Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
8 user(s) are online (8 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 8

more...
Home Léxico Filosofia O Objekt Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Objekt

Definition:
objet
object
objeto, ob-jeto
VIDE Gegenstand

NT: Object (Objekt): and judgment, 156, 216; and subject, 59-60, 156, 176, 179, 192, 204, 208, 216, 219, 366, 388; and world, 60, 179, 203, 366; of historiography, etc., 10, 375-376, 392, 397, 401 [BTJS]


Penso que a questão kantiana fundamental se resume na questão de regras [Regel], no sentido de que o que Kant quer saber é a construção [Bauen] do objeto. Em Heidegger, não é simplesmente a construção do objeto que o interessa, porque nele há uma crítica a priori do objeto, no sentido do objetivismo. Sobretudo porque a ontologia da coisa não retoma em Heidegger, ao menos em Ser e tempo. Então, o transcendental em Heidegger não comanda a construção do objeto – esse objeto que nós conhecemos em qualquer conhecimento empírico, precisamos conhecer esse objeto, como é que ele é objeto de nosso conhecimento? É isso que Kant tenta fazer. Heidegger dirá que o existencial “compreensão” [Verständnis] sempre produziu o caráter de objetividade [Objektivität] deste objeto. Nós sempre sabemos o que é o objeto. Nós não podemos ir atrás do processo que produz o objeto ou pelo qual nós produzimos o objeto. O objeto sempre está condicionado pela compreensão do Dasein [Verständnis des Daseins] enquanto ser-no-mundo [In-der-Welt-sein]. Esta compreensão é anterior ao objeto. Aí ele criticar é naturalmente, toda a tradição kantiana, cartesiana, como seguindo o modelo da relação sujeito-objeto [Subjekt-Objekt-Beziehung], no juízo [Urteil], nos enunciados, em que o a priori é o apofântico [apophantisch] e não hermenêutico [Hermeneutik] – o como se produz o objeto é hermenêutico em Heidegger, neles é apofântico, isto é, depende do juízo e da linguagem [Sprache]. Em Heidegger, ele já sempre está dado na sua condição de possibilidade [Bedingung der Möglichkeit]. Nesse sentido, o que Heidegger rompe aqui, à diferença de Kant e toda a tradição transcendental, é com a ideia de construção do objeto. O objeto não precisa ser construído, não se trata de construir o objeto na proposição, na sentença, porque ele sempre está constituído pela compreensão que eu tenho, pela pré-compreensão [Vorverständnis]. Então, o esquema da relação sujeito-objeto é o esquema metafísico, é o esquema objetivista que sobrou para a tradição transcendental kantiana. Assim, a construção transcendental do objeto em Heidegger chega tarde. Eu sempre sigo regras, enquanto eu sou [Ich bin], na construção do objeto e essas regras são transcendentais, mas ligadas ao mundo prático e não ao sujeito. [ESVerdade:45-46]




Submitted on 05.08.2021 18:35
This entry has been seen individually 420 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project