Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
7 user(s) are online (7 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 7

more...
Home Léxico Filosofia V valor Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

valor

Definition:
VIDE Wert

Tão essencial como o sistema é, para a interpretação moderna do ente, a representação do VALOR. Só onde o ente se tornou objecto do re-presentar é que o ente perdeu, de certo modo, o ser. Esta perda é pressentida de modo bastante obscuro e inseguro, sendo, correlativamente, rapidamente substituída pelo atribuir ao objecto, e ao ente interpretado deste modo, de um VALOR, pelo medir, em geral, do ente segundo valores, e pelo tornar os próprios valores em meta de todo o fazer e de todo o empreender. Na medida [125] em que estes se concebem como cultura, os valores tornam-se valores culturais e estes, em geral, tornam-se expressão das mais elevadas metas do criar ao serviço da auto-garantia do homem como subjectum. Daí é apenas ainda um passo para tornar os próprios valores em objectos em si. O VALOR é a objectivação das metas que são precisas ao instalar-se que representa no mundo enquanto imagem. O VALOR parece expressar que, na posição de referência a ele, se empreende precisamente o que é mais valioso, e, no entanto, é precisamente o VALOR o mais impotente e gasto velamento da objectividade do ente, que se tornou trivial e sem profundidade. Ninguém morre por meros valores. [GA5:94-95; tr. Borges-Duarte]


Razão e liberdade contrapõem-se à natureza. À medida que natureza é o ente, a liberdade e o dever não são pensados como ser. Fica-se na contraposição entre ser e dever, ser e VALOR. Tão logo a vontade alcance seu máximo de des-vio, também o próprio ser torna-se ele mesmo um mero "VALOR". Pensa-se então o VALOR como condição da vontade. [GA7]


Porque se fala contra os "valores" surge uma indignação em face de uma filosofia que — assim se pretende — se atreve a desprezar os bens mais elevados da humanidade. Pois, o que é "mais lógico" do que isto: um pensamento que nega os valores, terá necessariamente que declarar tudo sem VALOR? [CartaH]


O pensamento contra "os valores" não afirma ser sem VALOR tudo que se considera como "valores", a saber, a "cultura", a "arte", a "ciência", a "dignidade humana", o "mundo" e "Deus". Ao contrário. Trata-se de se compreender de uma vez por todas, que, ao caracterizar algo como um "VALOR", se lhe rouba a dignidade. O que quer dizer: ao se avaliar uma coisa como VALOR, só se admite o que assim se valoriza, como objeto de uma avaliação do homem. Ora, o que uma coisa é, em seu ser, não se esgota em sua ob-jetividade e principalmente quando a ob-jetividade possui o caráter de VALOR. Toda valorização, mesmo quando valoriza positivamente, é uma subjetivação. Pois ela não deixa o ente ser mas deixa apenas que o ente valha, como objeto de sua atividade (Tun). O esfôrço extravagante, de se provar a objetividade dos valores, não sabe o que faz. Dizer-se que "Deus" é "o VALOR supremo", é uma degradação da Essência de Deus. Pensar em termos de VALOR é aqui — como alhures — a maior blasfêmia, que jamais se possa pensar com relação ao Ser. Pensar contra os valores não significa, por conseguinte, tocar os tambores da desvalorização (Wertlosigkeit) e da nulidade (Nichtigkeit) do ente mas significa: pro-pôr ao pensamento, contra a subjetivação do ente, como simples ob-jeto, a clareira da Verdade do Ser. [CartaH]

Submitted on 22.07.2021 00:34
This entry has been seen individually 352 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project