Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
11 user(s) are online (11 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 11

more...
Home Léxico Filosofia C culpa Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

culpa

Definition:
Heidegger difere da noção de "conscientia" em são Tomás, embora não da "interpretação ordinária", ao supor que a consciência envolve uma bifurcação de Dasein em um convocador e um convocado. Dasein divide-se em dois: I. Enreda-se em significativos negócios mundanos sob a influência do impessoal. II. Dasein é lançado nu em um mundo vazio e insignificante no qual não está em casa, mas sente-se estranho. II explica I: a angústia reprimida de Dasein GA51 o leva a "fugir" de si mesmo para o nível I. II também liberta Dasein de I: o nu e sem lar Dasein II convoca Dasein I. Ele não o convoca para nada definido: o nu Dasein II não tem nada definido para dizer. Não prescreve, portanto, um trajeto definido de ação, nem recomenda um estado permanente de angústia e estranheza. Convoca Dasein I a considerar suas próprias possibilidades, mais do que o cardápio oferecido pelo impessoal, e a escolher por si mesmo o que fazer.

Dasein é essencialmente culpado (SZ, 280ss), em um sentido distinto do conceito teológico de pecado, embora por ele pressuposto (PT, 64/18f; SZ, 306n.). Dasein é culpado, mas Dasein I ignora, foge desta culpa. Dasein II convida Dasein I para a culpa explícita e autêntica. Schuldigsein e seus cognatos possuem quatro sentidos comuns: (a) dever algo, ter débitos; (b) ser responsável, culpado, por algo; (COISA) se fazer responsável, punível por, ser culpado de (infringir a lei); (d) enganar, dever algo aos outros. Heidegger prefere o sentido (d), que equivale a: "ser fundamento da falta em Dasein de um outro, de tal maneira que esse próprio ser fundamento determina-se como ‘faltoso’ a partir de seu para quê" (SZ, 282). (Se eu quebro o nariz de alguém, o nariz quebrado é uma falta, e eu também estou faltando ou deficiente em vista da falta que causei.) Devemos interpretar isto não no sentido comum, que envolve a falta de algum ser-simplesmente-dado ou manual, mas em função da existência de Dasein de sua própria existência, e não primeiramente da existência dos outros. A culpa existencial é, portanto, "ser fundamento de um ser [Sein] determinado por um não [Nicht, o correlato existencial de uma falta do ser-simplesmente-dado], i.e., ser o fundamento de um nada [Nichtigkeit]" (SZ, 283). Observamos para ver se, naquilo que até agora consideramos que Dasein fosse, podemos achar alguma coisa que corresponda a esta definição abstrata.

Heidegger encontra tal culpa na estrutura tripla do cuidado (cura) de Dasein: a. lançamento, B. existência e C. decadência. A. envolve a nulidade: Dasein não é responsável por sua própria entrada no mundo nem pela situação na qual se encontra; ele não decide de onde vai começar nem mesmo se vai começar. Dasein lançado é o fundamento de B e C. B. também envolve a nulidade: Dasein tem de existir, tornar seu ser e estar lançado o fundamento de uma projeção de suas possibilidades; mas ele não tem natureza, regras ou trajetos intrínsecos para guiá-lo; Dasein é pura possibilidade, intrinsecamente nu e sem lar, e, assim, seu projeto é "nulo". Além disso, a existência envolve a rejeição de algumas possibilidades em prol de outras. a, que é Dasein ii, fundamenta C, a queda de si mesmo para Dasein I: se Dasein não fosse no fundo culpado, não poderia sair desta condição nem teria motivo algum para fugir dela. Em C, Dasein se refugia no impessoal e se esquece de sua culpa original e de suas várias nulidades.

Mais tarde, Heidegger ainda fala da convocação, especialmente da convocação silenciosa (Ruf, Zuruf, etc.): o apelo do ser (GA65, 384), o apelo dos homens, deuses, terra e mundo uns aos outros (EHD, 177), o apelo da poesia a nós (GA12, 21ss/plt, 198s) e o apelo envolvido no nomear as coisas (EHD, 188; WHD, 151ss/123ss). Na obra de Heidegger posterior a SZ, consciência e culpa desempenham, porém, um pequeno papel. [DH]

Submitted on 12.03.2012 16:02
This entry has been seen individually 213 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project