. 41, 64; ver pyr), e a sua descrição do processo de pensar (Diels, frg. 22A16; ver noesis); sobre a teoria da tensão, ver tonos.

2. Platão também usou o termo logos de vários modos, incluindo a oposição entre mythos e logos (ver mythos), onde significa um relato verdadeiro e analítico. Isto é uma acepção comum, mas conduz a uma teoria epistemológica. No Fédon 76b Platão salienta como característica do verdadeiro conhecimento (episteme) a capacidade de fazer um relato (logos) daquilo que se sabe. No Teeteto 201c-d este aspecto do logos está incorporado na definição de episteme: opinião verdadeira (doxa) acompanhada de um relato. Sócrates discute o que significava logos neste contexto (ibid. 206c-210b), e da sua análise emerge uma descrição do logos como a afirmação de uma característica distintiva de uma coisa (ibid. 208c). A vitalidade deste é negada com fundamento no fato de não ter valor no caso dos seres sensíveis individuais (confrontar Aristóteles, Metafísica 1039b).

3. Mas quando esta concepção do logos sobe na escala platônica do ser tem obviamente um papel a desempenhar; na Republica 534b Platão descreve o dialético (ver dialektike) como aquele que pode fazer um relato (logos) do verdadeiro ser (ou essência, ousia) de alguma coisa, i. é, o termo do processo da divisão (diairesis) descrito no Sofista, a definição (ver horos) aristotélica por gêneros e espécies; na verdade, Aristóteles usa frequentemente logos como sinônimo de horos, horismos. Outro uso típico aristotélico é o logos como razão, racionalidade, particularmente num contexto ético, v. g., Pol. 1332a, Ethica Nichomacos V, 1134a, e frequentemente na combinação «razão certa» (orthos logos, a recta ratio estóica), Ethica Nichomacos II, 1103b; VI, 1144b. Também entende o logos como proporção matemática, ratio (Metafísica 991b), uso que remonta provavelmente aos pitagóricos, se bem que não esteja claramente expresso nos seus fragmentos (ver apeiron, peras, harmonia; para a aplicação do logos como proporção ao problema das misturas, ver holon; para a sensação e o órgão dos sentidos, aisthesis; e, em geral, meson).

4. O ponto de partida estoico sobre o logos é a doutrina heraclítica de uma fórmula de organização totalmente universal, que os estoicos consideraram divina (ver namos). O logos é a força activa (poioun) no universo (D. L. VII, 134), criadora à maneira do esperma (SVF I, 87; D. L. VII, 135; ver logoi spermatikoi). Tal como em Heráclito é material e identificado com o fogo (ver pyr), Cícero, Acad. post. I, 11, 39; SVF II, 1027. É também idêntico à natureza (physis) e a Zeus (ver Cleantes, Hino a Zeus; SVF I, 537). Esta presença que enforma o universo desenvolve-se em várias direções: visto que é uma unidade serve de fundamento à teoria da simpatia cósmica (ver sympatheia) e da lei natural bem como ao imperativo ético «viver de acordo com a natureza» (ver nomos). A teoria linguística estóica distinguiu ainda o logos interior (= pensamento) e o logos exterior (= discurso) (SVF II, 135; Sexto Empírico, Adv. Math. VII, 275; ver onoma), distinção que nitidamente influenciou a visão do logos notoriamente difícil de Fílon.

5. Fílon conheceu a distinção entre o logos interior e o exterior, conseguiu aplicá-la à maneira ortodoxa estóica (De vita Mos. II, 137), e foi talvez esta distinção, juntamente com a tradição escrituraria judaica acerca da «Palavra de Deus», que o levou ao novo tratamento do logos. No primeiro caso o logos é a razão Divina que abarca o complexo arquetípico dos eide que servirão de modelos da criação (De opif. 5, 20). Depois, este logos que é espírito de Deus é exteriorizado na forma do kosmos noetos, o universo apreensível só para a inteligência (ibid. 7, 29). É transcendente (Leg. all. III, 175-177) e é Deus, embora não o Deus (De somn. I, 227-229), mas antes o «Filho mais velho de Deus» (Quod Deus 6, 31). Com a criação do mundo visível (kosmos aisthetos) o logos começa a desempenhar um papel imanente como a «marca» da criação (De fuga 2, 12), o «elo do universo» estoico (De plant. 2, 8-9) e heimarmene (De mut. 23, 135). Fílon difere dos estoicos ao negar que este logos imanente é Deus (De migre. Abr. 32, 179-181); para o papel providencial do logos de Fílon, ver pronoia. Fílon dá ao seu logos um papei distinto na criação: é a causa instrumental (De cher. 35, 126-127); é também uma luz arquetípica (ibid. 28, 97), reaparecendo esta última imagem em Plotino, Eneadas III, 2, 16. Mas há uma diferença entre os dois pensadores; o que em Fílon era tanto o logos como o nous é dividido em Plotino que usa o conceito de logos de um modo afim aos logoi spermatikoi estoicos; ver Eneadas III, 2, 16 onde o nous e o logos são diferenciados. [FEPeters]




Logos significa (1) discurso, palavra (verbo), palavra dotada de sentido. O nome transfere-se em seguida (2) ao próprio sentido, ao conceito, ao conteúdo do pensamento, ao "verbo interior", que tem sua expressão no verbo exterior, na palavra externa. De modo particular, denomina-se o logos (3) o conteúdo que dá a razão de alguma coisa. Por vezes, denomina-se também logos (4) a esfera integral dos pensamentos, das ideias, do espírito, em oposição à esfera do ente material ou cia vida orgânica, corporal, ao bios, ou para a distinguir da esfera das ações morais, do ethos; nesta acepção, o termo "logos" é empregado, quando, p. ex., se fala da "primazia do logos". — Tudo quanto pertence a este domínio do pensamento pode denominar-se lógico em sentido lato. Contudo, as mais das vezes, o termo é empregado em sentido estrito, para designar as relações puramente mentais dos conteúdos do pensamento entre si, relações exclusivamente oriundas de nossa maneira abstrata de pensar e que, por tal motivo, não se encontram na esfera dos existentes, mas são meros entes de razão, p. ex., a identidade entre o sujeito e o predicado; o lógico, tomado neste sentido, constitui o objeto da lógica. O próprio pensamento denomina-se lógico, quando guarda as leis estabelecidas pelas citadas relações dos conteúdos do pensamento; no caso contrário, é ilógico. Pelo contrário, o qualificativo alógico usa-se com o significado de alheio ao pensamento, à mente; assim, são alógicos os sentimentos e tendências, enquanto se subtraem à direção da inteligência (irracional).

Logos (5) designa também a ideia ínsita, por assim dizer, na realidade, e até no mundo corpóreo, ou seja, a configuração e forma das coisas determinada pelas ideias, a estrutura plenamente significativa que lhe é imanente. Devido a esta estrutura e ordem, providas de sentido, o mundo físico converte-se em cosmos, em oposição a um caos absurdo. O termo "logos" adquire este sentido, quando falamos da "estrutura lógica da realidade" (verdade). — O mundo das ideias não tem existência em si mesmo, mas só num ser real intelectual; de modo idêntico, a estrutura inteligível do mundo físico pressupõe um fundamento primitivo real dotado de inteligência. Este fundamento primitivo intelectual do universo, que em si contém todas as ideias, recebe, igualmente, na filosofia antiga, o nome de logos. Heráclito e os estoicos entenderam este logos (6) como uma razão universal que penetra e domina tudo (alma do mundo). Para outros, como Filon, o logos (7) era um ser intermédio entre Deus e o mundo, mediante o qual este foi criado por Deus. S. João Evangelista, no limiar de seu evangelho, contrapõe a ambas as concepções a doutrina cristã do Filho de Deus, essencialmente igual ao Pai e, não obstante, feito homem, ao qual, — aceitando com audácia inaudita a velha expressão grega — chama Logos, o único Logos verdadeiro (8). Desde S. Agostinho, a teologia católica encontra a explicação do nome de Logos, no fato de o Filho ser gerado pelo Pai pela via do conhecimento; no Filho, como Verbo ou. Palavra do Pai, expressa Este sua essência total e a plenitude de suas ideias. — De Vries.

Submitted on 23.10.2008 21:55
This entry has been seen individually 7894 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project