Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
3 user(s) are online (3 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 3

more...
Home Léxico Filosofia F falar Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

falar

Definition:
sprechen

No dito do poema [Dichtung], vigora o falar. É o falar da linguagem [Sprache]. A linguagem fala. A linguagem fala deixando vir o chamado, coisa-mundo e mundo-coisa, no entre da di-ferença. O que é assim chamado chega sob a recomendação da di-ferença.

(...)

Para os mortais, falar é evocar pelo nome, é chamar, a partir da simplicidade da di-ferença, coisa e mundo para vir. Na fala dos mortais, o dito do poema é puro chamado. Poesia nunca é propriamente apenas um modo (meios) mais elevado da linguagem cotidiana. Ao contrário. É a fala cotidiana que consiste num poema esquecido e desgastado, que quase não mais ressoa.

O que se opõe ao puramente dito, ao poema, não é a prosa. Prosa em sentido puro nunca é "prosaica". A prosa é tão poética e, por isso, tão rara como a poesia.

Quando a atenção se volta exclusivamente para a fala humana, quando se toma a fala humana como mera emissão sonora da interioridade humana, quando se considera essa representação da fala como a própria linguagem, a essência da linguagem só consegue manifestar-se como expressão e atividade do homem. Como fala dos mortais, a fala humana nunca repousa, porém, em si mesma. O falar dos mortais repousa na relação com o falar da linguagem.

Com o tempo, torna-se inevitável pensar e refletir sobre como a fala dos mortais e o seu emitir sons acontecem propriamente no falar da linguagem entendido como a consonância do quieto da di-ferença. Todo emitir sons, tanto na língua falada como na escrita, rompe a quietude. Como se rompe a consonância do quieto? Como a quietude consegue, ao se romper, soar em palavra? Como a quietude rompida configura o discurso dos mortais, no discurso que soa em versos e frases?

Admitindo-se que um dia o pensamento consiga responder a essas perguntas, ele deve de todo modo cuidar para não assumir a emissão sonora e a expressão como os elementos paradigmáticos da fala humana.

A articulação da fala humana pode apenas ser o modo (meios) em que o falar da linguagem, a consonância do quieto da di-ferença, apropria os mortais pelo chamado da di-ferença.

Os mortais falam a partir da di-ferença, no sentido da di-ferença, como um corresponder. O falar dos mortais deve antes de tudo escutar o chamado, pois é como chamado que o quieto da di-ferença evoca o rasgo de coisa e mundo. Cada palavra falada pelos mortais fala desde essa escuta, como essa escuta.

Os mortais falam à medida que escutam. Os mortais atentam mesmo sem saber à evocação e ao chamado da quietude da di-ferença. A escuta extrai do chamado da di-ferença o que é levado a soar em palavra. A fala que escuta e extrai é uma co-respondência.

Ao extrair o seu dito do chamado da di-ferença, a fala dos mortais já segue a seu modo a sua convocação. Extraindo mediante uma escuta, a correspondência é ao mesmo tempo uma resposta e um reconhecimento. Correspondendo duplamente à linguagem, ou seja, extraindo e respondendo, é que os mortais falam. A palavra dos mortais fala à medida que co-responde, no múltiplo sentido do termo. [GA12]


Falamos e falamos sobre a linguagem. Aquilo de que falamos, a linguagem, já sempre nos precede. Falamos sempre a partir da linguagem. Isso significa que somos sempre ultrapassados pelo que já nos deve ter envolvido e tomado para falarmos a seu respeito. Ou seja, falando sobre a linguagem, estamos sempre constritos a falar da linguagem de forma insuficiente. Essa constrição nos separa daquilo que o pensamento deve dar conta. Mas essa constrição, que o pensamento nunca deve negligenciar, logo se dissipa quando prestamos atenção ao próprio do pensamento, ou seja, quando lançamos um olhar para o campo [Gegend] em que se sustenta o pensamento [Denken]. Por toda parte, esse campo está aberto para a vizinhança da poesia [Dichten].

Pensar o sentido do caminho de pensamento [Denkweg] é pensar com atenção essa vizinhança. [GA12]

Submitted on 27.10.2010 21:49
This entry has been seen individually 304 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project