Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
3 user(s) are online (3 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 3

more...
Home Léxico Filosofia N número Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

número

Definition:
O mathemata, o matemático, é aquele “acerca” das coisas que já conhecemos verdadeiramente, de modo antecipado; aquilo que, em consequência, não começamos por ir buscar às coisas, mas que, de certo modo, levamos connosco até elas. A partir daqui, podemos já compreender por que motivo o número, por exemplo, é qualquer coisa de matemático. Vemos três cadeiras e dizemos: são três. O que é “três” não nos é dito pelas três cadeiras, nem sequer por três maçãs, três gatos, nem por quaisquer outras três coisas. Pelo contrário, podemos contar as coisas até três porque já sabemos o que é o «três». Assim, na medida em que conhecemos o número três enquanto tal, tomamos expressamente, de qualquer coisa, um conhecimento que, de certo modo, já possuímos. O número é qualquer coisa que, em sentido próprio, se pode aprender, um mathemata, quer dizer, qualquer coisa de matemático. Para conceber o três enquanto tal, quer dizer, a triplicidade, as coisas não nos são de nenhum auxílio. O três - que é isso verdadeiramente? O número que, na série natural dos números, se encontra em terceiro lugar. Em «terceiro»! O número três só existe porque o três existe. E (“lugar” - de onde vêm os lugares? O três não é o terceiro número, mas o primeiro número, embora não venha em primeiro lugar. Temos, por exemplo, um pedaço de pão e uma faca, um aqui e a outra ali. Quando os tomamos ao mesmo tempo dizemos «ambos» (diese beiden), um e o outro, e não «estes dois» (diese zwei), não 1 + 1. Quando, por exemplo, ao pão e à faca se acrescenta uma taça e tomamos ao mesmo tempo aquilo que nos é dado, dizemos «todos»; agora, tomamo-los como um todo, como um conjunto de muitos, como tantos e tantos. Só a partir do terceiro o um de há pouco se tornou o primeiro e o outro de há pouco se tornou o segundo, apareceu o um e o dois, do «e» surgiu o «mais», apareceu a possibilidade do lugar e da série. Aquilo de que já tomamos conhecimento, não o tiramos de quaisquer coisas. Tomamos aquilo que, de certo modo, nós próprios já temos. É um aprender de tal ordem que deve concebido como sendo o matemático. Tudo isto de que tomamos conhecimento, aprendemo-lo sem qualquer referência às coisas. Porque, no nosso comércio quotidiano com as coisas, ao calculá-las e, por consequência, ao enumerá-las, coisas tais como os números estão na maior proximidade daquilo de que tomamos conhecimento na relação com as coisas, sem que o tenhamos tirado delas, são os números a forma mais conhecida do matemático. Por consequência, esta forma mais corrente do matemático transformou-se no matemático puro e simples. Mas a essência do matemático não reside no número, como pura delimitação da pura quantidade, mas, ao invés, é porque o número tem uma tal essência que ele pertence ao que se pode aprender, no sentido mathesis. [OQC 80]

Submitted on 08.02.2006 22:38
This entry has been seen individually 321 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project