Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia P possibilidade Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

possibilidade

Definition:
"Possibilidade" é a possibilidade aberta a Dasein: "Dasein não é algo simples-mente-dado que ainda possui de quebra a habilidade de poder alguma coisa. Primariamente, Dasein é possibilidade de ser. Todo Dasein é o que pode ser e o modo [wie] em que é a sua possibilidade" (SZ, 143). Assim, Heidegger altera a tradicional e aristotélica ordem de prioridade entre as "modalidades": "Mais elevada do que a realidade está a possibilidade" (SZ, 38). "Possibilidade" neste sentido é bastante diferente de "possibilidade lógica vazia" e da "contingência do ser-simplesmente-dado, para o qual várias coisas podem ‘acontecer’" (SZ, 143). Ela aproxima-se do "poder-ser": "Dasein é a possibilidade de ser-livre para o seu próprio poder-ser" (SZ, 144). (Das) seinkönnen, de sein, "ser", e können, "poder", é "poder [können] ser [sein]" ou talvez "capacidade/potencialidade para (o) ser [Sein]". Difere de " possibilidade" no sentido de, como infinitivo substantivado, não ter plural, ao contrário de Möglichkeit, -en, "possibilidade, -s". [DH]


NT: Possibilidade - atualidade. - Já em Ser e Tempo o filósofo afirma: "Acima da atualidade está a possibilidade", p. 38. Aqui o repete: "O possível situa-se acima do atual. "A afirmação do primado da possibilidade sobre a atualidade é um dos subterrâneos motivos fundamentais do pensamento heideggeriano. Possível, possibilidade tomam aqui sentido bem diverso do da tradição: dynamis-energeia, ato e potência. A categoria da possibilidade refere-se ao ser enquanto velamento e desvelamento; vem contida na ambivalência do termo aletheia, e é, assim uma das chaves para a interpretação do método fenomenológico (Ver E. Stein: Compreensão e Finitude, pp. 39-42). O uso de categorias carregadas de ambiguidade e ambivalência do ponto de vista semântico constitui traço característico e relevante nos textos do filósofo e lhe dá uma ressonância e intensidade raras, hoje em dia, na literatura filosófica. Numa época em que a busca do rigor e da economia na linguagem filosófica exige cada vez maior formalização, perde-se esta ambivalência e polissemia. Os sistemas lógicos puramente extensionais reduzem os valores de verdade a dois: "verdadeiro" e "falso". Quando, porém, não se busca apenas a significação ou referência (Bedeutung), mas o sentido (Sinn), a intenção do termo ou da proposição, salva-se a possibilidade de um jogo quase ilimitado com a linguagem, ou melhor, salva-se aquela estranha transgressão de limites com que se deparam todas as formalizações no terreno da linguagem. Por vias pouco usuais para as modernas preocupações com a linguagem, Heidegger explora radicalmente a intencionalidade. Ao lado da semântica extencional deve-se pressupor a possibilidade de uma semântica intencional para aceitar as proposições heideggerianas. Com um autor com intenções essencialmente ontológicas, nada pode fazer a lógica extencional. [MHeidegger]

Submitted on 15.03.2012 22:28
This entry has been seen individually 460 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project