Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia N Nichts Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Nichts

Definition:
le rien
the nothing
o nada

NT: Nothing(ness), the (das Nichts), 7fn, 43, 128, 177, 186-188, 266, 273, 276-277, 308, 343, 352, 431; indifference not, 43; no one not, 128, 177; and nowhere, 186, 188; of Angst, 186-188, 308; of possible impossibility of one’s existence, 266; of the world, 187, 276-277, 343; self thrown into, 7fn, 277; being and, 431 (Hegel) [BTJS]


Nichts (das): «nada» (la). El término alemán nichts se sustantivó como das Nichts a partir del siglo XVI, especialmente para decir que Dios creó el mundo de la nada. Heidegger estaba intrigado por el tema de la nada desde sus primeras lecciones, fruto de sus lecturas de los místicos medievales. En su exposición de la ruina de la vida fáctica en las lecciones del semestre de invierno de 1921-1922, se dice que el destino de la caída es «la nada de la vida fáctica» (GA61, 145). La «nada de la vida» hacia la que cae la vida es anihilación (Nichtung): «La nada de la vida madura en una anihilación definitiva [que se manifiesta] en su absorción en el mundo que la envuelve» (GA61, p. 148). En Ser y tiempo, la nada es experimentada en la disposición afectiva fundamental de la angustia (Angst), la cual revela la falta de fundamento del mundo. El problema de la nada cobra luego un protagonismo central en la conferencia inaugural ¿Qué es metafísica? (1929), donde se la concibe como la anihilación del ente en su totalidad. De la misma manera que el ser no es un ente, sino que se esencia (es west), que el tiempo no es, sino que se temporaliza (zeitigt sich), que el mundo no es, sino que mundea (weltet), la nada no es una negación, sino un anihilar (Nichten). Heidegger destaca el sentido verbal activo del ser y de la nada que surgen de un abismo sin fondo inicial (que trae a la memoria la noción de Abgrund de Schelling). Por último, la nada, en cuanto irreductible a la simple operación lógica de la negación, debe pensarse en su copertenencia con el ser. La nada es más originaria que la negación y, a su vez, la nada es otra forma de expresar la finitud misma del ser en cuanto tal. Véase también la entrada Angst (die). [GA61, pp. 145-148, 153; GA19, pp. 419, 459, 558-574 (carácter de apertura); GA20, p. 401 (angustia); SZ, pp. 186-188, 266, 276-277, 282-284, 285 (cuidado, proyecto), 286 (inhospitalidad), 308, 330.] [LHDF]


A palavra alemã para “nada” é nichts. Geralmente, significa “coisa alguma”: “Nada é simples” significa “Coisa alguma é simples”. Mas nichts foi substantivado como (das) Nichts desde o século XVI, especialmente para dizer que Deus criou o mundo a partir de das Nichts. Na lógica de Hegel, das Sein, “o ser”, e das Nichts, sendo ambos inteiramente indeterminados, transformam-se um no outro, dando, assim, origem ao devir e à determinação. Das Nichts possui também outros usos. Ele pode referir-se a algum não-ente ou não-entidade particular, tal como o mundo ou o campo de ação que nos possibilita encontrar os entes (GA3, 72/49). Uma tal não-entidade é “um nada”, ein Nichts, mas não necessariamente o primeiro e único Nichts. Das Nichts pode referir-se também a um uso ou sentido da palavra Nichts, como em algumas ocorrências de das Nichts em GA61.

Heidegger intrigava-se com o nada desde as suas primeiras preleções. Ao discutir a Ruinanz ou Sturz, “queda, decadência”, da “vida fáctica”, ele diz que a destinação da decadência é “o nada da vida fáctica”. Mas nem todos os nadas são o mesmo. Formalmente, “nada” surge de “não [Nicht]” e “não [nein]”, mas uma interpretação do “nada”, nestes termos, não necessariamente caberá em todas as situações concretas, nem deve o “não” ser considerado num sentido puramente teórico: há tantos “nãos” diferentes quanto há “nadas”. Há “o nada da monotonia histórica, o nada do fracasso, o nada da falta de sentido, o nada do desespero [...]”. O “nada de [não] estar presente, à disposição de alguém”, não obstante vir mais imediatamente à cabeça, não é obviamente o nada “original” (GA61, 145s). Se digo “Não há nada na geladeira”, provavelmente não quero dizer que não haja absolutamente nada na geladeira (o que não pode ser verdadeiro, já que geladeiras contêm nitrogênio etc.), mas que não há nada comestível na geladeira. Posso querer dizer, de maneira tranquilizadora, que não há nada desagradável na geladeira, nenhum rato morto ou mão cortada (cf. GA6T2, 50). Em outro texto, Heidegger distingue, de modo correspondente, o algo (Etwas) da lógica formal do algo carregado de significação mundana, os vários modos pelos quais posso dizer “Há algo na geladeira” (GA56-57, 114s; GA58, 216s, 220). Conclui que o “nada da vida” para onde a vida decai é Vernichtung. Nichtung, “aniquilação, niilação — o nada da vida amadurecida em uma definitiva aniquilação, [...]”, isto é, a “não-ocorrência” ou inconspicuidade da vida, sua absorção no mundo à sua volta (GA61, 248).

“O que é metafísica?” [GA9], obra celebremente atacada por Carnap, começa com um uso negativo de nichts, no qual a palavra significa “coisa alguma”: “Apenas os entes devem ser examinados [pelas ciências] e além disso — nada [nichts]”. Ele avança para um uso positivo, no qual nichts não pode ser substituído por “coisa alguma”: “O que ocorre com este nada [dieses Nichts]? [...] O que ocorre com o nada [das Nichts]?”. E finalmente: Das Nichts selbst nichtet, “O próprio nada nadifica”. O pronome indefinido é substantivado, e um verbo cognato é aplicado a ele. Nichten, “nadificar, aniquilar”, é forjado a partir de nicht, “não”. E similar a vernichten, “aniquilar”, embora distinto. Devido a essa afinidade, nichten pode possuir um tom transitivo, embora nunca seja acompanhado de um objeto direto. Nichtung, “nadificação, não-dade”, é o que faz o nada, do mesmo modo como die Welt weitet, “ο mundo mundaniza” ou a luz ilumina. “O nada” é usado positivamente: Heidegger não está dizendo “Não há coisa alguma que nadifique”, mas “Algo nadifica, a saber, o nada”. O nada não deve ser explicado em termos de negação: ele é “a origem do negar”.

O nada e seu nadificar são dados na experiência — na angústia, quando os entes como um todo, incluindo qualquer pessoa como um indivíduo distinto, parecem escapulir de nós, privando-nos de qualquer sustentação ou suporte (GA9. Cf. SZ, 184ss). Só ocasionalmente sentimos angústia. O nada nadifica, porém, continuamente, obscurecido pelo nosso foco cotidiano nos entes (GA9). O argumento é este: para existir como Dasein, não posso simplesmente ser afetado pelos entes em minha vizinhança imediata. Preciso transcender para o mundo ou para os entes como um todo. Somente então posso estar consciente dos entes enquanto entes, ter uma atitude livre em relação a eles, perceber que algo está faltando — não aí, ou não como deveria ser, considerar algo como possível ou como impossível, ou me perguntar por que algo é assim e procurar razões para isso. Se, como um inseto “pobre-de-mundo”, for paralisado por um único ente, não poderei estar consciente das suas alternativas, livremente decidir como tratá-lo ou acessá-lo, notar que ele não é como deveria ser, ou perguntar por que é assim e não de outro modo (cf. GA29, 274ss). Para escapar das garras dos entes particulares, eu preciso transcendê-los para o mundo, o mundo puro e não os entes dentro dele. Isto não acontece (como no estoicismo e em Spinoza) primeiramente por meios intelectuais, mas por um humor, no qual os entes que me rodeiam escapam de mim, sem parar totalmente de ser. O filósofo torna-se consciente disto na angústia explícita e ocasional. Para ser-no-mundo, contudo, Dasein só deve ter angústia de forma implícita mas constante. A visão de Heidegger é diferente da de Hegel: o ser e o nada aparecem juntos não porque ambos sejam indeterminados, mas “porque o próprio ser é em essência finito e revela-se apenas na transcendência de Dasein oculta no nada” (GA9).

A fascinação de Heidegger pelo nada sobreviveu ao seu interesse pela angústia. Insistiu na importância da questão “Por que há os entes e não antes o nada [Nichts]?”, não porque pudesse respondê-la, mas porque ela abre “os entes como um todo enquanto tais” (GA40, 3; cf. GA9). A questão foi colocada por Leibniz e Schelling (GA6T2, 446ss/GA9). Heidegger explica posteriormente que a colocou em sentido bem diferente: “Por que em toda parte apenas os entes têm prioridade, e o não dos entes, ‘este nada’, i.e., o ser considerando-se a sua essência, não é levado em conta?” (SF, 98; [125] cf. GA9). Aqui o ser é identificado com (o) nada porque não é um ente (cf. GA65, 246). O ser também é associado ao nada e ao não porque se retira dos entes (GA65, 245s) e, ainda, porque a revelação do ser no mundo e na terra envolve conflito e tensão (GA65, 264).

O nada, intrinsecamente, tem pouco a ver com a morte ou com o niilismo, mas o pensamento tardio de Heidegger sobre o nada se conecta com o seu pensamento sobre o niilismo (GA6T2, 49ss). [DH:123-125]



Submitted on 27.07.2021 23:23
This entry has been seen individually 366 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project