Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (9 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia D dis-posição Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

dis-posição

Definition:
Bestellbarkeit e termos com base em -stellen
requérir
set upon
emplazar

Só que agora a vigência do vigente também perdeu o sentido de objetividade e contraposição. Para o homem de hoje, o vigente vale como o que sempre de novo pode ser encomendado e por-se à dis-posição. Mesmo que raramente pensada e pronunciada como tal, a vigência mostra agora o caráter de encomenda (recurso) e estar à dis-posição (Bestellbarkeit) de tudo e de cada um.

O vigente não vem mais ao encontro e não perdura mais na configuração dos objetos. Ele se dilui nos dis-positivos (ou recursos) [Bestände] que podem ser sempre a cada momento manipuláveis, transmitidos, substituídos para fins particulares. Os dispositivos são exigidos de caso em caso, a partir de determinados planos. Como tais, os dis-positivos são exigidos em suas qualificações [Beschaffenheiten]. Os dispositivos não têm nenhuma consistência no sentido de uma vigência constante e permanente. O modo de vigorar dos dispositivos é esse encomendar-se (e estar à disposição), que se distingue pela possibilidade de estarem sempre e de novo dis-postos, num modo cada vez mais aprimorado, sem no entanto entrever nenhuma idéia do melhor.

À disposição de quem, para quem encomenda-se esse tipo de vigência? Não é para o homem singular que se contrapõe e se opõe aos objetos como sujeito. Esse encomendar-se, esse estar à dis-posição dos dis-positivos, volta-se e regula-se pela relação de convivência de ser um para o outro da sociedade industrial. Isso se manifesta, na verdade, de maneira ainda mais multifacetada do que a colocação de uma subjetividade para a objetividade dos produtos e instituições da sociedade industrial. A sociedade industrial, para cujas exigências e instalações, o pensamento sociológico quer remeter todo o existente, deve ser pensada para além da subjetividade entendida no esquema sujeito-objeto, ou seja, como fundamento de explicação de todas as manifestações. Pois a sociedade industrial não é nem sujeito e nem objeto. Não obstante a aparência de autonomia que ela mesma põe e confere como parâmetro de si mesma, ela está bem mais dis-posta pelo mesmo poder do dis-por explorador na tutela que também transformou a anterior objetividade dos objetos em dis-positivos em mera encomenda e num mero estar à dis-posicão.

A natureza também está colocada como dis-positivo à dis-posicão e sob encomenda. No âmbito temático da física de partículas, a vigência da natureza é impensável enquanto for representada como objetividade em vez de um por-se sob encomenda e à dis-posicão. A transformação da vigência do vigente, que passa de objetividade para dis-posicionalidade (encomenda) é também a condição para que algo como o modo de representação cibernética possa surgir e ainda reivindicar o papel de ciência universal. [Coisa do Pensamento]

Submitted on 04.02.2013 18:03
This entry has been seen individually 401 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project