Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (8 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia F fala Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

fala

Definition:
Sprechen

No período de SZ, Heidegger abandonou o "platonismo banal" proveniente da "atitude teórica" de Husserl, a distinção aguda entre "factualidade [Tatsachlichkeit]" e "validade [gultigkeit]" (GA17, 94. Cf. GA21, 62ss; SZ, 155s). A gramática deve liberar-se da "lógica" (SZ, 165s). A linguagem já não é mais a expressão de uma eterna rede de significados, mas enraíza-se na atividade humana. Isto não significa, porém, uma retomada do psicologismo: seres humanos são agora Dasein, ser-no-mundo, não receptáculos de acontecimentos psicológicos. Portanto, a "fundação existencial-ontológica da linguagem é a fala" (SZ, 160. Cf. GA21, 134). Rede, originalmente "explicação, razão etc.", correspondendo ao latim ratio, agora significa " fala, discurso, palavras, conversação etc.". Ela deu origem a reden, "falar etc.", Sprache, "discurso, linguagem etc.". Posteriormente, Rede é substituída por sagen, "dizer", Sage," dito, lenda", e nennen, Nennung, "nomear, nomeação", palavras não muito significativas em SZ. [DH]


O homem fala. Falamos quando acordados e em sonho. Falamos continuamente. Falamos mesmo quando não deixamos soar nenhuma palavra. Falamos quando ouvimos e lemos. Falamos igualmente quando não ouvimos e não lemos e, ao invés, realizamos um trabalho ou ficamos à toa. Falamos sempre de um jeito ou de outro. Falamos porque falar nos é natural. Falar não provém de uma vontade especial. Costuma-se dizer que por natureza o homem possui linguagem. Guarda-se a concepção de que, à diferença da planta e do animal, o homem é o ser vivo dotado de linguagem. Essa definição não diz apenas que, dentre muitas outras faculdades, o homem também possui a de falar. Nela se diz que a linguagem é o que faculta o homem a ser o ser vivo que ele é enquanto homem. Enquanto aquele que fala, o homem é: homem. Essas palavras são de Wilhelm von Humboldt. Mas ainda resta pensar o que se chama assim: o homem.

...

O que significa falar? Segundo a opinião corrente: a fala é uma atividade dos órgãos que servem para a emissão de sons e para a escuta. Fala é expressão e comunicação sonora de movimentos da alma humana. Esses movimentos são acompanhados por pensamentos. De acordo com essa caracterização da linguagem sustentam-se três posições:

Considera-se, primeiro e sobretudo, que fala é expressão. A representação da linguagem como expressão é a mais habitual. Pressupõe a ideia de um interior que se exterioriza. A representação mais exterior à linguagem a considera como expressão e isso precisamente quando se explica a expressão pelo recurso de uma interioridade.

Considera-se, em segundo lugar, que falar é uma atividade humana. Nesse sentido, devemos dizer que o homem fala, e que ele sempre fala uma língua. Então não podemos dizer: a linguagem fala. Pois isso significaria que é a linguagem que propicia e con-cede o homem. Assim pensado, o homem seria uma promessa da linguagem.

Considera-se, por fim, que a expressão do homem é uma representação e apresentação do real e do irreal.

...

A linguagem fala. O que acontece com essa sua fala? Onde encontramos a falada linguagem? Sobremaneira no que se diz. No dito, a fala se consuma, mas não acaba. No dito, a fala se resguarda. No dito, a fala recolhe e reúne tanto os modos em que ela perdura como o que pela fala perdura — seu perdurar, seu vigorar, sua essência. Contudo, na maior parte das vezes e com frequência, o dito nos vem ao encontro como uma fala que passou.

Se devemos buscar a fala da linguagem no que se diz, faríamos bem em encontrar um dito que se diz genuinamente e não um dito qualquer, escolhido de qualquer modo. Dizer genuinamente é dizer de tal maneira que a plenitude do dizer, própria ao dito, é por sua vez inaugural. O que se diz genuinamente é o poema. Deixemos essa frase soar, por enquanto, como simples asserção. Precisamos agir assim, caso seja possível escutar num poema o que se diz genuinamente. Mas que poema é capaz de nos falar? Agora só temos uma escolha, assegurada contra qualquer arbitrariedade. O que confere essa segurança? O que já está sendo pensado como a essência da linguagem quando pensamos desde a fala da linguagem. Seguindo essa condição, escolheremos como o que se diz genuinamente um poema, que mais do que outros pode nos ajudar a dar os primeiros passos na experiência do condicionante dessa condição. [GA12]


Falamos a linguagem. Que outra proximidade da linguagem possuímos senão a fala? Mesmo assim, nossa relação com a linguagem mantém-se indeterminada, obscura, quase indizível. Refletindo sobre essa estranha conjuntura, dificilmente conseguimos evitar a impressão de estranheza e incompreensibilidade que acompanha uma tal observação. Por isso, é indispensável perdermos o hábito de só ouvir o que já compreendemos. Esse conselho não vale apenas para cada ouvinte em particular. Vale sobremaneira para aquele que pretende falar sobre a linguagem e isso ainda mais quando essa fala tem a intenção de mostrar possibilidades que nos permitam atentar para a linguagem e para a nossa relação com a linguagem [Sprache]. [GA12]

Submitted on 13.03.2012 23:21
This entry has been seen individually 633 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project