Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 6

more...
Home Léxico Filosofia P pensamento Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

pensamento

Definition:
al. Denken
fr. pensée
in. thinking
es. pensamiento

Para que o pensamento esteja em nosso poder, devemos aprendê-lo. O que é aprender? É fazer que o que fazemos e não fazemos seja o eco da revelação cada vez do essencial. Aprendemos o pensamento prestando atenção ao que exige de ser guardado no pensamento.

Nossa língua nomeia por exemplo o que pertence à essência do amigo: o amável. Da mesma maneira, nomearemos agora o que em si exige de ser guardado no pensamento: o pensável (das Bedenkliche). Todo pensável dá a pensar. Mas não faz jamais este dom enquanto o que dá a pensar já é dele mesmo o que exige de ser guardado no pensamento. Nomearemos agora e em seguida o que exige continuamente (porque desde sua origem e antes de toda outra coisa) de ser guardado no pensamento: «o que dá mais a pensar». O que é «o que dá mais a pensar»? Como se mostra em nosso tempo que dá a pensar?

O que dá mais a pensar é que não pensamos ainda; sempre «ainda não», embora o estado do mundo se torne constantemente o que dá deveras a pensar. Esta evolução do mundo parece no entanto exigir, ao invés, que o homem aja, e isto sem demora, em lugar de falar nas conferências e nos congresso, em lugar de se mover na simples representação do que deveria ser e da maneira que seria preciso fazê-lo. Há portanto falta de agir e de maneira alguma de pensamento. [GA8]


O pensamento con-suma a referência do Ser à Essência do homem. Não a produz nem a efetua. O pensamento apenas a restitui ao Ser, como algo que lhe foi entregue pelo próprio Ser. Essa restituição consiste em que, no pensamento, o Ser se torna linguagem. [CartaH 24]


O pensamento não se transforma em ação por dele emanar um efeito ou por vir a ser aplicado. O pensamento age enquanto pensa. Seu agir é de certo o que há de mais simples e elevado, por afetar a re-ferência do Ser ao homem. Toda produção se funda no Ser e se dirige ao ente. O pensamento ao contrário se deixa requisitar pelo Ser a fim de proferir-lhe a Verdade. O pensamento con-suma esse deixar-se. Pensar é "l´engagement par l´Être pour l´Être". Não sei, se, linguisticamente, é possível dizerem-se ambas as coisas (par et pour) numa só expressão, a saber: "penser c´est l´engagement de l´Être". A forma do genitivo, "de l´...", deve exprimir que o genitivo é, ao mesmo tempo, "genitivus subjetivos" e "objetivos". Não obstante sejam "sujeito" e "objeto" títulos insuficientes da metafísica, que, desde cedo, na forma da "lógica" e "gramática" ocidentais, se apoderou da interpretação da linguagem. O que se esconde nesse processo, só hoje podemos suspeitar. Libertar a linguagem da gramática, para um contexto Essencial mais [25] originário, está reservado ao pensar e poetizar (Dichten). O pensamento não é apenas «l’engagement dans l´action» para e pelo ente no sentido do real da situação presente. O pensamento é "l´engagement" pela e para a Verdade do Ser, cuja História (Geschichte) nunca passou e sim sempre está por vir. A História do Ser carrega e determina toda "condition et situation humaine".

Para aprendermos a experimentar em sua pureza - e isto significa também levar à plenitude - essa Essência do pensar, devemos libertar-nos da interpretação técnica do pensamento. Seus primórdios remontam até Platão e Aristóteles. Para eles o pensamento é, em si mesmo, uma techne, o processo de calcular a serviço do fazer e operar. Nesse processo já se toma o cálculo em função e com vistas à praxis e à poiesis. Por isso, quando considerado em si, o pensamento não é prático. A caracterização do pensamento como theoria, e a determinação do conhecimento como atitude "teórica" já se processam dentro da interpretação "técnica" do pensar. É um esfôrço reativo, visando preservar, também para o pensamento, autonomia face ao fazer e agir. Desde então, a "filosofia" sente, constantemente, a necessidade de justificar sua existência diante das "ciências". E crê fazê-lo, da forma mais segura, elevando-se à condição de ciência. Ora, esse esfôrço é o abandono da Essência do pensamento. A filosofia é perseguida pelo medo de perder em prestígio e importância, caso não seja ciência. O que se considera uma deficiência, idêntica à inciência (Unwissenschaftlichkeit). Na interpretação técnica do pensamento, se abandona o Ser como o elemento do pensar. A partir da Sofística e de Platão, a "lógica" é a sanção dessa interpretação. Julga-se o pensar com uma medida que lhe é inadequada. Um tal julgamento equivale ao processo que procura avaliar a natureza e as possibilidades do peixe pela capacidade de viver no seco. De há muito, demasiado muito, o pensamento vive no seco. Será que se pode chamar "irracionalismo" o esfôrço de repor o pensamento em seu elemento? [CartaH 25]


Também os nomes, "Lógica", "Ética", "Física", só surgiram quando o pensamento originário chegou ao fim. Em seus grandes tempos, os gregos pensaram sem esses títulos. Nem mesmo de "filosofia" chamaram o pensamento. Este chega sempre ao fim, quando se afasta de seu elemento. O elemento é àquilo a partir do qual o pensamento pode ser pensamento. O elemento é o propriamente poderoso: o poder. Ele se apega ao pensamento e assim o conduz à sua Essência. Dito sem rodeios, o pensamento é o pensamento do Ser. O genitivo exprime duas coisas. O pensamento é do Ser, enquanto, provocado pelo Ser em sua propriedade (ereignen), pertence ao Ser. O pensamento é ainda pensamento do Ser, enquanto, pertencendo (gehoert) ao Ser, ausculta (hoeren) o Ser. Enquanto, auscultando, pertence ao Ser, o pensamento é de acordo com a pro-veniência de sua Essência. O pensamento é, isso significa: o Ser se apegou, num destino Histórico (geschicklich), à sua Essência. [CartaH 28]


Quando o pensamento, saindo de seu elemento, chega ao fim, compensa essa perda, valorizando-se como techne, isto é, instrumento de formação, para se tornar, com isso, atividade acadêmica e, posteriormente, atividade cultural. [CartaH 30]


Todavia, também isso é importante, não se alcança a causa do pensamento pelo fato de se pôr em curso uma "arenga" (Gerede) sobre a "Verdade do Ser" e sobre a "História do Ser". Tudo depende unicamente de a própria Verdade do Ser se fazer linguagem e de o pensamento conseguir chegar a essa linguagem. Talvez a linguagem exija muito menos pronunciamentos precipitados do que, muito mais, o devido silêncio. Mas qual de nós, homens de hoje, poderia pretender que seus esforços para pensar já estariam familiarizados e em casa, (heimisch) no caminho do silêncio? Quando muito, nosso pensamento poderia talvez indicar (hinweisen auf) a Verdade do Ser, como o que deve ser pensado (das Zu-denkende). Mais do que de outra maneira, a Verdade do Ser ficaria, assim, subtraída à simples adivinhação e ao simples opinar, e entregue à tarefa (Hand-werk) so que se faz rara, da escrita. As causas promissoras, ainda que não se destinem à eternidade, chegam a tempo mesmo com o máximo de atraso. [CartaH]


Todavia, com essa indicação, o pensamento, que aponta à Verdade do Ser como sendo o que deve ser pensado, não deseja, de forma alguma, decidir-se pelo teísmo. Pois ele não pode ser nem teísta nem ateísta. Não, porém, em razão de uma atitude de indiferentismo, e sim por respeitar os limites impostos ao pensamento, como pensamento, e impostos pelo que se lhe dá como sendo o que deve ser pensado, a saber, pela Verdade do Ser. Na medida em que o pensamento se contenta com sua tarefa, ele dá, no instante do destino atual do mundo, ao homem a dimensão originária de sua estadia (Auf enthalt) Histórica. Dizendo, dessa forma, a Verdade do Ser, o pensamento se entregou e confiou ao que é mais Essencial do que todos os valores e qualquer ente. O pensamento não supera a metafísica, enquanto, alçando-se mais alto, a transcende e, em algum lugar, (irgendwohin) a suprime, a conserva e a eleva (aufhebt). O pensamento supera a metafísica, enquanto, re-gressando, desce à proximidade do próximo. Descer, principalmente, quando o homem se perdeu nas alturas (sich vertiegen hat) da subjetividade, é mais difícil e perigoso do que alçar-se. A descida leva à pobreza da ec-sistência do homo humanas. Na ec-sistência abandona-se o âmbito do homo animalis da metafísica. 0 império e predomínio desse âmbito é o fundamento mediato e profundo (weitzurückreichend) da obliteração e da arbitrariedade do que se designa como biologismo, mas também do que se conhece pelo título pragmatismo. Pensar a Verdade do Ser significa igualmente: pensar a humanitas do homo humanas. Trata-se de pôr a humanitas a serviço da Verdade do Ser, mas sem o humanismo em sentido metafísico. [CartaH]


O pensamento somente pode permanecer junto de seu objeto se, no permanecer-junto, o mesmo objeto cada vez se torna para ele mais objetivo e mais controvertido. Desta maneira, o objeto exige do pensamento que sustente o objeto em sua situação, que lhe esteja à altura por uma correspondência, enquanto o conduz para a sua de-cisão. O pensamento que permanece junto a seu objeto deve, se este objeto é o ser, engajar-se na de-cisão do ser. De acordo com isto, estamos obrigados a melhor clarificar, no diálogo com Hegel, e, de antemão, para este diálogo, a mesmidade do mesmo objeto. Pelo que foi dito, exige isto que seja trazida à luz, com a diversidade do objeto do pensamento, ao mesmo tempo, a diversidade do elemento historial no diálogo com a história da filosofia. [MHeidegger - A CONSTITUIÇÃO ONTO-TEO-LÓGICA DA METAFÍSICA]


Assim, tudo depende de que, em seu tempo oportuno, o pensamento se torne mais pensamento. A isto chega o pensamento se, em vez de preparar um grau maior de esforço, se dirige para outra origem. Então, o pensamento suscitado pelo ente [Seiende] enquanto tal que por isso representa e esclarece o ente, será substituído por um pensamento instaurado pelo próprio ser [Sein] e por isso dócil à voz do ser.

Perdem-se no vazio considerações sobre o modo como se poderia levar a agir sobre a vida cotidiana e pública de modo efetivo e útil, o pensamento ainda e apenas metafísico. Pois, quanto mais o pensamento é pensamento, quanto mais se realiza a partir da relação do ser consigo, tanto mais puramente encontra-se, por si mesmo, engajado no único agir que lhe é apropriado: na ação de pensar aquilo que lhe foi destinado e que por isso já foi pensado. [MHeidegger O RETORNO AO FUNDAMENTO DA METAFÍSICA]


O pensamento descobre sua determinação própria quando se recolhe na escuta do consentimento [Hören der Zusage] que nos diz o que, para o pensamento, se dá a pensar. [GA12]

Submitted on 21.08.2015 17:13
This entry has been seen individually 839 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project