Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
15 user(s) are online (15 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 15

more...
Home Léxico Filosofia G Grund Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

Grund

Definition:
fundamento
princípio
ratio
fondement, fondation, constitution [EtreTemps]

Nota do Tradutor: O que a língua alemã exprime com o mesmo termo grund deve ser expresso no vernáculo umas vezes como fundamento, outras por razão. [MHeidegger - Sobre a essência do fundamento, p. 114]

NT: ne pas confondre Fundament [EtreTemps]

NT: Ground (Grund, noun), 8, 32, 34-36, 152-153, 206-207, 228, 234, 236, 257, 278, 332, et passim; laying or exhibiting the, 8, 10; of Da-sein in ecstatic temporality, 300 337, 351 356 ("basis"), 374, 386, 396 (basis), 397, 436 (basis); being the ground of a not or nullity, 282-285, 305, 325, 348; as horizon, 339, 366, 436 (Note that the common idiom, auf Grund des on the basis of, is often translated here as "because of, on account of, due to, as a result of."). See also Foundation; Guilt; Horizon; Responsibility [BT]


NT: O que a língua alemã exprime com o mesmo termo Grund deve ser expresso no vernáculo umas vezes por fundamento, outras por razão. [MHeidegger]


Grund provém de um antigo verbo que significa "moer". Originalmente significava "areia, solo arenoso, terra". Adquiriu uma variedade de sentidos e corresponde, aproximada se não exatamente, a "solo, terra; lote (de construção); campo; fundo, leito (de mar); fundação, profundezas, base; razão, causa". Dizer que algo é grundlos, "sem fundo", pode significar que não provê suporte algum, que não possui causa alguma, ou que não tem direito, habilitação ou autorização (GA49, 76). Grund deu origem a (sich) gründen, "fundamentar, fundar, basear, estabelecer, ser baseado, fundado em", também a begründen, "fundamentar, estabelecer, justificar, fornecer razões para", e ergründen, "aprofundar, penetrar, chegar ao fundo de algo". Recebe prefixos, especialmente como Abgrund, estritamente "terra indo para baixo", isto é, "profundezas insondáveis, abismo, fundo abissal etc."; Ungrund, "não-solo", i.e., "solo sem fundamentação/fundação"; e Urgrund, "solo primordial" (cf. GA65, 379s). Esta palavra também pode ser ela mesma um prefixo, como em Grundsatz, "princípio", Grundstimmung, "disposição básica"; Grundlegung, grundlegen, "estabelecimento, estabelecer as fundações"; Grundbegriffe, "conceitos básicos", "representações que, em sua inter-relação constitutiva de todo conhecimento dos entes, fornece o fundo, o solo" (GA27, 196). Heidegger associa Grund ao grego arche, que significa tanto "começo, primeiro princípio", quanto "regra, domínio" (ER, 4s; GA42, 220ss/181ss; GA49, 77).

Grund desempenha dois principais papéis na filosofia pré-heideggeriana. Grund, Ab-, Un-, e Urgrund têm uma participação significativa nas especulações de místicos tais como Mestre Eckhart e Böhme sobre a natureza de Deus e da alma. Schelling seguiu este caminho, dizendo por exemplo que oposições tais como entre o real e o ideal pressupõem um Urgrund ou Ungrund, que não é nenhum dos dois opostos, mas a absoluta Indifferenz. Ele contrasta Grund com Existenz’, todo ente envolve um fundo, solo que se esforça por atualizar-se na existência (cf. NII, 476s / ENDPHILO, 70s Cf. 446ss / ENDPHILO, 42ss sobre a visão similar de Leibniz). Em segundo lugar, Leibniz formulou o "princípio de razão suficiente", conhecido em alemão como der Satz vom zureichenden Grund, que afirma que "nada nunca acontece sem que possua uma causa ou ao menos uma razão ou fundamento determinante" (Teodiceia II, §.44). Heidegger prefere, em geral, a versão latina de Wolff: Nihil est sine ratione (cur potius sit quam non sit), "Nada é sem razão (pela qual é em lugar de não ser)" (GA26, 141; ER, 14; pr, 31). Um Grund ou Ratio não precisa ser uma causa: "toda causa [Ursache] é um tipo de fundamento ou solo. Mas nem todo fundamento produz algo no sentido de causá-lo. Desta forma, por exemplo, a proposição universal e verdadeira "Todo homem é mortal" contém o fundo, o solo do nosso reconhecimento de que Sócrates é mortal. Esta asserção universal não produz, contudo, a mortalidade; ela apenas é correta; ver Schopenhauer, A raiz quádrupla do princípio de razão suficiente (1813). Mas o argumento confunde a verdade de uma proposição com a afirmação da mesma, e a mortalidade de Sócrates com o reconhecimento que dela fazemos. "A relação que causa e Grund mantêm um com o outro é questionável" (GA31, 137). DH]

Submitted on 18.03.2012 13:45
This entry has been seen individually 423 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project