Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
8 user(s) are online (8 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 8

more...
Home Léxico Filosofia I ideia Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

ideia

Definition:
grego: idea

Não foi Platão que fez com que o real se mostrasse à luz das ideias. O pensador apenas respondeu ao apelo que lhe chegou e que o atingiu. [GA7, pag. 21]

Pois, na linguagem de todo dia, eidos diz a visão que uma coisa visível nos apresenta à percepção sensível. Ora, Platão pretende da palavra algo inteiramente extraordinário. Pretende designar o que jamais se poderá perceber com os olhos. E a extravagância não termina aí. Pois idea não evoca apenas o perfil não sensível do que se vê sensivelmente. Idea, o perfil, significa e é também o que perfaz a essência de tudo que se pode ouvir, tocar, sentir, de tudo que, de alguma maneira, se nos torna acessível. [GA7, pag. 23]

Sócrates e Platão pensaram a essência de uma coisa, como a vigência, no sentido de duração. Mas eles pensaram o duradouro, como o que sempre é e perdura (aei on). O que sempre perdura, eles o encontraram no que permanece em tudo o que ocorre e se dá. Esta permanência, eles a encontraram na estrutura (eidos, idea) do perfil, por exemplo, na ideia de "casa".
Na ideia mostra-se o que é tudo que se constitui, como casa. Já as casas reais e possíveis são variações mutantes e passageiras da "ideia" e, nesta condição, não perduram e nem pertencem ao duradouro.
Ora, por outro lado, não se pode, de modo algum, provar que o duradouro deva fundar-se única e exclusivamente na idea pensada por Platão, no to ti ne einai (o que cada coisa já sempre foi, o ser em tendo sido), pensado por Aristóteles ou no que, nas mais diversas interpretações, a metafísica pensa, como essentia.
Todo vigente dura. Mas será mesmo que só é duradouro o que perdura e permanece? Será mesmo que a essência da técnica vige no sentido da duração de uma ideia que paira acima de tudo que é técnico, a ponto de se formar a aparência: o termo "a técnica" é uma abstração mítica? Ora, só se pode perceber, como vige a técnica, pela continuidade da duração em que a com-posição se dá e acontece em sua propriedade, no envio de um descobrimento. [GA7, pag. 33]

De acordo com a doutrina socrático-platónica, as ideias constituem o "sendo" de todo ente. As ideias não pertencem, porém, ao âmbito dos aistheta, das coisas captadas sensivelmente. As ideias são puramente visíveis apenas no noein, apenas no captar não sensivelmente. O ser pertence ao âmbito dos noeta, do não-sensível, do supra-sensível. Plotino interpretou a sentença de Parménides em sentido platónico. De acordo com essa interpretação, Parménides quer dizer que o ser não é algo sensível. O peso da sentença recai sobre o pensamento, embora num sentido diverso do que para a filosofia moderna. Caracteriza-se o ser mediante o seu modo não sensível. Segundo a interpretação neoplatônica da sentença de Parménides, o que está em jogo não é nem uma enunciação sobre o pensar e nem sobre o ser e nem tampouco uma enunciação sobre a essência da copertença entre ambos enquanto duas coisas distintas. A sentença é a enunciação sobre a pertença de ambos como o que igualmente pertence ao âmbito do não-sensível. [GA7 211]

Submitted on 27.06.2010 18:03
This entry has been seen individually 570 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project