Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia D dizer Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

dizer

Definition:
sagen

Dizer é um mostrar anterior à fala: " O ser essencial da linguagem [Die Sprache, sprechen, ‘falar’] é o dito, a saga do dizer [die Sage] como mostrar [die Zeige]" (UK, 254/123). Está associado ao ACONTECIMENTO: "A força que move o mostrar do dito é o apropriar-se [das Eignen]. Ele traz tudo o que está presente e ausente para o seu próprio [Eigenes], de onde os entes se mostram pelo que eles são e permanecem de acordo com o seu tipo. [...] O acontecimento apropriador [Ereignis] reúne o desígnio [Aufriss] do dito e o desdobra na estrutura do mostrar múltiplo" (UK, 258s/127s). Dito aqui é o "dizer projetante [entwerfende Sagen]" original, que estabelece o que pode e o que não pode ser dito no discurso ordinário, que supre um povo de conceitos, abrindo-lhe assim um mundo. O dizer projetante é Dichtung, "poesia" (UK, 61/198). Desta forma, Sage como " lenda, saga, conto" não está distante da visão de Heidegger. Em algum lugar, ele cita o final de "Voz do povo" de Hölderlin, cf. as lendas, os contos que orientam um povo no mundo, mas precisam ser interpretados pelo poeta: "[...] de certo, tais contos são um bem/ pois rememoram o mais elevado/ mas ainda é preciso um intérprete/ de contos sagrados" (HEP, 46/312). [DH]


Parmênides diz: noein e pephatismenon em to eonti. Na tradução corrente: o pensar que é enquanto o que se pronuncia no ser.

Mas como podemos fazer a experiência e compreender esse ser pronunciado se não cuidamos em perguntar o que significa aqui "pronunciado", "pronunciar", "dizer", "linguagem". Como podemos fazer essa experiência se tomamos apressadamente o eon pelo ente, deixando indeterminado o sentido de ser? Como haveremos de conhecer a referência de noein ao pephatismenon se não determinamos de maneira suficiente o noein levando em consideração o fragmento VI? O noein, que queremos pensar em seu pertencer ao eon, funda-se e vige a partir do legein. É aí que o deixar pro-por-se do que está em vigência acontece em sua vigência. Somente enquanto o que assim se pro-põe é que o vigente pode dizer respeito ao noein, ao tomar em atenção. Por isso, enquanto nooumenon do noein, o noema já é sempre um legomenon do legein. O vigor do dizer, tal como os gregos experienciaram, reside, porém, no legein. O noein é, por isso, um dito em sua própria essência e não posterior ou acidentalmente. Sem dúvida, o dito não é necessariamente o que foi pronunciado. Algo pode e por vezes até deve permanecer silenciado. Tudo o que se pronuncia e silencia é, por sua vez, já sempre um dito. Já a recíproca não vale.
Em que consiste a diferença entre o que é dito e o que é pronunciado? Por que Parmênides caracteriza como pephatismenon o nooumenon e o noein? Pelo dicionário, traduz-se corretamente pephatismenon por "pronunciado". Mas em que sentido se faz a experiência de um dizer, nomeado nas palavras phaskein e phanai? Será que dizer refere-se apenas à vocalização (phone) daquilo que uma palavra ou frase significam (semainen)? Será que aqui se apreende o dizer como expressão de um interior (da alma), que assim se deixa dividir em duas partes, a fonética e a semântica? Não há nenhum vestígio desse entendimento na experiência do dizer como phanai, da linguagem como phasis. No verbo phaskein encontramos: convocar, nomear celebrando, chamar. Tudo isso, porém, porque vige como o que deixa aparecer. Phasma é o aparecer das estrelas, da lua, o seu chegar a aparecer e brilhar, o seu encobrir-se. Phaseis diz as fases. Os modos alternantes de seu brilhante aparecer são as fases da lua. Phasis é a saga do dizer. Dizer significa fazer aparecer. Phemi, eu digo, tem, com relação a lego, a mesma mas não uma igual essencialização: fazer aparecer em seu vigor e numa posição o que vige. [GA7 215]


Assim a evocação que nomeia as coisas invoca e provoca também a saga do dizer que nomeia o mundo. O dizer confia o mundo para as coisas, abrigando ao mesmo tempo as coisas no brilho do mundo. O mundo concede às coisas sua essência. As coisas são gesto de mundo. O mundo concede coisas. [GA12]

Submitted on 12.03.2012 23:27
This entry has been seen individually 797 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project