Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia M mundo Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

mundo

Definition:
Welt

Mundo é I. um reino familiar de significações entrelaçadas, II. entes como um todo, que constituem um mundo mesmo se a angústia os destitui de sua significação costumeira. No mundo I, a linguagem pode originar-se da significação pré-linguística. No mundo II, ela não pode: não há significação pré-linguística. O mundo II é requerido, entre outras razões, se perguntamos: Como o mundo I é estabelecido pela primeira vez? Isto só pode acontecer pela formação de palavras, palavras básicas, tais como physis (aproximadamente a palavra grega para "natureza"), que inauguram uma certa visão dos entes como um todo (mundo II), e outras palavras que constroem as fundações para uma forma de vida (mundo I). [DH]


Pois na dimensão da história do ser (cf. Ser e tempo), o "mundo" significa a vigência inobjetivável da verdade do ser para o homem, desde que o homem entregue de modo essencial o que lhe é próprio ao ser. Na era em que apenas o poder tem poder, isto é, na era da afluência incondicional dos entes ao abuso do consumo, o mundo torna-se sem-mundo na mesma medida em que o ser ainda vige, embora sem vigor próprio. O ente é real enquanto operativo. Em toda parte, a operatividade. Em parte alguma, o fazer-se mundo do mundo. Apesar disso, embora esquecido, o ser. Para além da guerra e da paz, existe apenas a errância do uso e abuso dos entes no auto-asseguramento das ordens, oriunda do vazio propiciado ao se deixar o ser. [Superação da Metafísica, EC]


As respostas de Kant a estas questões, por ele não formuladas tão expressamente, trazem consigo uma absoluta modificação do problema do mundo. Não há dúvida que também para o conceito de mundo de Kant se mantém o fato de que a totalidade nele representada se refere às coisas finitas subsistentes. Mas esta relação com a finitude, tão essencial para o conteúdo do conceito de mundo, recebe um novo sentido. SOBRE A ESSÊNCIA DO FUNDAMENTO


O conceito de mundo, tal como se desenvolve em “Ser e Tempo” somente pode compreender-se desde o horizonte da pergunta pelo “Ser-aí” (Da-sein; v. Dasein), pergunta que, por sua parte, permanece incluída dentro da pergunta fundamental pelo sentido do ser (não do ente). [DZW]


Nós designamos aquilo em direção do qual (horizonte) o ser-aí como tal transcende, o mundo, e determinamos agora a transcendência como ser-no-mundo. Mundo constitui a estrutura unitária da transcendência; enquanto dela faz parte, o conceito de mundo é um conceito transcendental. [MHeidegger SOBRE A ESSÊNCIA DO FUNDAMENTO]


Estas breves indicações tornaram visíveis vários aspectos: 1. Mundo quer dizer, muito antes, um como do ser do ente, que o próprio ente. 2. Este como determina o ente em sua totalidade. É, em última análise, a possibilidade de cada como em geral enquanto limite e medida. 3. Este como em sua totalidade é, de certa maneira, prévio. 4. Este como prévio, em sua totalidade, é ele mesmo relativo ao ser-aí humano. O mundo, por conseguinte, pertence ao ser-aí humano, ainda que abarque todos os entes, também o ser-aí, em sua totalidade.

Por mais certo que seja o resumo que se possa fazer desta compreensão, sem dúvida, ainda pouco explicita e crepuscular, do kosmos nos significados acima mencionados, tão inegável é também que esta palavra nomeia muitas vezes apenas o ente mesmo que se experimenta no tal como.

Não é, porém, nenhum acaso que no contexto da nova compreensão ôntica da existência que interrompeu no cristianismo, se radicalizasse e esclarecesse a relação de kosmos e ser-aí humano e com isto o conceito de mundo em geral. A relação é experimentada tão originariamente que kosmos passa a ser usado, de agora em diante, diretamente como expressão para um determinado modo fundamental de ser da existência humana. Kosmos houtos significa em Paulo (vide 1. Coríntios e Gálatas) não apenas e não primariamente o estado do "cósmico", mas o estado e a situação do homem, a espécie de sua postura diante do cosmos, seu modo de apreciar os bens. Kosmos é o ser-homem no como de uma mentalidade afastada de Deus (he sophia tou kosmou). Kosmos houtos designa o ser-aí humano, numa determinada existência "histórica" que se distingue de uma outra que já está despontando (aion ho mellon). Com inusitada frequência - sobretudo, em comparação com os sinóticos -, usa o Evangelho de São João o conceito de kosmos, e ao mesmo tempo em um sentido bem central. Mundo caracteriza a forma fundamental de afastamento de Deus do ser-aí humano, o caráter do ser-homem simplesmente. De acordo com isto, é então mundo um nome que designa de maneira geral todos os homens juntos, sem distinção entre sábios e tolos, justos e pecadores, judeus e pagãos. O significado central deste conceito de mundo, absolutamente antropológico, chega a expressar-se no fato de funcionar como conceito antônimo da filiação divina de Jesus, a qual é compreendida como Vida (zoe), Verdade (aletheia) e Luz (phos). [MHeidegger SOBRE A ESSÊNCIA DO FUNDAMENTO]


Mundo é, em tudo isto, a denominação para o ser-aí humano no núcleo de sua essência. Este conceito de mundo corresponde perfeitamente ao conceito existencial de mundo de Agostinho, só que perdeu a valoração especificamente cristã do ser-aí "mundano", de amatores mundi, e mundo passou a significar positivamente os "camaradas de jogo" no jogo da vida.

O significado existencial de conceito de mundo que por último foi extraído de Kant é, então, atestado pela expressão que surgiu na época posterior "Visão de mundo" [Weltanschauung]. Mas também fórmulas como "homem do mundo", "mundo elegante", mostram uma significação semelhante de conceito de mundo. "Mundo" não é também simplesmente uma expressão para uma região (ontológica) que designa a comunidade de homens à diferença da totalidade das coisas da natureza, mas mundo significa justamente os homens em suas relações com o ente em sua totalidade, isto é, do "mundo elegante" fazem também parte, por exemplo, os hotéis e os studs.

É, por conseguinte, enganoso recorrer à expressão mundo, quer como caracterização da totalidade das coisas da natureza (conceito natural de mundo), quer como nome para a comunidade dos homens (conceito pessoal de mundo). Muito antes, a relevância metafísica do significado, mais ou menos destacado, de kosmos, mundus, mundo, reside no fato de que visa à interpretação do ser-aí humano em sua referência ao ente em sua totalidade. Por razões que aqui não podem ser analisadas, a formação do conceito de mundo depara primeiro com a significação, de acordo com a qual ele caracteriza o como do ente em sua totalidade, e isto de tal maneira que sua relação com o ser-aí é primeiramente apenas compreendida de modo indeterminado. Mundo faz parte de uma estrutura referencial que caracteriza o ser-aí como tal, estrutura que já denominamos de ser-no-mundo. Esse emprego do conceito de mundo é - isto as indicações históricas tinham como finalidade mostrar - tão pouco arbitrário que justamente procura elevar um fenômeno existencial (Daseinsphaenomen), já conhecido, mas não captado de modo ontologicamente unitário, ao nível de clareza e precisão formal de um problema. [MHeidegger SOBRE A ESSÊNCIA DO FUNDAMENTO]

Submitted on 13.03.2012 23:31
This entry has been seen individually 991 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project